Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Sagrada Esperana aposta em reforos

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 27 de Junho, 2015

Novos reforos do qualidade ao plantel que dispensou oito jogadores

Fotografia: Arimatia Baptista

O avançado Love Kabungula, que na primeira volta do Girabola representou o Clube Recreativo da Caála, o defesa direito Anastácio, que esteve vinculado ao Benfica de Luanda e o médio ofensivo Oliveira, que actuou no Oliveirense de Portugal são os reforços do Sagrada Esperança da Lunda Norte, para a segunda volta do Girabola.

Os três jogadores contratados, pela direcção do Sagrada Esperança da Lunda Norte, assinaram por um ano e seis meses, segundo revelação, no Lubango, do director para o futebol dos diamantíferos, Jojó Garcia.

O dirigente afirmou, que os novos reforços estão a dar muita qualidade ao plantel,  acrescentou que oito jogadores cujos nomes não revelou foram dispensados pela direcção do clube.

“Foram dispensados da equipa oito jogadores, mas não gosto de revelar muito os nomes dos atletas que saem, porque também são bons, só que não tiveram oportunidade de jogar. Temos já no plantel o Love Kabungula, Anastácio e o Oliveira. Acredito serem jogadores que estão a dar qualidade à nossa equipa”, sublinhou.

O director para o futebol dos diamantíferos disse, que equipa está a fazer um processo de renovação do conjunto, porque a perca de jogadores que tiveram obriga a realizar um trabalho de base com atletas com características para o clube.

 Jojó Garcia justificou, que foram colocados três jogadores na equipa, e tirou-se oito. “Com isso, temos mais qualidade e menos jogadores. Esse, é o objectivo que a direcção pretende. Os jogadores contratados, estão a integrar-se bem no plantel”, referiu.

O director considerou proveitoso o jogo - treino realizado na quarta-feira, no Lubango, diante do Clube Desportivo da Huíla, em que perderam por 0-2.
 Salientou ainda que o resultado não esteve em causa, porque serviu para criar maior rodagem competitiva ao conjunto, tendo em conta a prolongada paragens que se regista no Girabola de 2015.

O responsável destacou, que durante o jogo amistoso com os militares da Região Sul, observou que os jogadores contratados dão garantias para jogar na segunda volta nos “onze” ou nos oito que o clube está a contar.

 “Há jogadores, que na primeira volta não atingiram as metas, que exigimos no clube em termos de estatística. E esses foram coerentes em aceitar as nossas decisões, porque não atingiram os objectivos”, aclarou.

 O dirigente explicou que a equipa retém jogadores, para dar um melhor ritmo e que também no fim da presente época pode ser analisada a situação dos menos utilizados por via da dispensa ou fazer as devidas correcções para contar com eles na próxima época.


CLASSIFICAÇÃO
Sagrada quer melhorar a posição


A melhoria de sexto lugar, na tabela geral,  alcançado na edição passada do Girabola, constitui uma das metas traçadas pela direcção do Clube Sagrada Esperança da Lunda Norte, que está apostada no processo de formação.

Jojó Garcia, director para o futebol do clube, informou que o conjunto está a efectuar uma preparação condigna, para fazer uma melhor segunda volta do Girabola. Também sublinhou que todos os adversários são fortes, daí, a direcção estar organizar um processo de formação de uma nova equipa.
“Tivemos em falta, novos jogadores titulares. Então, o objectivo é formar uma equipa para que daqui a um ano, possamos ter um conjunto muito mais competitivo”, assegurou.

Jojó Garcia lembrou, que o Sagrada Esperança, conquistou o título de campeão nacional em 2005. Sustentou, que actualmente, as ambições da direcção passam primeiramente pela formação de um novo plantel, para que no momento certo, venha a lutar para o título nacional.

“Digo, com muita experiência, porque fui capitão da equipa, quando em 2005 fomos campeão nacional. Agora estamos a formar uma equipa, para que no momento certo, lancemos o repto. Estamos a fazer um processo de formação e temos de ter paciência. E isso, não passa por imediatismos”, disse.

“Estamos a pensar ser campeão, mas não num processo imediato, mas num processo longo. Estamos a preparar uma equipa para que daqui há três ou quatro anos sermos competitivos”, acrescentou Jojó Garcia. 
GH


CAMPEONATO
Director destaca
nível competitivo


O director para o futebol, do Clube Sagrada Esperança, considerou no Lubango que o presente campeonato nacional de futebol da primeira divisão “é muito competitivo”.

Jojó Garcia referiu, que o Girabola de 2015 tem treinadores qualificados, com muito profissionalismo e as equipas apresentam-se com boa estrutura.
Como exemplo, citou o plantel do Clube Desportivo da Huíla (CDH), com quem realizou um jogo amistoso na quarta-feira, possuir bons jogadores bem estruturados fisicamente e conta igualmente com bons reforços.

 “Estou a ver aqui, o Desportivo da Huíla, com um bom plantel e bom reforço. Tem um jovem que conheço muito bem, que não vi jogar no futebol angolano, mas que dei conta que jogava na Europa, está agora no Desportivo. Então, qualquer uma das equipas, está competitiva e com uma boa estrutura”, reconheceu.


DESPESAS
“Lundas” advogam
fim de apoio aos árbitros


Para o melhoramento da actuação da arbitragem, em Angola, os clubes devem deixar de custear as despesas dos árbitros, defendeu no Lubango, o director para o futebol do Sagrada Esperança.

 Jojó Garcia, antigo capitão do plantel dos diamantíferos da Lunda Norte, hoje  dirigente desportivo, afirmou que embora não goste de falar da arbitragem, “ sei dirigir-me as arbitragens mesmo que estejam erradas”.

 Em sua opinião, um dos factores que tem de melhorar, é  fazer a  auscultação para discutir os pontos que podem contribuir para o melhoramento da arbitragem.

 “Um dos factores importantes, em minha opinião pessoal, é que os clubes deixem de custear as despesas dos árbitros e essa responsabilidade passe para as Associações provinciais, mas com os capitais dos clubes. A Associação é que deve tratar dos árbitros para se ter menos contactos dos árbitros com as equipas”, referiu.

 O dirigente asseverou, que com essas medidas, evitavam-se hospedar as equipas de arbitragem nas unidades hoteleiras onde estejam também os jogadores.

 A Associação se assumir essa responsabilidade de alojar e levar ao aeroporto para o campo e vice-versa, era melhor porque há muitos contactos, apontou Jojó Garcia.

  “É um dos factores a melhorar quanto à arbitragem, porque são vários. Por isso, acredito que a primar por esses princípios, a arbitragem vai estar em bom caminho para melhorar e ter um bom desempenho daqui para frente”, opinou.