Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Sambilas esperam dormir no Topo

Betumeleano ferrao - 08 de Dezembro, 2018

Grmio do Sambizanga almeja despojar 1 de Agosto do primeiro lugar da tabela de classificao

Fotografia: Vigas da Purificao | Edio Novembro

O Progresso está como o seu nome neste início do campeonato: competitivo e a provocar receios nos adversários. Esta tarde nos Coqueiros, a partir das 17h00, os sambilas podem dormir na liderança do Girabola Zap, caso consigam vencer ao FC Bravos do Maquis. Até ao momento, os sambilas têm feito coisas boas, têm criado enorme expectativa, se a tendência for a mesma das vezes passada,  regressam ao topo da classificação, ultrapassando o 1º de Agosto, que apenas joga amanhã.
Muito mais do que o factor casa, os sambilas levam aos Coqueiros a regularidade de quem está confiante, porque calculou o custo e está disposto a pagá-lo. O Progresso Sambizanga tem superado todas as adversidades, assim é normal que o jovem plantel passe ao largo do que se passa nos bastidores, para manter o foco na sua exibição, realmente, se os jogadores se deixassem influenciar pelo que não lhes diz respeito, seguramente os sambilas não seriam das sensações do campeonato.
O Progresso tem dado boa conta de si, em parte porque tem sido testado ao limite, o FC Bravos do Maquis tem apenas menos dois pontos do que os sambilas, motivo por que é o adversário ideal, para forçar a equipa do Sambizanga a provar que os seus alicerces são inabaláveis. A posição dos contendores na classificação deixa antever um jogo equilibrado, fica claro que a teoria dá total favoritismo ao Progresso, mas os maquisardes querem tudo menos ir aos Coqueiros ver a banda a passar, a diferença que lhes separa do opositor é mínima, então, os ventos do Leste podem soprar no velhinho.
As Mangueiras podem testemunhar a reabilitação ou do Saurimo FC ou do Sporting de Cabinda, ambos contendores estão a precisar de reajustar o passo para se mostrar no campeonato. Ainda assim, a aflição não é mesma para os dois lados, os leões estão bem famintos, como fica evidente pelo último lugar, depois de quatro jornadas.
Os lundas têm poucos motivos para esfregar às mãos de contentamento, ambicionam vencer para apagar a derrota da jornada passada, mas estão de sobreaviso por saber que os leões estão desesperados, as chances de os pontos ficarem todos em casa são todas, porém, é importante que os forasteiros sejam tidos em conta, porque um dia a tempestade vai dar lugar à bonança.
Ainda distantes do que disseram que querem alcançar, quer o Libolo, quer o Sagrada, precisam de comer muita relva, para despertarem atenção no campeonato. O confronto directo que vão protagonizar esta tarde, 15h00, no estádio de Calulo, vem em pior altura, porque compromete o anseio de reabilitação, mas é como tudo, tanto os libolenses, como os diamantíferos, sabem que há males que vêm para bem, então, o jogo desse tarde pode se enquadrar dentro disso.
Mais pressionado, porque esticou a corda até ao título, os libolenses têm de fazer de vida, porque para chegar aos concorrentes directos, os que lutam para ganhar o campeonato, ainda tem de ultrapassar primeiro o Sagrada Esperança, que só tem um ponto de vantagem.
A jornada tem mais um dérbi, claro que só podia ser em Luanda. Para esta tarde está marcado o ASA - Interclube, 16h00, no 22 de Junho. Os aviadores aceitaram levar a contenda para o reduto do adversário, isso quer dizer tudo ou nada, o mais importante é que o ASA já percebeu que dentro ou fora, a ambição tem de ser a mesma, realmente há bons indicadores que a equipa do aeroporto tem dado, mas faltam os resultados para dar estabilidade aos comandados de José Dinis.
Os polícias vão viver uma situação pouco comum, ser forasteiros na própria casa, mas o foco está no triunfo, para tentarem ganhar um novo ânimo naquilo que se pretende, uma época mais consistente e promissora do que a passada, o Interclube pode sorrir se for mais eficaz no último terço do que o ASA.

AMANHà
Campeão no Ombaka para “curar” feridas


O estádio de Ombaka vai aquecer amanhã, a partir das 15h30, dia em que encerra a quinta jornada do campeonato. A visita do 1º de Agosto ao Académica do Lobito, está a gerar muita expectativa, porque estão curiosos para ver que resposta o campeão vai dar, depois da eliminação precoce nas afrotaças.
O fracasso africano deu outra visibilidade ao jogo de Ombaka, exagero à parte, é mesmo um dos destaques da jornada, porque aconteceu o impensável ao 1º de Agosto, que deixou marcas ninguém tem dúvidas, mas nada melhor do que aguardar pelos 90 minutos, para ver como os militares vão reagir ao desastre africano.
A corda nem sequer foi preparada, então, seria exagerar falar em corda no pescoço do 1º de Agosto, ainda não é para tanto, porém, os militares vão estar sob exame, mas o examinador, Académica do Lobito, tem todos os motivos para colocar as suas barbas de molho, porque alguém vai ter de pagar a factura do que aconteceu no Congo.
Os estudantes sabem que tanto podem dar como podem receber uma lição, é aconselhável que sejam humildes e se contenham antes de avançar com tudo, para não serem feridos de morte pelo poder de fogo dos militares.
Bem atento a manutenção da inesperada nuvem negra que tirou brilho ao maior rival, o Petro de Luanda vai tentar tirar bom proveito da situação, somando os 3 pontos no confronto com o Clube Recreativo da Caála (CRC), 16h00, no 11 de Novembro. Os tricolores têm motivos para esperar lucrar em dose dupla, mas é importante que não tentem se distrair com o que podem fazer os militares, ainda mais porque David Dias, técnico do CRC, está a ser alvo de contestação, então é normal que os atletas queiram provar aos adeptos, que o problema não está no treinador.
Os tricolores também têm sofrido pressão dos adeptos, a bem da verdade as boas exibições tardam a tranquilizar os que se sentam nas bancadas, mas é bom que o plantel se mantenha fiel a si mesmo, ter tudo ao menos tempo nem sempre é possível, assim, a equipa tem de se contentar com o que pode fazer, continuar a ganhar. Tentar levar dois ossos ao mesmo tempo, pode terminar em desolação para o Petro.
Quer queira quer não, o técnico David Dias sabe que um novo desaire é tudo menos um bom sinal de permanência, é verdade que quem manda ficar ou sair não são os adeptos, mas os que protestam podem dar motivos de queixa aos dirigentes e é normal que estes concluam que há razões para mudar.
O 4 de Janeiro vai testemunhar, a partir das 15h00, um jogo de aflitos, Santa Rita - Kabuscorp. Uma olhada na classificação, permite ver que os extremos não vão se tocar, mas há um detalhe que torna equivalente os contendores, ambos estão intermitentes. Os católicos até trocaram de treinador para mudar o rumo dos acontecimentos, os palanquinos não dão sinais de impaciência, porém, é ponto assente que o atraso é grande demais, para acreditar que no Palanca há um candidato ao título, é ganhar ou ganhar para o Santa Rita e o Kabuscorp, mas só um deles pode ter aproveitamento de cem por cento.
Mais tranquilo, porque tem conseguido fazer bonito em meio das dificuldades, o Desportivo da Huíla vai aos Eucaliptos, 15h00, tentar se impor sobre o Cuando Cubango FC. Os donos de casa às vezes costumam fazer surpresas, mas hoje o adversário  tem mais argumentos competitivos para ser mandão, mas para isso tem de entrar com ferramentas, não com alto salto, para ser superior.