Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Santa Rita domina na estreia

Augusto Panzo - 05 de Janeiro, 2017

Região cafeícola regressa este ano ao Campeonato Nacional de Futebol da Primeira Divisão após duas temporadas ausente

Fotografia: Paulo Mulaza

O Campeonato Nacional de Futebol da Segunda Divisão, conhecida também por Segundona ou Zonal de Apuramento, teve como realce a estreia de duas novas equipas, que por coincidência dominaram a prova. Uíge regressa ao Girabola, enquanto o Huambo volta a competir com duas formações.

Contra todas as expectativas, esta formação conseguiu no ano da sua estreia atingi o top, tendo suplantando adversários tradicionais inquilinos nesta competição como são os casos do Domant FC do Bengo, Cabinda Sport Clube e Sporting Cabinda, a priori os candidatos à ascensão à I divisão.

No histórico desta competição, a província do café regista a sua maior presença em número e em competitividade nas primeiras edições, em que foi representada pelos Construtores e FC do Uíge.

A direcção liderada por Nzolani Pedro conseguiu este feito logo no ano da sua fundação com todo mérito demonstrando solidez nas suas estruturas e organização, o que faz de si um clube a ter em conta no ano em que muitos vaticinam como um caloiro atrevido.

O FC JGM que tem como presidente Jorge Gonçalves Magrinha entra na lista dos girabolistas, depois de duas tentativas goradas. Podemos afirmar que a terceira foi de vez e acreditamos que terão criadas as condições para juntarem-se ao convívio dos melhores do futebol nacional. Deste jeito, a formação do Santa Rita FC de Cássia recoloca a província do bago vermelho no Girabola, rendendo assim a sua "conterrânea" União Sport Clube do Uíge, dois anos depois desse conjunto ter baixado de divisão.

Com relação a formação do Huambo, a presença desse conjunto veio reforçar o leque de equipas da zona do Planalto Central na referida prova, que com essa ascensão se junta ao Recreativo da Caála, elevando para dois os representantes. 

Se por um lado temos que reconhecer o trabalho por estas duas equipa, do outro encontramos o malogro de outras, que por vários motivos viram os seus objectivos desfeitos, porque não conseguiram concretizar esses propósitos. São os casos do Sporting de Cabinda e Cabinda Sport Clube, da região do Maiombe, e do Domant FC do Bula Atumba, da província do Bengo, que mais uma vez viram seus projectos gorados, pois, não foram capazes de conseguir o apuramento. 

No que toca à organização, o Zonal de Apuramento ao Girabola Zap de 2017 decorreu sem grandes sobressaltos, salvo a questão do reduzido número de equipas presentes, num total de nove conjunto apenas, já que o representante de Malange não foi autorizado, por não ter cumprido com os prazos de inscrição estabelecidos pela FAF.

A arbitragem não teve muitos casos de registo, embora em alguns jogos tenha havido questões que deixaram adeptos e dirigentes cépticos, devido à interpretação de algumas leis novas em vigor agora, como a do fora do jogo.