Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Santa Rita ensaia milagre

Betumeleano Ferro - 23 de Fevereiro, 2019

Equipa do Uige atravessa uma fase boa com o regresso de Paulo Saraiva

Fotografia: Santos Pedro| Edies Novembro

A cauda do campeonato promete ser mais longa e até ao fim do campeonato. O figurino actual dá enorme possibilidade disso vir a acontecer, pois a grande alternância que se verificou na primeira volta, deu uma amostra verdadeira do que vai ser o campeonato dos aflictos, que deixou de contar com o Santa Rita de Cássia.
Os católicos deixaram boquiabertos quem já os via na rua da amargura. O regresso de Paulo Saraiva, apressou a recuperação do representante do Uige, que devagar, mas com passos firmes, conseguiu somar os pontos necessários, para colocar-se numa posição bem tranquila. O 8º é confortável e seguro demais, para consolidarem a fase actual que atravessam.
A mudança de ares é capaz de ser incapaz para explicar tudo, pelo menos as imagens televisivas são a melhor prova, de que público não tem faltado nos jogos do Cuando Cubango FC. É verdade que o Kuito também é uma cidade de futebol, ainda assim, a lanterna vermelha indicia que alguém demora a se deixar contagiar pelo inesperado apoio, que tem recebido nos Eucaliptos.
O que acontece nos bastidores do Saurimo FC é mesmo que lavar a roupa suja em hasta pública. A direcção do clube optou por mudar o nome da equipa, mas a mudança trouxe tudo menos a bonança dos bons resultados. Os velhos hábitos herdados com outra denominação se arrastaram até a presente época e as consequências estão a vista de todos. O técnico Kito Ribeiro foi rendido por Dione, mas nem com isso aconteceu o acerto competitivo e o penúltimo lugar pode ser prenúncio de algo mais, se nada mudar.
O Sporting de Cabinda também faz parte do trio de aflitos. Os leões estão sem apetite, preocupam os seus adeptos e o espectro da despromoção é real, não obstante a equipa ter os mesmos 15 pontos do ASA e Académica do Lobito. Forte contra adversários de grande gabarito e pouco competitivo contra as formações do seu campeonato, eis o retrato fiel do desempenho leonino nas 15 jornadas iniciais do campeonato, que ajuda a perceber o que esteve mal na prestação verde e branca.
A diferença pontual entre as equipas que estão na zona de descida, é insignificante quando comparada com os que estão mais próximos da zona de água. Por exemplo, o Libolo, Interclube e Caála têm 18, ASA e Académica 15, uma boa amostra de quão interessante pode ser o campeonato, durante a segunda volta. A diferença pontual é tão pouca, que nem os que estão distantes dos aflictos podem se sentir tranquilos.