Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Sector intermdio faz a diferena

Paulo Caculo - 31 de Janeiro, 2017

Tricolores na ltima etapa em Benguela tm plantel maioritariamente integrado por mdios

Fotografia: Jos Cola

As grandes soluções para as opções ofensivas do Petro de Luanda vão depender do meio -campo. À semelhança do que aconteceu na época transacta, o sector intermédio pode fazer a diferença no rendimento da equipa, durante a temporada futebolística de 2017.

Com 14 médios, o leque de opções do plantel tricolor alargou de forma significativa, sobretudo, com as contratações de Rubinho e Nandinho, duas unidades que chegam ao conjunto com muitas e boas referências, susceptíveis de intensificar a concorrência.

A luta pela titularidade afigura-se intensa, e o alargamento das opções não deixam margem para dúvidas: a matriz do sucesso da equipa continuar depositada na maior intensidade e velocidade de processamento que Job e Carlinhos (principalmente estes dois elementos) transmitem à equipa tricolor.

A preponderância dos dois atletas vai além da assistência ao ataque. Destaca-se a eficácia que demonstram na ligação entre o meio -campo e o ataque.

Os últimos indicativos do estágio demonstraram a importância dos médios na estratégia do técnico Beto Bianchi, que não dispensa a participação dos quase "omnipresentes" Herenilson, Wilson, Mateus, Mabiná e Tiago Azulão, este último, médio ofensivo com preponderância no ataque da equipa.

Adivinha-se, por isso, uma mudança de dinâmica no meio -campo do Petro, sobretudo, a julgar pela forma como o treinador habituou a alterar as "peças do xadrez", para permitir mais cobertura dos espaços, e principalmente mais amplitude da zona de intervenção dos jogadores com mais poder nas transições, tanto a nível físico como técnico.

Com a entrada de Rubinho e Nandinho, o meio -campo dos tricolores pode ganhar mais fluidez, intensidade e acutilância na distribuição de posse de bola. Desta provável mais-valia pode depender o sucesso do Petro, na presente temporada futebolística. Não foi por acaso que Bianchi apostou em dar mais consistência a este sector.

Contrariamente, ao meio -campo, as demais posições da equipa encontram-se muito mais equilibradas, dispõe o treinador de quatro  guarda-redes, seis  defesas, três dos quais centrais e apenas dois avançados.

Em relação à baliza, Gerson e Lamá devem dominar a concorrência, relegam para planos secundários os jovens Mig (24 anos) e Mualucano (19). Na defesa, Mira, Maludi, Elio, Eliseu, Abdull e Ari discutem os lugares, ao passo que no ataque as opções limitam-se a dupla: Fabrício e Toni, este último, recém chegado ao plantel.

PRÉ-ÉPOCA
Jogo com 1º de Maio encerra estágio


Ao contrário da pretensão em não realizar nenhum amistoso no estágio que realiza nas terras das acácias rubras com equipas do Girabola, o técnico brasileiro recuou na posição, encerra o ciclo de jogos com adversários do campeonato nacional da I divisão.O plantel do Petro encerra hoje, às 17h00, com o 1º de Maio de Benguela, na sequência de partidas de preparação no estágio pré-competitivo que realiza em Benguela, com vista o Girabola de 2017 e à Taça de Angola.

Depois das vitórias conseguidas diante do Misto de Benguela (10-1), Nacional (6-0) e Atlético (2-1), os tricolores esperam colocar à prova a força colectiva, ritmo e solidez competitiva da equipa.

Apesar de reconhecer que os resultados nesta pré-época nada representarem para a  equipa técnica, Beto Bianchi acredita que o hábito de vitórias cultivadas pelo grupo, nesta fase de preparação, acaba sempre por ser importante para o estado anímico do grupo, em vésperas do começo do campeonato.

Ontem, os tricolores jogaram com a equipa da Académica do Lobito, cujo resultado até à altura do fecho da edição era desconhecido. 
A equipa regressa amanhã a Luanda, deve o jogo oficial de apresentação da equipa acontecer no domingo dia 5, no campo Osvaldo Saturnino de Oliveira "Jesus", ao Complexo Demósthenes de Almeida.
PC