Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Soares balanceia primeira volta

Gauncio Hamelay no Lubango - 25 de Fevereiro, 2019

Treinador dos militares da Regio Sul ambiciona uma segunda volta melhor

Fotografia: |AGOSTINHO NARCISO|EDIES NOVEMBRO

O Desportivo da Huíla (CDH), terceiro classificado do Girabola Zap 2018/2019, tinha capacidade para fazer mais na primeira volta do campeonato, em que terminou com 28 pontos, atrás do Petro de Luanda (2º/31) e 1º de Agosto (1º/33), comparativamente a época passada (21 pontos), segundo o treinador Mário Soares. Mário Soares destacou que os resultados alcançados na primeira volta estão dentro do idealizado pela equipa técnica, direcção e atletas, que passa por de lutar pela permanência na maior prova futebolística nacional.
“Tivemos uma primeira volta dentro daquilo que foi a nossa visão, aquilo que os atletas e, principalmente nós, equipa técnica, idealizamos, embora reconheçamos que foi pedido da direcção do clube lutar pela permanência. Mas sentimos que poderíamos fazer um pouco mais na primeira volta, porque tínhamos capacidade e equipa para fazer melhor do que fizemos na época transacta”, disse.
O técnico dos militares da Região Sul, referiu que dentro do princípio de que todos os dias é para melhorar, tinham condições para fazer melhor.“Não basta só crer, é verdade, mas na prática conseguimos apresentar resultados, que estavam dentro das nossas previsões. Então, tenho que dizer que foi uma primeira volta normal, porque foi dentro daquilo que eram as nossas previsões e de acordo as nossas capacidades”, frisou.
 O Desportivo da Huíla durante a primeira volta alcançou oito vitórias, três derrotas e quatro empates em 15 jogos, totalizando 28 pontos. Mário Soares disse que nas oito vitórias, a equipa conseguiu ganhar cinco no seu reduto e empatou duas vezes diante das formações do FC Bravos do Maquis e do Atlético Sport Aviação (ASA). “Tudo é fruto do nosso princípio e daquilo que foi a nossa previsão do campeonato, ou seja, pensando em cada jogo. Cada jogo teve a sua maneira de se apresentar.
Por isso, continuo a dizer que foi uma primeira volta normal se tivermos em conta aquilo que nós idealizamos, no arranque do campeonato”, destacou.Em declaração ao Jornal dos Desportos, para balancear a prestação dos militares da Região Sul na primeira volta do campeonato, admitiu que, nas cinco primeiras jornadas, tiveram muitas dificuldades, porque o conjunto ainda não tinha ritmo competitivo.Fruto disso, apontou Mário Soares, foi nessas jornadas onde a equipa averbou a primeira derrota e tiveram um empate em casa, que foram os resultados menos bons. “São resultados que podemos considerar menos bons, porque a equipa não tinha ritmo competitivo. Mas resumindo, tivemos uma primeira volta normal”, reconheceu. 

TRÊS OPÇÕES
Huilanos buscam reforço no campeão 

Os três jogadores contratados para reforçar o Clube Desportivo da Huíla na segunda volta do Girabola Zap 2018/2019, vão colmatar algumas necessidades que a equipa tem, fundamentalmente no sector atacante, soube-se no Lubango, do treinador  Mário Soares. Trata-se do avançado congolês democrático Jacques, do médio nigeriano Ibukun , ambos cedidos por empréstimo pelo 1º de Agosto por meia época, e do lateral direito Zé, que regressa ao conjunto militar da Região Militar Sul. 
Mário Soares explicou que a equipa do Desportivo da Huíla tinha os seus golos muito concentrados no avançado camaronês Lionel.
“Creio que os três jogadores são aqueles que, na nossa óptica, tínhamos necessidade para o nosso plantel, embora um deles (Ibukun) ainda vai demorar algum tempo até recuperar da lesão que lhe apoquenta”, disse.
Mário Soares esclareceu, que só poderá contar com o médio nigeriano Ibukun no final do mês de Março ou princípio de Abril. Mas o lateral direito Zé e o avançado congolês democrático Jacques são para já e vão colmatar algumas necessidades que o plantel tinha. 
“Temos os nossos golos muito concentrados no Lionel. Precisávamos de uma ´muleta´. Quando pensávamos que o Razaq, que já estava enquadrado naquilo que é o nosso estilo de jogo, pudesse ser fundamental, sofreu uma lesão. Então, Jacques vem praticamente para substituir o Razaq”, destacou. Admitiu que o avançado Jacques vem de um clube bastante diferente, com princípios de jogos desiguais ao Desportivo da Huíla. Por isso, Mário Soares tem a certeza de que o novo reforço vai demorar algum tempo para se enquadrar e poder entender aquilo que são os vários momentos de jogo e a forma da nossa equipa se apresentar. 
Afiançou que o lateral direito Zé, pelo facto de ter trabalhado durante duas épocas na equipa, poderá com maior facilidade integrar-se no grupo.
 “Vamos esperar que compreendam de uma forma célere, aquilo que são as nossas ideias de jogo e que seja mais um para ajudar a nossa equipa a fazer bons resultados, durante a segunda volta”, disse.
O treinador do Desportivo referiu que Jacques “não vem como salvador da equipa” mas  para minimizar as dificuldades e dar o tal toque que pode levar o Desportivo da Huíla a fazer o campeonato que lhe compete. Mário Soares anunciou que o avançado nigeriano Razaq, poderá ficar parado entre seis a sete semanas devido a lesão contraída, o que perfaz cerca de nove jogos da segunda volta.
   
 AMBIÇÃO
Direcção “exige” feito do  1º  turno 

A direcção do Clube Desportivo da Huíla (CDH) define, como exigência para a equipa principal de futebol, na segunda volta do Girabola Zap 2018/2019, uma prestação próxima ou idêntica da obtida no primeiro turno da prova, em que ocupou a inédita terceira posição, com 28 pontos, segundo o director administrativo e financeiro do clube, Ezequias Domingos.
O dirigente do clube afecto à Região Militar Sul, assegurou que a direcção considera que, a prestação do plantel às ordens de Mário Soares na primeira volta do campeonato, colocou o Desportivo num nível muito elevado, que é possível e necessário defender.
“A direcção do Desportivo da Huíla espera que, na segunda volta, a equipa mantenha os níveis que obteve na primeira. Os atletas colocaram a equipa num nível muito elevado. Neste momento estamos, do ponto de vista da tabela classificativa, nos lugares cimeiros, na terceira posição, e há que manter essa produtividade”, disse.
O dirigente desportivo assegurou, que a direcção vai manter o trabalho desenvolvido até aqui, de modos a proporcionar as condições de trabalho à equipa técnica e aos atletas e, deste modo, permitir que o grupo mantenha o foco definido.
“Do ponto de vista de condições para a segunda volta, a direcção do Desportivo da Huíla conta com capacidade e disponibilidade igual em termos material e financeiro, que teve na primeira volta. É o mesmo que vamos proporcionar à equipa. É o suficiente para que o plantel lute de jogo a jogo e dignifique a província, o próprio clube e dê alegria a todos aqueles que são adeptos e sócios do Desportivo da Huíla”, assegurou.
Ezequias Domingos, que não admitiu e nem rejeitou saúde financeira na direcção do clube, avançou que o Desportivo continua passível e aberto a ajuda. Fez vincar que o elenco directivo do grémio presidido por Fabiano Yepa, considera todo e qualquer apoio um contributo valioso.
“Todo o apoio é sempre salutar. Por mais ínfimo ou por mais elevado que seja, contribui sempre para suprir algumas necessidades da equipa nesta prova que é bastante dispendiosa”, admitiu.
A terceira posição alcançada no primeiro turno do Girabola Zap 2018/2019, constitui a melhor classificação de sempre de todas as primeiras voltas desde 2002, ano de estreia do clube na competição.