Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Soberbo Kabuscorp

Jorge Neto - 22 de Maio, 2017

Campeo averbou a segunda derrota ante um Kabuscorp bastante motivado

Fotografia: Vigas da Purificao| Edies Novembro

O 1º de Agosto deixou escapar ontem a oportunidade de terminar a primeira volta do Girabola Zap na liderança ao consentir uma derrota por 2-0, diante do Kabuscorp do Palanca, num dérbi em que o golo madrugador de Ebunga influenciou o resultado.

A fragilidade defensiva e a falta de pontaria do ataque militar frente a uma equipa que entrou bastante motivada, permitiu a perca da liderança para o arqui-rival assaltar o topo da classificação.

Os palanquinos deixaram claro que não queriam deixar para depois a vantagem no marcador e cedo adiantaram-se no marcador. O lateral esquerdo Ebunga, aos 6´, encarregou-se de cabecear para o fundo das redes de Julião, após um livre cobrado por Amaro.

A falta de marcação dos defesas contrários foi sancionada com um golo, influenciando para que o dérbi se torna-se mais aberto, pois, os agostinos tinham de correr atrás do prejuízo.

Aguardado com muita expectativa, a partida ficou animado com sinal mais para os pupilos de Dragan Jovic, que partiram para cima do adversário, com mais posse de bola e algumas situações de perigo. Macaia teve na cabeça a oportunidade para \"facturar\", mas a direcção não foi das melhores. Os palanquinos respondiam em contra-ataque com Amaro em destaque.

Os rubro-negros procuravam explorar o jogo aéreo do avançado Rambé, mas os cabeceamentos não levavam a direcção desejada, enquanto do lado oposto, Jacques dava pouco nas vistas, numa tarde em que esteve muito discreto no primeiro tempo.Os campeões nacionais lançaram-se ao ataque na ânsia de repor a igualdade, ainda assim, faltava o acerto no último toque. Parecia apenas uma questão de tempo, mas a equipa de Romeu Filemon não permitiu que o adversário ficasse numa posição privilegiada.

O técnico Dragan Jovic teve uma contrariedade e foi obrigado a operar a primeira substituição, ainda no primeiro tempo. Vado saiu queixoso e cedeu o lugar a Buá, bastante aplaudido pelos adeptos agostinos.

A disputa na zona intermédia estava bastante aguerrida com Magola e Manuel do lado dos palanquinos,  Schow e Macaia do outro em busca da recuperação das bolas para municiar os seus companheiros mais adiantados.

Esperava-se mais de Lami e de Ibukun, mas os dois atletas estiveram alguns furos abaixo. Porém, o médio do 1º de Agosto ainda rematou a baliza de Élber, mas este mostrou estar fora em forma e as equipas foram ao intervalo com a vantagem da formação de Bento Kangamba.

No segundo tempo, Dragan Jovic mexeu de imediato na sua equipa. Retirou Macaia para entrada de Medá numa clara intenção de ter mais posse de bola e criar um maior número de oportunidades para marcar.

Todavia, os palanquinos foram os primeiros a chegar à baliza adversária, aos 50\', Amaro tentou tirar as medidas a  Julião, que este esteve atento e negou o golo ao seu ex-companheiro de equipa.

Tal como pediu Ivo Traça os adeptos agostinos para apareceram em massa e apoiaram a sua equipa, colorindo as bancadas e fizeram uma festa bonita com os apoiantes palanquinos,  igualmente muito entusiasmados com a vantagem no marcador.

O grito de alegria da formação orientada por Romeu Filemon voltou a acontecer aos 61´, no golo da tarde marcado por Mongo, num remate do meio da rua, em que Julião foi traído pela trajectória da bola.A tarefa parecia mais difícil para os militares. Se já estava complicado marcar um golo agora eram precisos dois para igualar. A entrada de Geraldo, ausente dos últimos cinco jogos, por lesão, pouco de novo trouxe ao jogo.

O golo afectou de alguma forma o jogo do 1º de Agosto que encontravam dificuldades para incomodar Élber e quando o fizessem o guarda-redes do Kabuscorp do Palanca respondia à medida, com bastante segurança. Com o passar do tempo, os militares atacavam mais, porém, sem o pragmatismo que se esperava, até ao apito final de Hélder Martins.


Arbitragem
Trabalho regular


O árbitro internacional Hélder Martins começou por esconder os cartões amarelos, poupando os jogadores de ambas equipas nos minutos iniciais. Porém, com o tempo mudou a sua táctica e os amarelinhos saíram mesmo do bolso. Controlou o dérbi, acompanhando as jogadas de perto, teve bom posicionamento e não complicou quando tinha de apitar por qualquer irregularidade. O trio de arbitragem não teve influência no resultado final do desafio.


Melhor em campo
Amaro jogou e fez
jogar a sua equipa


O médio do Kabuscorp do Palanca participou de forma activa no dérbi, jogou e fez jogar os seus colegas, dando muita dinâmica ao jogo ofensivo da sua equipa. A defrontar uma formação que já representou, Amaro demonstrou maturidade e complicou a vida dos defesas do 1º de Agosto. Sempre que pode incomodou o último reduto dos campeões nacionais, acelerou quando teve espaço e soube também cadenciar o jogo. O jogador saiu cansado e foi substituído por Luís Taty nos minutos finais do desafio.


DECLARAÇÕES DOS TREINADORES


J.  Manuel | Adj. Kabuscorp
\"Resolvemos o jogo nos detalhes\"


\"Em primeiro lugar felicitar o público que veio ao estádio e em segundo os jogadores do Kabuscorp do Palanca pela vitória. Falando do jogo, sabíamos que iríamos ter um jogo difícil, felizmente marcamos cedo e sabíamos que o 1º de Agosto iria vir para cima de nós. Contra-atacou, mas soubemos tirar partido dessa situação e no segundo tempo ampliamos o resultado. Os dérbis resolvem-se nos detalhes e felizmente conseguimos\".


Ivo Traça  | Adj.1º DE AGOSTO
\"O Kabuscorp estudou-nos bem\"

\"A equipa do Kabuscorp estudou-nos bem e fizeram o jogo que era melhor para eles, ficando atrás da linha da bola. O primeiro golo foi de bola parada, já que não fizemos bem a leitura do lance e acabamos por sofrer. Contudo, fomos para cima do Kabuscorp, criamos oportunidades para marcar, mas não conseguimos atingir o nosso objectivo, pois, como disse, eles estudaram-nos bem\".