Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Talento da "bola ao cesto" que chegou a ser artilheiro

ANTNIO FLIX - 09 de Dezembro, 2019

Petro-1 de Agosto, em 1991, na Cidadela. Amaral d trabalho ao j falecido defesa militar Kiss

Fotografia: NUNO FLASH | Edies Novembro

O antigo craque Amaral Aleixo pode pavonear  de se ter afeitado a um protagonismo que era  inopinado no nosso futebol:  o facto de ter saído do basquetebol -disciplina em que até foi campeão africano júnior em 1980, em Maputo - e fazer furor na  \"alta roda\" do desporto-rei.
Primeiro jogou pelo 1º de Agosto, segundo, pelo Sagrada Esperança da Lunda Norte e, por último, pelo Petro de Luanda. É, assim, um dos jogadores que, em termos de curiosidade, deixou a uma \"marca pessoal\" no Girabola, como goleador nato.
Registou o seu primeiro golo oficial três meses depois de ter saído da \"bola ao cesto\". Aconteceu nos Coqueiros, à noite, no Girabola de 1987, num desafio entre o 1ºAgosto e o Ferroviário da Huíla. Decorriam 16 minutos da segunda parte. Entrou e fez o golo a passe de Nelo dos Passos, já falecido.
Em 1991, quando militava no Sagrada Esperança da Lunda-Norte, devido à sua surpreendente característica de goleador, sagrou-se melhor do campeonato, com 23 golos , e, no seguinte, 1992, tendo-se transferido para o Petro de Luanda, repetiu o feito, com 20 tentos rubricados.
Com essa marca pessoal de golos, Amaral Aleixo é  - a par de Flávio Amado - um dos jogadores que figura, também, atrás do até agora imbatível Carlos Alves, este que, em 1980,  pelo 1º de Agosto, rubricou, 29.
O seu último golo oficial marcou-o em Julho de 1998, com a camisola do Sagrada Esperança da Lunda-Norte, no Lobito. Foi diante da Académica local. No momento em que estava para rubricar o tento foi quase \"massacrado\" por dois adversários. Por esta razão, as múltiplas fracturas que afectaram a região tibiotársica fazem-no, até hoje, usar planilha para o suporte da locomoção.
Sabe-se que, no 1º de Agosto, os notáveis Barbosa e Nelson Baptista; no  Sagrada Esperança da Lunda Norte, os inolvidáveis Bukaka e Esquerdinho \"Man João\", e, no Petro de Luanda,  Felito, Bumba e Rosário, foram os craques  mais deram passes de golos a marcar a Amaral Aleixo.
O golo mais bonito aconteceu em Luanda, quando suava com a camisola do Petro,  diante do 1º Maio de Benguela: da linha do meio campo, descaído para esquerda, aproveitou o adiantamento do guarda-redes contrário e rematou  rasteiro, mas forte, muito rente à relva... e a bola entrou bem juntinha ao segundo poste.
O segundo \" golo de antologia\", como se diz,  também logrou-o, de novo, frente ao  1º Maio,  em Benguela. Da linha de fundo, quase na bandeirola. Com a parte externa do pé esquerdo fez uma “trivela” que na trajectória suscitou olhar estático do guarda-redes proletário, que contava com um cruzamento, mas, afinal...golo!
De resto, onde Amaral Aleixo mais facturou foi num jogo contra o Sporting de Benguela, no Dundo, e noutro contra Eka do Dondo. Em cada contenda, marcou quatro golos.