Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Tarefa difcil na Hula

Betumeliano Ferr?o - 23 de Junho, 2017

Palanquinos jogam no Lubango diante dos militares da Regio Sul e no Dundo haver o drbi do Leste

Fotografia: Santos Pedro |Edies Novembro

O estádio do Dundo é capaz de ser pequeno demais para conter os adeptos do Sagrada Esperança e do Progresso da Lunda Sul, a proximidade geográfica entre as províncias é apenasmais um aliciante para um dérbi com início às 15h00, que se espera equilibrado, pois a qualidade dos dois planteis é equivalente, embora os "Sambukilas" estejam muito intermitente no Girabola ZAP.

A jogar em casa o Sagrada tem mais obrigações de fazer melhor, pois desacelerou na recta final da primeira volta e demora a reajustar o passo. Os diamantíferos são das gratas surpresas do campeonato, têm potencial para fazer muitas coisas boas, como aliar a exibição ao resultado diante do Progresso.

Os diamantíferos tiveram um calendário infernal há jornadas atrás, realmente tiveram de enfrentar de maneira consecutiva adversários de grande valia competitiva. O saldo de resultados até certo ponto foi positivo, mas faltou uma vitória para o Sagrada recuperar ânimo, um anseio que Ekrem Asma e pupilos vão tentar tornar realidade.

A margem de erro do Sagrada Esperança ainda é grande mas há que ter muito cuidado com quem nada tem mais a perder, como o Progresso da Lunda Sul. Os forasteiros estão mais necessitados de pontos, porque estão apenas um lugar acima da linha de água, é justo por isso que acredite no custe o que custar e aproveite, também se o Sagrada permitir, para começar a encetar a tão aguardada fuga para a manutenção no Girabola ZAP.

O Kabuscorp do Palanca contínua a falar como candidato ao título, assim é forçado a mostrar atitude competitiva no Ferrovia da Huíla. O jogo começa às 15h00 mas os palanquinos não precisam esperar pelo apito inicial para ficar espicaçados, afinal o Desportivo da Huíla com ou sem problemas é sempre uma continuação do 1º de Agosto, a equipa pode ter os cofres vazios, mas há qualidade no plantel.

A vitória interessa muito mais ao Kabuscorp para igualar e pressionar o 1º de Agosto, que joga amanhã, é importante que a equipa do Palanca assuma o favoritismo do princípio ao fim para que a lei do mais forte faça a diferença no resultado, como se espera.

O Desportivo da Huíla é como uma caixa de surpresa, questões de bastidores impedem os militares de se esticar tanto no campeonato, mas é possível que o nome do adversário sirva de motivação para alcançar um resultado positivo, até pode ser o empate.

A qualidade individual e colectiva do Kabuscorp é superior a do Desportivo, mas a diferença de qualidade não é tanta assim para os palanquinos almejarem um jogo de sentido único. É verdade que em largos períodos as estrelas palanquinas podem brilhar no Ferrovia, mas os militares também têm alguns trunfos que se bem usados podem causar muitos embaraços ao Kabuscorp.


“Vai ser um jogo
de sacrifício”


O treinador do Kabuscorp do Palanca, Romeu Filemon, reconheceu ontem no Lubango, que o desafio de hoje, a partir das 15h00, no estádio do Ferroviário, diante do Desportivo da Huíla, pontuável para a 17ª jornada do Girabola Zap, vai ser de “muito sacrifício” para a sua equipa.

Depois de ter iniciado a segunda volta com um empate, a uma bola frente a Académica do Lobito, nos Coqueiros, os comandos de Romeu Filemon, prometem inverter o resultado na casa dos militares da Região Sul. 

Por esta razão, Romeu Filemon, garantiu que o seu conjunto vai ter uma atitude altiva no sentido de conquistar a vitória frente a um adversário em que no plantel prontificam muitos jovens e que jogam bem no seu reduto.

“Vamos jogar sem subestimar a grande capacidade do nosso adversário, uma equipa jovem, boa e que tem um treinador muito exigente. Acho que vai ser um jogo de muito sacrifício e que teremos de ter uma atitude imperiosa no sentido de alcançarmos um resultado positivo”, reconheceu.

Para o técnico do Kabuscorp, o factor clima, não irá influenciar na prestação da formação do bairro do Palanca, pois encontram-se na cidade do Lubango, em estágio, há quatro semanas, tempo considerado suficiente para se adaptar.

“A nossa sede está localizada em Luanda. É lá onde é a nossa casa. Nós por imperativo da realização do estágio continuamos aqui no Lubango. Há que abrir um parêntese e felicitar a direcção do clube que tem nos proporcionado essas condições de trabalho aqui numa zona muito boa para trabalhar. Portanto, temos é que dar uma resposta positiva em relação a todo esse momento que nos encontramos cá”, enalteceu.

Filemon lamenta o facto de o Kabuscorp do Palanca jogar sem dois influentes jogadores (Nary e Amaro) que se encontram ao serviço da selecção nacional que vai disputar a Taça Cosafa na África.

“Infelizmente assim vai acontecer, sabe que não é muito bom para a realidade do nosso futebol. Algumas equipas jogam e outras não jogam, principalmente quando se vai efectuar três jogos, algo inadmissível, mas prontos, vamos ter de jogar e ninguém diz nada”, criticou.
Gaudêncio Hamelay , no Lubango


HOJE À TARDE
Soares assegura
prontidão do grupo


O Desportivo da Huíla está preparado para defrontar e vencer, hoje à tarde, no estádio do Ferrovia, o Kabuscorp do Palanca, em jogo da 17ª jornada do Girabola Zap. A garantia foi dada ontem, no Lubango, pelo treinador Mário Soares, quando fazia o lançamento do desafio. 

 “Estamos cientes da estrutura que é o Kabuscorp. Tem objectivos opostos aos nossos. É favorito, candidato ao título, tem a obrigação de vencer em todos os campos e aqui (Lubango) não vai fugir à regra. Contudo, também temos os nossos argumentos. Por isso, vamos lutar para tornar capaz o nosso argumento para a vitória. Trabalhamos para contrapor todo o favoritismo que recai ao Kabuscorp”, garantiu.

Na antevisão do desafio, Mário Soares que revelou respeito pelo adversário, reconheceu que o factor casa, que a partida beneficiaria o Desportivo da Huíla, porque actua na condição de visitado e diante da sua avalanche de apoio, não se fará sentir pelo facto de o Kabuscorp estar a trabalhar há cinco semanas no recinto jogo, no âmbito do estágio de preparação que realiza na capital huilana, por isso tem o domínio do palco do desafio e está adaptado ao clima.

“É um adversário que se respeita naturalmente, contra o qual o nosso factor casa não se vai fazer sentir pelo facto de a equipa adversária estar aqui há quatro semanas, está na quinta semana a trabalhar na nossa terra e no nosso campo, onde será o local do jogo”, manifestou.

Diante deste quadro, Mário Soares assegurou que o grupo concentrou-se no trabalho, com dedicação e atenção redobrada. Essa aposta, na perspectiva do técnico, pressupõe grande disposição da equipa em realizar o que considerou de bom jogo com o foco virado para o triunfo.

Informou que o grande argumento da sua equipa para a concretização do desiderato reside na motivação reinante no seio dos atletas.

“Muita concentração no trabalho, de uma forma alegre. Isso pressupõe dizer que haverá disposição para fazermos um bom jogo. Creio que o nosso argumento é a motivação dos garotos de quererem aparecer e conforme vão crescendo jogo após jogo. Isso poderá ser um factor a nosso favor”, revelou.
 BENIGNO NARCISO, NO LUBANGO