Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Todo o jogo s deu...Kabuscorp

09 de Junho, 2018

A formao palanquina entrou bem no jogo para contrapor o 4x4x2 do Recreativo da Cala.

Fotografia: Domingos Mucuta | Cacula | Edies Novembro

O Kabuscorp venceu, ontem, por 3-0,  o Recreativo da Caála, no estádio dos Coqueiros, em jogo da 16ª jornada da segunda volta do Girabola ZAP, uma partida em que a equipa do Huambo não soube aproveitar o facto do adversário estar a sentir o novo \"castigo pesado\", ditado pela Federação Internacional de Futebol Amador (FIFA), que lhe retirou mais seis pontos, devido à dívida com o jogador congolês democrático Tresor Mputo Mabi.
A formação palanquina entrou bem no jogo, accionando o seu dinâmico sistema 4x4x1 para contrapor  o 4x4x2 do Recreativo da Caála, intenção que, claramente, funcionou, por tudo que foi dado a ver aos espectadores durante a contenda em campo.
No início da primeira parte notou-se apenas um Doutor Lami com dificuldades, porque procurava impor-se no lado direito do ataque da sua equipa. A situação obrigou-o a passar para a ala esquerda, fugindo dali, onde tinha marcação cerrada de Mona. A movimentação resultou.
Tal estratégia que veio a ser coroada aos 22 minutos com golo apontado por Mussumari, após terceira jogada de insistência, já depois de duas tentativas improdutivas. A equipa palanquina ganhou alento com essa a proeza de inaugurar o marcador, de modo que - como que a juntar a cereja em cima do bolo - voltou, aos 35 minutos, a ampliar o \"score\" para 2-0, por obra do jogador de nacionalidade argentina, Calero.
Sem dar \"chance\" ao guarda-redes caaalense Boneco, que sentiu a falta do policiamento dos seus colegas centrais a este \"forasteiro\" argentino ao serviço do Kabuscorp, viu-o a  aproveitar, em bem, um cruzamento, saído dos pés de Mussumari, a partir do lado direito como atacava a sua equipa do bairro Palanca e...golo!
Foi digamos, até ali, a confirmação de todo o domínio que estava a ser imposto em campo pelo Kabuscorp sem qualquer contestação. E dúvida não houve porque, antes do fecho da primeira parte, já mesmo no desconto de tempo, surgiu o 3-0, a favor da equipa orientada por Quim Manuel.
Foi um golo a jeito, \" made in Nadinho\", jogador que \"agradeceu\" a falha do guarda- redes Boneco, por este ter feito o passe que foi \"beijar\" os pés do dono do terceiro golo da equipa de Bento Kangamba.
A jogar à alta velocidade e pressão, traduziu ainda o domínio palanquino os  68% de posse de bola contra os 32% do Recreativo da Caála que, é claro, não cruzou os braços; também teve possibilidades de marcar... mas pecava na finalização.
O guarda-redes Boneco calalense não teve culpas nos dois primeiros golos, porém, no segundo...deu autêntico erro de palmatória. Vicissitudes que acontecem nestas coisas de jogar à bola, pois, como se disse já, ofereceu o esférico ao jogador que marcou o terceiro golo.
Após o intervalo, o Caála  que  reforçou-se com dois avançados para a segunda volta -   nomeadamente, Patrick, jogador que veio do Interclube, e Mandinho, da Académica do Lobito - reapareceu com três mexidas para estabelecer o taco a taco. Ntchichi rendeu Voco; Tobia deixou lugar para Feliciano e Mendinho cedeu a Chitanga.
Se, com isto, o técnico David Dias esperava chegar a igualdade, o cero é que nem mesmo  um \"golito\" de honra não assistiu. O Kabuscorp fechou todos os caminhos que iam dar à baliza à guarda do seu JB. E valeu!