Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Torres pede calma para construir a equipa

Armando Sapalo, Dundo - 02 de Setembro, 2019

Fotografia: Edies Novembro

O treinador do Sagrada Esperança,Paulo Torres, manifestoutristeza pela derrota caseira, por 1-0, sábado último, diante do 1ºde Agosto, em jogo da terceira jornada do Girabola Zap 2019/2020, mas pediu calma aos dirigentes, adeptos e todas as forças vivas da Lunda-Norte,para construir uma equipa forte,coesa e com grande ambição na presente época futebolística,particularmente no Campeonato Nacional.
Paulo Torres, cuja equipa em três jornadas do Girabola Zap soma duas derrotas consecutivas e uma vitória, defendeu que a formação diamantífera da Lunda-Norte precisa ter os pés bem assentes no chão, para conseguir os objectivos preconizados.O treinador disse que o bom início de época do Sagrada Esperança,goleou o candidato Interclube,por 4-1, não está beliscado,apesar de ter ganho apenas 3 pontos em 9 possíveis, pois a equipa está em fase de construção e tudo aponta para a realização de uma boa temporada.“Estamos tristes porque perdemos,mas estamos a construir uma equipa. Temos que ter calma e os pés bem assentes na terra,para conseguirmos os objectivos que traçamos para esta época”,disse o técnico luso, que, na sua opinião, no duelo com o campeão nacional, os seus jogadores foram dignos, pois tiveram um desempenho positivo.Paulo Torres justificou que o Sagrada Esperança sofreu o golo, aos 64 minutos, através de um penálti, que castigou uma faltadentro da grande área sobre o médio Zito, que para o treinador diamantífero, foi uma autêntica“pedra nas botas” dos defensores dos donos de casa.
O único golo da partida que ditou o “garimpo” de três pontos num dos mais difíceis terrenos,para a equipa militar, foi marcado pelo avançado Mabululu.
 O penálti foi muito contestadopela equipa técnica, jogadores e dirigentes do Sagrada Esperança, que consideraram não ter havido falta contra a camisola 11 do 1º Agosto, porém, este não foi o entendimento do árbitro Benjamin Andrade.O técnico Paulo Torres esclareceu que, para além do penálti sofrido, o Sagrada Esperança ressentiu-se também da expulsão do médio defensivo Djó,aos 69 minutos, numa altura em que a equipa lutava para chegar ao golo. Fazendo jus às alterações que a Federação Internacional de Futebol Associado (FIFA) fez às Leis de jogo, o árbitro Benjamin Andrade, que foi coadjuvado pelos assistentes Barnabé Ngulo e Ricardo, sancionou o defesa lunda com vermelho directo, por travar em falta o médio Kila num lance de perigo do ataque da equipa militar.