Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Traa considera 1 volta negativa

Gaudncio Hamelay, no Lubango - 07 de Junho, 2016

Ivo Traa lamenta maus resultados dos militares da Regio Sul na parte final da primeira volta do Campeonato Nacional

Fotografia: M. Machangongo

A equipa do Clube Desportivo da Huíla (CDH) está na 10ª posição da tabela de classificação com 18 pontos, teve uma prestação negativa na primeira volta do Girabola Zap 2016. A avaliação foi feita ao Jornal dos Desportos, pelo treinador Ivo Raimundo Traça.

 O técnico começou por afirmar que o “saldo da equipa é negativo em termos de pontos” porque pelas contas idealizadas, o grupo prognosticava a primeira volta com 23 ou 24 pontos, tal pretensão não aconteceu.

“Terminámos a primeira volta com 18 pontos. Resumindo, é um saldo negativo da nossa equipa em termos de pontos”, avaliou.
O treinador dos militares da Região Sul reforçou que a equipa iniciou bem o campeonato, mas na ponta final da primeira volta claudicou, porque não teve uma postura idêntica à do começo da prova.

 Explicou que o único "embaixador" huilano no Girabola Zap acabou a primeira volta com cinco vitórias, três empates, sete derrotas, marcou 13 golos e registou tentos18 sofridos, os tentos amargados foram mais consentidos do que mérito das equipas adversárias.

Referiu-se que a equipa ressentiu de algumas baixas, aliás, foram muito notáveis, sobretudo a lesão dos defesas Elísio, Tchiwé, Ali e Kumaka e do avançado Kêmbua.
 “A partir da quarta e quinta jornadas já não jogamos com o mesmo onze. Salvo os guarda-redes que estão ao mesmo nível, fizemos com que cada guarda-redes disputasse dois ou três jogos”, referiu.

 Ivo Traça fez saber que nem tudo esteve mal. Segundo ele, em alguns jogos que perderam, a equipa portou-se bem e ressaltou que apresentava-se com carácter e postura, dava mostras de que os jogos a seguir seriam melhores. 

“Infelizmente não aconteceu, principalmente quando jogámos em casa. Acho que o nosso inferno foi mesmo aqui em nossa casa, porque os jogos que esperávamos que a nossa equipa ganhasse, perdemos. É o caso dos jogos com a Académica do Lobito (2-1), com o Recreativo da Caála (3-1) e também empatámos com o 1º de Maio (2-2), jogos que por obrigação  devíamos ganhar”, aclarou.

De acordo com Ivo Traça, não é normal uma equipa viajar por exemplo (por estrada) para o Dundo e regressa em seguida para jogar.  Para ele, os resultados não podem ser tão bons.

“As estradas não estão em condições. Não estou a culpar a direcção do clube, porque também não tem culpa nesse caso. As estradas não estão em condições para se viajar de carro e depois jogar. É difícil”, lamentou.

O Clube Desportivo da Huíla já disputou, por antecipação a pedido do Recreativo do Libolo, o seu 15º jogo do campeonato. Os militares da Região Sul perderam em Calulo por 1-0.

INCUMPRIMENTO
Treinador “esconde” problemas


O plantel à disposição da equipa técnica do Recreativo da Caála, 7º colocado do Girabola Zap 2016, garante condições para a manutenção da equipa na Primeira Divisão, bem como ficar acima do meio da tabela de classifiO treinador do Clube Desportivo da Huíla, Ivo Traça, deixou perceber há dias no Lubango a existência de alguns incumprimentos por parte da direcção do clube para com os atletas, da equipa técnica, assim como a criação de condições de trabalho.
Sem revelar que tipo de questões que o deixam insatisfeito e preocupante, Ivo Traça prometeu um encontro com a direcção do clube para ultrapassar os motivos menos bons nas hostes do único representante huilano no Girabola Zap.

“Independentemente de alguns momentos que a equipa não se apresentou bem, há muita coisa que também não está bem. E, quanto a isso,  preferia não falar publicamente, porque não é bom, os problemas tratam-se em casa ou como se diz na gíria, ´roupa suja lava - se em casa. Vou ter uma reunião com a direcção do clube onde vamos abordar as situações para ver se na segunda volta não cometamos os erros da primeira volta”, disse.

Ivo Traça avançou que o quadro é preocupante, por isso, é urgente que se encontre mecanismos para uma boa campanha na segunda volta do campeonato. 
“Não estou contente e creio que os outros também não estejam. Mas temos de aceitar. Por isso, em função do encontro que teremos com a direcção, vamos abordar estes assuntos todos para ver se saímos o mais rápido deste sufoco que estamos a viver”, desabafou.

O Jornal dos Desportos apurou que as lamentações do treinador estão relacionadas com o pagamento de salários e prémios de jogos aos atletas e técnicos, assim com a falta de acutilância da direcção na criação de condições para viagens da equipa, pois tem percorrido longos quilómetros de autocarro.

“Para se fazer desporto é preciso ter condições preparadas. Da forma como é o Girabola Zap e como fizemos as viagens é muito difícil. Mas ainda bem que há esta paragem”disse.                           

PAUSA NO CAMPEONATO
Militares recuperam jogadores


A pausa registada no Campeonato Nacional de Futebol da Primeira Divisão, Girabola Zap, foi aproveitada pela equipa técnica do Desportivo da Huíla para a recuperação de jogadores lesionados, para no recomeço aparecerem-se em forma desportiva, garantiu o técnico Ivo Traça.

Ivo Traça confessou que a equipa “está cansada” devido às viagens por estrada (percursos longos), daí defender a necessidade da recuperação dos jogadores.

“A equipa está cansada devido as longas viagens por estrada. Por isso, aproveitámos a semana de trabalho para recuperar os jogadores. Desta forma, vamos recuperar os lesionados e conversar com os atletas para podermos aparecer bem na segunda volta”, assegurou.

O treinador do Desportivo da Huíla confirmou que os jogadores têm duas semanas de repouso e só retomam ao trabalho no dia 14 do corrente.
Afirmou que depois vai ter uma reunião entre jogadores, técnicos e a direcção do clube para traçar os objectivos da equipa para arranque da segunda volta.

É necessário ter um Desportivo da Huíla mais activo, forte em todos os aspectos e melhor do que esteve na primeira volta, constitui um dos intentos da equipa técnica liderada por Ivo Traça.“Claudicámos no fim da primeira volta, como disse anteriormente. Para tal, vamos saber qual foi o motivo da quebra e temos de ser um Desportivo da Huíla na segunda volta mais activo e forte em todos os aspectos”, garantiu.

Para a concretização dos objectivos traçados, Ivo Traça pediu à direcção a prestação de mais apoio.
“Pedimos à direcção do clube que dê o apoio conforme tem dado sempre e, talvez, com maior acutilância. E, os adeptos que apareçam sempre, mesmo se as coisas estiverem mal, o treinador é que tem de sair”, apelou.

REFORÇOS
Falta de dinheiro
trava contratações


As limitações financeiras estão a condicionar a contratação de alguns jogadores experientes para reforçar a equipa do Desportivo da Huíla na segunda volta do Girabola Zap, confessou no Lubango, o técnico Ivo Traça.

Ivo Traça pontualizou que o actual plantel é o possível, e acrescentou que gostava de ter alguns jogadores como um pouco mais de experiência, sobretudo no sector atacante, intermédio e defensivo, mas o clube financeiramente não está bem.

“O plantel que temos é o possível, daí que gostava de ter alguns jogadores com um pouco mais de experiência no sector atacante, já que o Kêmbua está lesionado, alguns extremos um pouco mais habilidosos. Mas infelizmente, não podemos porque o clube também não vive bem financeiramente. Está com problemas muito sérios. Por isso, é que na nossa organização, nos últimos jogos, corremos estes riscos todos. Por essa razão, vamos manter os mesmos jogadores”, assegurou.

O treinador da equipa huilana garantiu que quando começar a segunda volta do Girabola Zap vai ter uma conversa com os jogadores no sentido de pedir responsabilidades e saber o seu real papel na carreira desportiva que abraçaram.

“Vamos conversar também com os jogadores para pedir responsabilidades porque não vamos só deitar culpa aos técnicos e à direcção do clube. Também temos de pedir  responsabilidades aos jogadores, saber o que querem e o que estão a fazer, porque é que estão no futebol. Só desta maneira podemos mudar este quadro”, esclareceu.   
GH