Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Treino porta fechada irrita adeptos

Edvaldo Lemos - 19 de Março, 2020

Os adeptos do Petro de Luanda estão indignados com a direcção do clube, pelo facto de o elenco de Tomás Faria ter, alegadamente, proibido os mesmos de assistirem aos treinos da equipa principal de futebol, o que tem originado muito trabalho ao corpo de segurança do Complexo Desportivo Demósthenes de Almeida \"Catetão\".
Ontem de manhã, à semelhança do sucedido na terça-feira, os adeptos tentaram forçar a barreira de segurança do Complexo Desportivo, pois pretendiam chegar ao campo Osvaldo Saturnino Jesus \"Catetão\", para presenciarem os trabalhos da equipa que prepara o importante jogo de sábado, no Luena, diante do FC Bravos do Maquis, referente à 25ª jornada do Girabola Zap 2029/2020 e que pode devolver a liderança à equipa, em caso de vitória.
O sócio e adepto Vidal Mário disse ao Jornal dos Desportos, no exterior do Catetão, que apesar dos maus resultados da equipa, nos últimos jogos do campeonato, os adeptos, mesmo descontentes, querem acompanhar de perto os trabalhos e incentivar o grupo face aos novos e grandes desafios.
\"Deixamos os nossos afazeres para vir até aqui (no Catetão), para presenciar o treino da nossa equipa. Independente dos resultados negativos da nossa equipa, o amor não acaba, não queremos estar actualizados através dos órgãos de comunicação, queremos ver de perto o trabalho da equipa. Nós compramos os ingressos para assistir os jogos e temos cartão de sócio, estamos insatisfeitos por ser muito tempo sem assistir os treinos\", disse.
A direcção do Petro, por sua vez, rejeita a posição dos adeptos.Yuri de Sousa, afecto ao Departamento de Comunicação e Imagem do Petro de Luanda alegou que os mesmos (apoiantes) pretendiam atrapalhar os trabalhos da equipa, com palavras ofensivas aos jogadores e treinadores, devido aos maus resultados da equipa nos últimos jogos, por isso, a direcção optou pela realização de treinos à porta fechada e não a proibição de os mesmos assistirem aos treinos.
\"A direcção do Petro não impediu os adeptos de assistirem aos treinos da equipa. Acontece que foi declarado treino, à porta fechada, pois, notámos que os adeptos estavam a atrapalhar os trabalhos, com palavras ofensivas devido aos últimos resultados, então, entendemos fazer o treino à porta fechada, na próxima será diferente\", disse.