Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Tricolores tentam sair da escurido

26 de Abril, 2018

Campeo dos campees esto sem vencer h trs jornadas no campeonato nacional

Fotografia: Dombele Bernardo | Edies Novembro

A ambição do Petro de Luanda de regressar às vitórias no campeonato, três jogos depois (dois empates e uma derrota) e o dérbi benguelense entre as formações da Académica do Lobito e do 1º de Maio, marcam hoje à tarde o encerramento da 12ª jornada do Girabola Zap 2018, que agenda ainda os confrontos FC Bravos do Maquis - Recreativo da Caála e JGM do Huambo - Sagrada Esperança. 

Quatro jogos com elevado grau de importância que podem provocar alterações na tabela de classificação. O Petro de Luanda não vence há três jornadas, o que atrasa a equipa na luta pelos lugares cimeiros, não obstante , ter dois jogos em atraso, tem a soberana oportunidade de colocar \"basta\" à sua intermitente campanha na prova. Os tricolores têm tudo para somar três pontos, pois, o adversário, convenhamos, não é do seu campeonato.

Ainda assim, os tricolores devem ter cautela ao abordar o jogo, o Domant FC já provou em outras ocasiões que não vira a cara à luta. Aliás, os homens do Bengo estão com  boa dinâmica de jogo e depois da derrota caseira (3-1) diante do 1º de Agosto, certamente não querem voltar a sucumbir na competição. 

O Estádio de Ombaka pode pegar fogo. Académica do Lobito e 1º de Maio de Benguela, dois grandes do futebol benguelense, medem forças no primeiro dérbi local do ano. O excelente momento de forma que os estudantes atravessam na competição, nem por isso, lhes dá o favoritismo no duelo com os proletários, em jogos como esse, o bom momento de uma, nem sempre determina o vencedor.

A Académica está melhor que o 1º de Maio na tabela de classificação, 18/12 pontos, mercê da grande competitividade que os rapazes às ordens de Rui Garcia estão a demonstrar  jogo após jogo. A vitória sobre o 1º de Agosto e o empate com o Petro de Luanda, dois candidatos ao título, são exemplos claros da determinação dos estudantes. Contudo, não podem dormir à sombra da bananeira, porque os proletários jornada após jornada estão a acertar o machado da “ditadura”.

O FC Bravos do Maquis ainda não acertou a passada no campeonato. A equipa de Zeca Amaral pode, numa semana, ter um excelente comportamento como aconteceu diante do Interclube, no Estádio 22 de Junho, como pode na semana seguinte arrancar  um desempenho sofrível, como foi no jogo com o Desportivo da Huíla, no Mundunduleno. Mas hoje, diante do moralizado Recreativo da Caála, que na ronda anterior travou o Petro de Luanda (vitória por 1-0), a história pode ser outra. Aliás, os maquisardes sabem que um triunfo sobre os caalenses pode ser um bom tónico em relação aos compromissos futuros. 

A entrada de José Luís Borges, no comando técnico do JGM do Huambo, ainda não produziu os efeitos desejados, disputou dois jogos que equivalem a potenciais seis pontos, conseguiu apenas um, o que deixa a equipa com a vida ainda mais complicada na prova. 

As dificuldades financeiras e logísticas vividas pela equipa, pode ser um entrave às pretensões dos rapazes de Luís Borges, no duelo desta tarde às 15h00, nos Kuricutelas, diante do Sagrada Esperança, um adversário com outros objectivos e que tenta recuperar os dois pontos perdidos no sábado ante o Sporting de Cabinda.