Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Um DAgosto com gosto de campeo

Jorge Neto - 09 de Abril, 2018

Campeo foi determinado na vitria de ontem sobre os caalenses no Mrtires de Kanhala

Fotografia: Santos Pedro|Edies Novembro

A equipa do 1º de Agosto voltou a sorrir à saída do estádio Mártires da Kanhala, dois anos depois, com uma vitória, por 2-0, ontem, num desafio onde conseguiu manter o controlo do desafio e aproveitar algumas das oportunidades criadas. O rwandês Razaq e o nigeriano Ibukun foram os marcadores dos golos dos militares.
A formação da casa entrou melhor no jogo e aos 3´, quase marcou, mas Neblú esticou-se para negar o golo. Na resposta os militares remataram por intermédio de Geraldo, de fora da área, porém sem qualquer perigo para baliza defendida por Beny.
Com isso, estava lançada a disposição com que as duas equipas vieram para o relvado, sem receio do adversário e a procurar mostrar que queriam vencer. Com o técnico sérvio Zoran Maki de regresso ao banco após o castigo federativo, os campeões nacionais apresentaram uma equipa com várias alterações, não contaram com alguns dos habituais titulares, Natael e Jacques, começaram o jogo no banco de suplentes, ao passo que o avançado Fofó, melhor marcador da equipa, fez parte do \"onze\".
Os visitantes encontravam dificuldades para praticar o seu futebol e optaram pelo jogo directo, que pouco serviu os seus objectivos, pois facilitava o trabalho dos defesas contrários. Porém, os pupilos de David Dias, apesar de incomodarem bastante o guarda-redes Neblú, não conseguiam tirar partido do factor casa.
Por tudo aquilo que representam no futebol nacional os agostinos tinham a responsabilidade de chamar a si uma maior dinâmica ao desafio, o que não acontecia, pois caiam no jogo feito pelo Recreativo da Caála, com pouca velocidade no ataque.
Depois o jogo entrou numa toada de pouco interesse até ao momento que Razaq, aos 38´, foi servido por um colega e isolado atirou frouxo para uma defesa segura de Beny, quando tinha tudo para adiantar a sua equipa no marcador. Contudo, o avançado militar concretizou aos 42´, cabeceou de cima para baixo, um cruzamento de Paizo, desfazendo o nulo.
O segundo tempo não podia começar melhor para os campeões nacionais, marcaram aos 46´, através de um remate de fora da área, em que o guarda-redes Beny foi traído, após a bola desviar no corpo de um defesa.
Em desvantagem no marcador , David Dias arriscou mais no ataque, procurando minimizar o dano, porém do outro lado estava um adversário concentrado e disposto a manter a vantagem. O 1º de Agosto não se contentou com a vantagem, também atacou e Jacques tentou através de um pontapé de bicicleta enganar Beny, mas este negou o golo.
Daí pra frente pouco se viu do desafio, as duas equipas pareciam satisfeitas com o resultado, apesar dos militares terem mais oportunidades de perigo.

ARBITRAGEM
O trabalho realizado pelo árbitro Paulo Talaia não teve influência no resultado. Foi uma tarde onde contou com a colaboração dos jogadores, que estiveram mais concentrados em jogar a bola. O juiz acompanhou as jogadas de perto e manteve-se distante de lances polémicos, que de resto, não aconteceram. Não complicou e soube gerir o desafio.