Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Um mal menor no empate Agostino

JORGE NETO - 07 de Maio, 2018

1 de Agosto dominou e criou situaes de golo na igualdade 1-1 com o tolie du Sahel

Fotografia: M.MACHANGONGO | EDIES NOVEMBRO

A equipa do 1º de Agosto deixou-se ludibriar pela matreirice do Étoile Sportive du Sahel,  perdeu a possibilidade de conquistar três pontos e assumir a liderança do grupo.  Os militares dominaram a partida, criaram situações de golos, mas consentiram o empate, que era o que os tunisinos almejavam.
Os campeões nacionais só podem queixar-se de si, deixaram fugir a soberana oportunidade de iniciar a campanha com vitória. Geraldo, o atleta mais visado pelo adversário, fez o que competia, mas desperdiçou a ocasião para ampliar a vantagem para 2 -0.
Mongo e Ibukun jogaram e demonstrarem certo inconformismo em campo. O ponta de lança Jacques  esteve aquém das expectativas, numa tarde em que se esperava mais de si. Não provou que é o melhor marcador da equipa, nas Afrotaças.
A entrada quase \'intimidatória\' dos militares no jogo, deixava antever que cedo podia chegar ao golo. Arriscou desde o início e obrigou o adversário a recuar no seu perímetro, tal como previa o técnico-adjunto Ivo Traça na antevisão da partida. Os rubro - e negros tiraram partido do factor casa no primeiro tempo, em que tiveram também o maior número de oportunidades para marcar.
Conscientes de que “os jogos em casa são para ganhar” o 1º de Agosto podia fazer um pouco mais para conquistar a vitória, no regresso à Liga dos Campeões, 20 anos depois. A equipa tudo fez para concretizar esse objectivo, mas faltou eficácia e concentração que se exige em alta competição.
O Étoile Sportive du Sahel da Tunísia provou que é uma equipa muito experiente,  a posição que ocupa no ranking da CAF, terceira classificada, não é obra do acaso. É forte candidato para a passagem à fase seguinte, já que sabe como jogar para alcançar os objectivos que persegue.
O ataque militar voltou a falhar, o que pesou bastante no tropeço em casa. O sistema de jogo, montado por Zoran Maki, colocou os visitantes no meio campo sem soluções, sobretudo, no primeiro tempo em que as compensações surtiram o efeito desejado.
Mesmo de baixa estatura,  Paizo anulou o extremo guineense Bangoula, uma das referências da formação tunisina,que só apareceu na etapa complementar, em função do desgaste físico do lateral esquerdo agostino, que permitiu para um ascendente ao adversário.
O domínio do jogo e mais posse de bola ao longo dos 45 minutos, foi compensado com o golo de Mongo aos 42m, numa altura em que muitos não acreditavam no golo do 1º de Agosto antes do intervalo. O médio militar surpreendeu o guarda-redes Achrafkrir com um remate colocado.
Na etapa complementar, os tunisinos acreditaram e regressaram com outra postura. Deixaram o anti -jogo e passaram a pressionar mais o 1º de Agosto, com o objectivo de chegar à igualdade. Os militares permitiram o domínio dos visitantes e passaram a explorar o contra -ataque. Ibukun e Geraldo aos 52m tiveram cerimónia a rematar e perderam uma soberana oportunidade de aumentar a vantagem e quiçá selar a vitória.
A fazer  jus ao ditado, “quem não marca sofre”, o capitão e defesa central Jemal aos 65m usou a cabeça para carimbar o empate. A mostrar frieza que é peculiar nas formações do Magrebe, situação inesperada para os agostinos que tiveram de voltar a acelerar para inverter o quadro, porém, ficou-se apenas na intenção.
O resultado, apesar de não ser o esperado, o ponto conseguido neste desafio pode ser útil nas contas finais, caso continuem a pontuar para esta competição, pois, o importante é somar pontos. Entretanto, fica o aviso de que na Tunísia os rubro - negros vão ter de fazer muito melhor para travar a experiente formação da casa.
O Étoile vincou o estatuto que detém no continente. Madura, fria, jogou o quanto bastou e nunca entrou em desespero, mesmo em desvantagem. Ainda assim, abusou das faltas para travar os jogadores do 1º de Agosto quando estes aceleravam, o árbitro marroquino permitiu o excesso de infracções.

SEGUNDA JORNADA
1º de Agosto visita Mbabane Swallows


A equipa do 1º de Agosto desloca-se entre os dias 12 e 13 à Suazilândia, para defrontar no dia 15 do corrente a formação do Mbabane Swallows, desafio referente à segunda jornada da série D, da fase de grupos da Liga dos Clubes Campeões Africanos.As respo nsabilidades dos campeões nacionais para esse jogo aumentaram, após o empate caseiro. Para manter vivo o seu objectivo, a vitória é o melhor resultado que se  espera, sob pena de perderem terreno na classificação e hipotecar o objectivo definido.
Os militares vão enfrentar uma formação moralizada, após o empate alcançado fora de casa em terreno zambiano do Zesco United,  que reforça a confiança dos suazis em dificultar ao máximo a missão do conjunto angolano.
O calendário dos campeões nacionais está de certa forma acessível, defrontou na primeira jornada  um adversário teoricamente mais forte e na segunda jornada, joga com um dos menos favoritos do grupo. Em caso de vitória, podem assumir a liderança na classificação, mas a fazer figas, claro, para o empate entre tunisinos e zambianos.
Dado que o objectivo dos militares é  a fase seguinte, os quartos -de -final, vão ter de assumir a pretensão no relvado. Depois da boa atitude demonstrada diante dos tunisinos, os pupilos do sérvio Zoran Maki estão em condições de fazer melhor na próxima partida. Contudo, não devem menosprezar o adversário, por que não existem vencedores antecipados.
A primeira jornada, neste grupo, não destacou nenhuma equipa,  o empate a um golo foi o resultado que imperou, daí,  todas terem as mesmas possibilidades de passarem à próxima fase, embora, as equipas que actuaram na condição de visitantes levem alguma vantagem. A segunda jornada pode começar a definir certas posições na classificação.
A tarefa de vencer em terreno alheio, está ao alcance do 1º de Agosto que já mostrou nas eliminatórias de acesso desta competição, ser é capaz de vencer fora de portas. Ganhou ao Platinium do Zimbabwe, por 1-2 e eliminou o Bidvest da África do Sul, por 2-3, na marcação de grandes penalidades, após perder por 1-0, no tempo regulamentar.                                    
JN


CABINES
Zoran Maki
lamenta empate
consentido

Com os semblantes diferentes, os dois técnicos abordaram o jogo, em conferência de imprensa, como era de esperar de forma diferente. Zoran Maki, técnico do 1º de Agosto, gostou da atitude dos pupilos, lamentou o empate em função do número de oportunidades criadas pela equipa durante o desafio.
\"Fizemos um bom jogo. Dominamos o desafio e criamos oportunidades de marcar, infelizmente, só fizemos um golo, quando devíamos concretizar mais, sofremos o empate, o futebol é mesmo assim\", comentou.
\"Sabíamos , que o adversário ia jogar de forma recuada e a explorar as alas. Conseguimos contrapor isso, com um grande espírito de ajuda dos meus jogadores. Lamento o empate, acho que merecíamos ganhar, mas não tivemos sorte e eles aproveitaram a oportunidade que tiveram para marcar\", disse o timoneiro sérvio.
Quanto ao técnico da formação tunisina, Kheireddine Madoui, considerou a partida como muito difícil, mas os seus atletas aproveitaram o erro do adversário e conseguirem um precioso empate. \"Sabíamos, que o 1º de Agosto é muito forte com os seus extremos, por isso, procuramos anulá-los, mas tivemos algumas dificuldades\", confessou.
\"Queríamos ir para o intervalo a 0-0, porém, sofremos um golo. No segundo tempo, os meus jogadores reagiram e felizmente também marcamos um ponto, que era o nosso objectivo neste desafio. É um resultado importante, numa competição como esta\", rematou satisfeito.                                 
JN