Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Vice-presidente afasta cepticismo

Júlio Gaiano, em Benguela - 17 de Março, 2018

1º de Maio de Benguela, em relação ao jogo que a equipa realiza hoje à tarde

Fotografia: Vigas da Purificação | Edições Novembro

O receio manifestado pelos adeptos e sócios do 1º de Maio de Benguela, em relação ao jogo que a equipa realiza hoje à tarde, no Dundo, diante do Sagrada Esperança, referente à sétima jornada do Girabola Zap 2018, foi minimizado pelo vice-presidente do clube, Vitorino Visele, que considerou admissível a posição das pessoas com forte sentimento ao grémio proletário.
No entanto, garantiu que a equipa está bem e que a derrota da passada quarta-feira, em Benguela, diante do Interclube, em nada influenciará no comportamento dos jogadores no jogo contra o Sagrada Esperança da Lunda Norte.
“A equipa está bem do ponto de vista físico e mental e o facto de o técnico não poder estar no banco, não conta muito, porquanto existem mecanismos para se superar tais situações. Aliás, como puderam observar, no jogo contra o Interclube, o professor Tramagal orientou a equipa à partir das bancadas.
É claro que uma coisa é estar no banco e outra não. Mesmo assim, deu para ver que as coisas completaram-se, dando a aperceber que a natureza do trabalho empreendido pela equipa técnica aos jogadores continua activo no seio do colectivo”, replicou.
O 1º de Maio de Benguela, em caso do triunfo, fazem oito (8) pontos e reanimam-se na luta pela manutenção na primeira divisão.
É uma tarefa difícil e complicada, na óptica dos observadores que consideram a equipa estar a carecer de maturidade e experiência competitiva para se impor na prova.
Uma constatação admitida pelos técnicos que pedem paciência e calma aos apoiantes afectos ao clube, pois tudo fazem para inverter o quadro.