Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Vitria com pouco sabor

Jorge Neto - 11 de Outubro, 2015

Militares cumprem misso na recepo aos caalaenses na ltima jornada do Campeonato Nacional de Futebol da Primeira Diviso

Fotografia: Paulo Mulaza

A vitória nem sempre significa motivos para sorrir. Isso ficou patente ontem, no estádio 11 de Novembro, no duelo entre o 1º de Agosto e o Recreativo da Caála, pois o triunfo (2-1) não foi suficiente para a equipa militar conquistar o título de campeão de 2015, o que prolonga o jejum que dura desde 2007.

A equipa orientada por Dragan Jovic cumpriu com a sua missão, ou seja, conquistou os três pontos, mas o "acordo de cavalheiros" entre o Recreativo do Libolo e Académica do Lobito desfez o sonho dos agostinos.

Os militares entraram a todo o gás no desafio, não dando tempo para os visitantes ganharem confiança, o que se justifica no golo apontado por Ary Papel, aos 4 minutos, após passe de Buá.

Contudo, a resposta dos caalenses não tardou. Aos 16´, Paizinho aproveitou da melhor maneira uma jogada para igualar o marcador, numa clara falha da defesa rubro-negra, que deixou o avançado contrário livre de marcação. Deste modo, as coisas estavam tal como começaram, mas os pupilos de Dragan Jovic continuar a ter o comando do desafio, procurando sempre jogar no meio-campo do adversário e Mateus Galiano, quase fazia o gosto ao pé, mas Carlos impediu o objectivo do avançado do 1º de Agosto.

Nas bancadas, os adeptos agostinos, que responderam ao apelo do clube, estavam com enorme ansiedade, que parece ter tomado igualmente conta dos jogadores militares. Por seu lado, os pupilos de Hélder Teixeira acreditavam que podiam complicar a vida a formação da casa e sempre que podiam exploravam o contra-ataque, apanhando desprevenida a defesa comandada pelo capitão Massunguna.  Cabia ao 1º de Agosto fazer mais, se de facto quisesse ganhar o jogo e continuar a manter as esperanças de conquistar o título, mas a vontade dos militares esbarravam na boa organização defensiva da equipa do Huambo.

Ainda antes do intervalo os agostinos quase festejavam o segundo golo, mas o remate de Gelson foi travado por um adversário, que em plena grande área ofereceu o corpo à bola, frustrando a intenção do jovem goleador.No reatamento  foram os visitantes quem criar a primeira situação de perigo, mas Dominique negou com os pés o golo do Caála. Todavia, o mesmo Gelson tirou da "cartola" uma grande penalidade, foi rasteirado na área por Campos. Ary Papel assumiu a marcação, aos 56´, bisando no desafio.

ARBITRAGEM

O árbitro José Álvaro terá acusado alguma responsabilidade no jogo, tentou intervir o menos possível, deixando passar em branco lances que mereciam um ajuizamento diferente.  O juiz falhou em duas situações no primeiro tempo em lances que dariam  penáltis a favor do 1º de Agosto, uma pelo jogador do Recreativo da Caála ter desviado a trajectória da bola com o braço e a outra por Gelson ter sido agarrado por um defesa, em plena grande área.


OPINIÃO DOS TÉCNICOS


Filipe Nzanza
(1º de Agosto)

"Lamento a
perda do título"

"Dizer aos adeptos do 1º de Agosto que entramos muito mal no campeonato, mas conseguimos recuperar e voltar a lutar pelo título. Há mais de cinco anos que não se via uma disputa assim no nosso campeonato, mas lamento que tenhamos perdido o título. Sobre este jogo, defrontámos uma boa equipa, que esteve bem, nos complicou , mas felizmente conseguimos ganhar os três pontos".

Hélder Teixeira
(Caála)

"1º de Agosto
ganhou bem"

"Sabíamos que seria um jogo difícil, diante de uma equipa que ainda tinha o objectivo de conquistar o título e tinha o apoio dos seus adeptos, mas tínhamos confiança no nosso trabalho e acreditamos que seria possível fazer um bom resultado. Infelizmente sofremos dois golos e marcámos apenas um, apesar de falharmos também as oportunidades que tivemos, mas dizer que o 1º de Agosto ganhou bem".