Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Vitória da crença

Jorge Neto - 08 de Março, 2018

Vitória magra dos militares permite sonhar com a fase de grupos.

Fotografia: DOMBELE BERNARDO| Edições Novembro

Nos jogos a eliminar, vencer em casa é sempre importante. O campeão nacional acreditou e conseguiu cumprir com o seu objectivo, embora por diferença mínima, ainda assim é um resultado que coloca os rubro negro em vantagem na eliminatória.
Com o jogo aberto, em que as duas equipas procuraram soluções para chegar à área contrária, os militares foram sempre persistentes, pressionaram e como no acreditar está o ganho, Geraldo aos 87\' com o seu pé direito, pouco temível, fez a diferença ao concretizar na zona de assistência o tão esperado golo.
O 1º de Agosto teve sempre mais qualidade com bola, dominando a partida com oportunidades de golo, mas sempre com a pronta intervenção do guarda-redes sul-africano que defendia tudo que fosse à sua baliza.
A atitude ofensiva dos angolanos desde o início do desafio deixou um sério aviso aos sul-africanos e obrigou aos visitantes a recuarem no terreno. E tiveram mesmo de refazerem a táctica para contrapor as investidas dos anfitriões.
A dinâmica imprimida pelos pupilos de Zoran Maki resultou em algumas oportunidades para marcar, mas a pontaria não estava em dia sim. Mesmo ultrapassando a bem estruturada defesa dos sul-africanos, que tapavam com segurança os caminhos para a sua baliza, faltava sempre eficácia no toque final e outras por culpa de Kyle Peters que defendia tudo e mais alguma coisa.
A pressão exercida pelos militares deu azo para que a equipa contrária  optasse pela queima de tempo, o que originou a mostragem de um cartão amarelo ao guarda-redes sul-africano,  responsável pelo facto do 1º de Agosto não ter marcado antes do intervalo, por excesso de anti-jogo.
A confiança que transmitiu aos seus colegas enervou a equipa contrária com destaque para Geraldo e Mongo, os jogadores que mais remataram no primeiro tempo.
Nelson Luz esteve alguns furos abaixo, causou poucos desequilíbrios nas alas, ao contrário do seu colega de posição que deu muitas \"dores de cabeça\" aos defesas do Bidvest Wits, daí ser travado em falta em várias ocasiões.
O adversário não limitou-se apenas a observar os donos da casa a pressionarem. Teve oportunidades para marcar, mas Neblu mostrou segurança e impediu com que o corte defeituoso do seu colega Bobó entrasse na sua baliza.
Na etapa complementar, os militares entraram com a mesma disposição. Criaram oportunidades, mas faltava a concentração e eficácia. Por outro lado, os sul-africanos demonstraram ser bastante experientes e geriam o tempo. Atacavam com segurança, inclusive aos 77´cheiraram o golo, mas Lehlohonolo não teve pernas para direccionar bem a bola.
Do lado dos agostinos, Jacques num dia para esquecer, foi quem teve mais oportunidades, mas sem concretizar. Quem não esteve para meias medidas foi Geraldo, o homem do jogo, que tratou de dar o triunfo a sua equipa aos 87´ ao finalizar um cruzamento de Fofó.
O trabalho do árbitro camaronês não teve influência no resultado do jogo, mas pode-se considerar \'desastrosa\'. Faltou aplicar a lei da vantagem e mostrou falta de autoridade, poupando na mostragem de alguns cartões amarelos aos jogadores sul-africanos, por jogo duro.
Demorou a admoestar o guarda-redes do Bidvest Wits, Peters por queima de tempo. Permitiu igualmente que os jogadores sul-africanos fizessem faltas duras e ficassem livres de uma acção disciplinar com cartão. Em termos de fora-de-jogo foi bem auxiliado pelos seus colegas Elvis Nguegoue e Ernest Nkeniji.

“Acreditamos
na passagem”

\" Jogamos com uma equipa bem esclarecida e foi nada daquilo que pensávamos. Vamos fazer um jogo difícil na África do Sul, mas acreditamos que podemos passar essa eliminatória. Não vamos ir lá para defender o resultado, pois, conhecemos os pontos fortes e fracos do adversário. Acho que eles em sua casa vão jogar mais aberto e não vão se fechar muito. Estão cientes que somos uma equipa forte e acredito que não vão jogar muito aberto ao ataque, mas terão de arriscar mais do que fizeram aqui. Agradeço o apoio dos nossos adeptos\", disse no final do jogo o treinador adjunto do 1º de Agosto Ivo Traça.