Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Wilson Faria garante maturidade na gesto

Jlio Gaiano, em Benguela - 17 de Agosto, 2019

Presidente do primodisionrio de Benguela e o tcnico esto confiante e tranquilos

Fotografia: Jlio Gaiano, em Benguela| Edies Novembro

O presidente do Wiliete Sport Clube de Benguela, Wilson Fernando Faria, disse que a sua direcção foi \"vítima de intrigas e má-fé\", por parte de pessoas ultrapassadas e com fraco poder racional, para o fortalecimento do desporto na província, fomentando discórdia, boatos e calúnias em volta do projecto, que a sua direcção desenvolve em prol do futebol.
“Usaram todas as artimanhas possíveis para nos desanimar. Não conseguiram. Somos amantes do futebol. Sabemos o que fazemos e o que queremos, ao contrário de determinadas indivíduos, que buscam dividendos pessoais em detrimento do desporto. O projecto Wiliete veio para fazer o contrário e foi nesta perspectiva que, depois de um estudo de viabilidade, decidimos criar esta agremiação que, em menos de um ano, já constitui motivos de preocupação e susto dos seus detractores”, comentou.
O responsável máximo do clube, que falava em conferência de imprensa, convocada para apresentar as linhas de forças para o Girabola e a Taça de Angola, garantiu que a sua direcção não está preocupada com as insinuações, que visam desprestigiar as iniciativas positivas, para o engrandecimento da modalidade nas acácias rubras. “O nosso foco é manter viva chama do futebol na província, em particular, e no país, em geral”, revelou.
Instado a comentar sobre as razões, que estiveram na base de a sua direcção reconsiderar a posição inicial em que oficializava a sua indisponibilidade em fazer parte do Girabola Zap 2019/20, apesar de se ter apurado para o efeito, Wilson Faria disse tratar-se de uma decisão ponderada e que visou, única e simplesmente, provar que estão no futebol para servir com dignidade e respeito às normas estabelecidas.
“Pessoas mal-intencionadas tentaram colocar em causa a idoneidade e os desígnios do nosso clube. Não aceitamos e, para provar isso mesmo, escrevemos a FAF a apresentar a nossa indisponibilidade em participar de uma competição, à partida, viciada. Não precisamos revelar nomes, até porque, foram acusações públicas e que ganharam eco na imprensa (…) ”, rebateu.
O Jornal dos Desportos sabe, que as “criticas” do dirigente fazem alusão às declarações proferidas pelo então coordenador da Comissão de Gestão e actual presidente do Estrela Clube 1º de Maio de Benguela, Rui Araújo, que acusou a direcção do Wiliete SC, de estar por detrás da zaragata que se viveu no último jogo de apuramento, que opôs a formação proletária ao Sporting local, ganho por 4-3.         

ORÇAMENTO
Cem milhões de kwanzas para campanha

O Clube Desportivo Ferrovia do Huambo (CDFH) necessita de 80 milhões de Kwanzas, para suportar as despesas na presente edição do Girabola Zap 2019/ 20020, avançou, em declarações ao Jornal dos Desportos, Adriano Marques Catito.
O presidente da formação huambonse, que este ano ascendeu, pela primeira vez, a fina flor do futebol nacional, disse que o valor estimado é para assegurar o pagamento de salários, prémios de jogos, alojamento, deslocações e despesas com arbitragem e policiamento, embora, explicou, não ser “o orçamento desejado” para suportar todos os encargos da compita.   
A direcção do clube, ciente dessa exiguidade de recursos financeiros, está a desenvolver uma campanha de angariação de apoios e mobilização de sócios, denominado “porta-a-porta”, e a negociar com empresas públicas e privadas, para obtenção de patrocínio.
Adriano Marques Catito assegurou estarem “no bom caminho e a um ritmo acelerado” as negociações com as empresas Cuca Nocebo Huambo, Águas do Cuima, o grupo empresarial ASAS, entidade que está a levar a cabo o projecto de reforma e requalificação da aldeia Camela Amões, e HFCV, uma empresa sediada na Huíla, que garantirá o alojamento, quando o Ferrovia jogar no Lubango.
A direcção do clube está, actualmente, a efectuar um levantamento para se apurar o número de sócios, activos que o presidente considera de “relíquias importantes” de apoios à equipa, pelo que lançou um apelo para que estes regularizem as suas quotas, bem como a adesão de outros, “para uma participação exitosa” na presente edição do Girabola Zap, cujo jogo de estreia acontece amanhã, em casa, diante do Cuando Cubango Futebol Clube.
Justino Victorino| Huambo