Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Girabola

Zoran MaKi elogia RC Libolo

Armando Sapalo, Dundo - 14 de Outubro, 2015

Sagrada quebrou o ritmo competitivo com o interregno do Girabola por 40 dias

Fotografia: Jornal dos Desportos

Há seis anos a trabalhar em Angola, o treinador sérvio ao serviço do Sagrada Esperança da Lunda Norte, disse que, à semelhança do registado na temporada 2011, a edição de 2015 do Girabola foi bastante equilibrado e disputada até à última jornada, em que se decidiu o campeão.Zoran Maki afirmou que, apesar de equilíbrio verificado no campeonato..

Referiu também que a diferença pontual entre o 5º, 6º e 12º classificado é muito pequena em função do equilíbrio verificado.“Foi um campeonato muito disputado até à última jornada em que conhecemos o campeão, mas o Libolo é justo vencedor, porque foi a equipa mais regular pelo facto de ter conseguido aproveitar dos erros dos seus adversários directos na luta pelo título” ,  reconheceu.Na segunda volta do campeonato, disse, o 1º de Agosto teve possibilidades de estar à frente e ganhar o Girabola mas acabou por fica na “praia” por não ter sabido aproveitar a chance.

Quanto a sua equipa, o treinador diamantíferos referiu que apoios da população da Lunda Norte e do governo da província, em especial do governador Ernesto Muangala, foram determinantes para que o Sagrada Esperança concretizasse os objectivos preconizados pela direcção do clube.“O apoio dos nossos adeptos, população e principalmente do governo da província na pessoa do governador  (Ernesto Muangala) foi determinante, porque a jogar no Dundo, sempre tivemos casa cheia, e  nas deslocações aos outros campos, sentimos a presença do público e o governador acompanhou-nos em todas as viagens que fizemos na parte final do campeonato”, destacou.

GIRABOLA
Conseguimos dar a volta por cima


O treinador do Sagrada Esperança, Zoran Maki, considerou segunda-feira, no Dundo, em entrevista ao Jornal dos Desportos, que não obstante as adversidades que levaram a atravessar fases de muita pressão e sufoco, a época desportiva foi positiva pelo facto de a equipa ter conseguido garantir a permanência na Primeira Divisão. Zoran Maki, que assumiu o comando técnico da equipa na 10ª jornada do campeonato, disse que na recta final d prova, mesmo com jogos de elevado grau de dificuldades e diante de adversários teoricamente mais fortes, os diamantíferos tiveram um comportamento positivo.

Após uma "fase negra" nas primeiras jornadas da segunda volta, o Sagrada Esperança de acordo com o técnico, recuperou o equilíbrio do seu futebol e conseguiu  “dar a volta por cima” terminado a prova em décimo lugar com 37 pontos.Zoran Maki lembrou que quando assumiu a liderança da equipa técnica, encontrou o Sagrada Esperança numa posição bastante preocupante, por isso o facto de garantir a manutenção, o principal objectivo para qual foi contratado pela direcção do clube, considera que a época foi positiva, aliado ao facto de ser um dos finalista da Taça de Angola.

Na fase derradeira do campeonato, quando tudo apontava para uma iminente despromoção, fruto da determinação apresentada pelos atletas, por via da elevação dos níveis de motivação e confiança, o Sagrada Esperança alcançou as metas preconizadas.“ Na minha opinião, não por ser o treinador da equipa, considero que a nossa época foi positiva, porque quando eu cheguei o Sagrada Esperança estava em 15º lugar na tabela classificativa. Começamos por fazer bons resultados, depois entramos para uma fase menos boa, mas na recta final recuperamos a nossa confiança e forma desportiva e conseguimos manter a equipa na Primeira Divisão”, referiu.

O técnico diamantífero ressaltou igualmente que mesmo durante o período “ negro” que assolou o Sagrada Esperança, a equipa praticava um futebol vistoso, mas os golos não surgiam com facilidades, até certo ponto por culpa da falta de confiança dos jogadores, fundamentalmente os atacantes.
O técnico deu como a exemplo o avançado Love Cabungula, contratado ao Recreativo da Caála na segunda volta do campeonato, que encontrou muitas dificuldades para fazer golos, mas quando recuperou a confiança e por ser um goleador, terminou o Girabola  como artilheiro da equipa com cinco golos.

MOTIVAÇÃO
A motivação nas hostes diamantífera foi apontada pelo técnico Zoran Maki, como sendo o segredo da boa recuperação feita pela equipa, através de um elevado espírito de ambição, prazer de jogar um futebol de qualidade e capacidade de sacrifício, o que permitiu aos lundas subiram alguns degraus na classificação e que resultou na fuga à despromoção.O Sagrada Esperança, de acordo ainda com Maki,  jogou as últimas jornada do Girabola "ao mais alto nível", pois não voltou a sentir o sabor da derrota e encerrou o campeonato a três pontos do sexto classificado da prova (Progresso da Lunda Sul, 40 pontos), o que demonstra que o conjunto diamantífera conservou a sua filosofia e padrão de jogo.

Os números alcançados pelos diamantíferos nas últimas cinco jornadas do Girabola foram positivos, porque em 15 pontos possíveis, a equipa lunda alcançou 11 pontos. Segundo o treinador, com excepção do  1º de Agosto, segundo classificado, o Sagrada Esperança foi a equipa que mais conseguiu pontuar na recta final do campeonato.Zoran Maki referiu que o Sagrada Esperança teve a inteligência para prosseguir com as ideias que o caracterizam como um grupo forte e coeso, o que ficou patente no desafio da última jornada, diante do Petro de Luanda, no Dundo, que culminou com vitória de duas bolas a zero.

CONSTATAÇÃO
Longa paragem prejudicou a equipa


A paragem de 40 dias registada no Girabola 2015, devido aos compromissos da Selecção Nacional de honras, foi prejudicial para equipa do Sagrada Esperança em termos competitivos. De acordo com o técnico Zoran Maki, os diamantíferos e outras equipas perderam o ritmo e o embalo do jogo que traziam.“ A paragem de 40 dias que tivemos no Girabola, em função dos compromissos da selecção, prejudicou muitas equipas, principalmente a minha, porque tivemos efeitos bastante negativos em termos competitivos”, disse.

Ainda assim, o técnico realçou o espírito do grupo e disse estar satisfeito com os resultados obtidos e que permitiram o Sagrada Esperança manter-se na “ elite” do futebol nacional. Na avaliação feita sobre a prestação da equipa, Zoran Maki disse que o Sagrada Esperança não foi muito feliz no ataque, pois fez poucos golos, mas também, conforme avançou, teve uma defesa coesa, o que não permitiu com que a sua baliza fosse violada com facilidades.

De acordo com o técnico, as falhas individuais foram fatais para o Sagrada Esperança em alguns jogos, onde perdeu pontos, e recordou que sempre que estivessem em missão ofensiva, a equipa criou muitas oportunidades de golos. Para Zoran Maki, ao Sagrada Esperança faltou também um pouco da presença da “ estrelinha da sorte”, ficou seis jornadas sem marcar golos, a par da onda de lesões que deixou de fora das opções jogadores influentes na manobra ofensiva do conjunto, como é o caso do capitão Fatite e o médio Bugos.Além da determinação dos atletas, Zoran Maki elogiou o apoio da população da Lunda Norte, com realce a claque da equipa e autoridades locais, sobretudo a envolvência directa e pessoal do governador Ernesto Muangala, que se mostrou sempre disponível e comprometido com a causa do clube.