Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

1 de Maio joga motivado frente ao Maquis

Jlio Gaiano/ no Lobito - 07 de Outubro, 2017

Equipa tcnica da equipa benguelense reconhece potencial do adversrio

Fotografia: Paulo Mulaza | Edies Novembro

O técnico do Estrela 1º de Maio de Benguela, José Alberto Agostinho “Tramagal”, assegurou ontem ao Jornal dos Desportos, que a equipa está pronta a receber e vencer esta tarde a partir das 15h30,  no Estádio municipal Edelfride Palhares da Costa, o FC Bravos de Maquis,  jogo referente aos quartos - de -final da Taça de Angola,
O treinador assumiu, que as atenções estão centradas para nesta competição, consumada que está a manutenção no campeonato nacional da I divisão. Revelou estar tranquilo num bom resultado, porque a equipa ao longo da semana trabalhou com este objectivo.
“As nossas atenções estão focadas na Taça de Angola, vencida a campanha pela permanência no Girabola Zap. Ao longo da semana, a equipa pensou no jogo com o Bravos do Maquis, no nosso campo”, assumiu o timoneiro da formação da Rua Domingos do Ó.
Alertou aos atletas a manterem a humildade, concentração e acima de tudo o espírito de entre ajuda, já que os maquisardes têm potencial para fazer um bom jogo frente  qualquer adversário, e seja em que campo for, aliado ao facto de que em partidas a eliminar tudo pode acontecer.
“É um adversário bem estruturado e que pode surpreender, ainda assim, estamos atentos, preparados para vencer e fazer jus à condição de anfitriões”, precisou o técnico proletário, na antevisão do embate desta tarde.
Os proletários estão conscientes, que a Taça de Angola não consta das suas prioridades esta época, em função das limitações financeiras que enfrentam. O técnico reiterou ser oportuno rentabilizar a utilização no seu plantel, dos atletas menos utilizados, perspectivam a próxima época.
Tramagal apelou à sociedade benguelense, à mobilizar-se em torno do 1º de Maio, apesar da crítica situação financeira que enfrenta. Recordou que a sua equipa, na medida do possível e dentro das suas limitações, tem dignificado o futebol da província.
“Os nossos jogadores são autênticos heróis, porque mesmo sem dinheiro, têm  representado com brio e profissionalismo as cores do clube. Por isso, a sociedade benguelense e entidades afins, devem juntar-se ao esforço da direcção no sentido de solucionar o problema que o clube atravessa”, realçou.
O treinador sublinhou, que os atletas estão a fazer jus ao nome de proletários para manterem firme os objectivos da direcção, com a manutenção a equipa no escalão máximo do futebol nacional. “Ao contrário do que se imagina, o 1º de Maio está a atravessar situações difíceis. Há falta de salários e de prémios de jogos por receber”, recordou.


BRAVOS
Maquisardes definem prioridade


A lutar pela fuga à despromoção, no campeonato nacional da I Divisão, o FC Bravos do Maquis defronta o 1º de Maio de Benguela, sem “muito interesse” na passagem à fase seguinte, e encara a partida como um balaio de ensaios para o embate com o Petro de Luanda, a contar para a 27ª jornada.
O técnico -adjunto da equipa maquisarde, Ivo Campos, sublinhou que apesar de não descartar a possibilidade de vencer esta tarde, às atenções estão centradas para os jogos do Girabola Zap, por isso, alguns jogadores vão ser poupados para que estejam à altura do desafio com o crónico candidato ao título, e segundo classificado da prova.
“No jogo com o Petro devemos estar no máximo da força. Não queremos desrespeitar o adversário, como é óbvio, mas se pensar que temos vindo a fazer três jogos por semana, isto não é fácil para a malta, ainda sem hábitos. São coisas que temos de estar muito atentos, porque são jogos em duas mãos”,avançou.
O treinador reforçou que a intenção, nesta fase crucial da época, passa pela gestão do plantel para se alcançar o principal objectivo traçado, que passa pela manutenção no campeonato nacional. “Vamos poupar alguns jogadores, já que temos traçado o nosso principal objectivo, que se centra  no campeonato”, reforçou.
Ivo Campo sublinhou que mesmo com limitações, pretende ser uma equipa a 100 por cento e com concentração máxima, por isso, os atletas esperam entrar em campo com o mesmo empenho e garra que caracteriza os maquisardes, porém, sempre conscientes que não é o principal jogo da época.
“Nós soubemos, que no campeonato ainda não temos a manutenção garantida, por isso, não vamos lá desfalcados, como é óbvio, mas com uma mentalidade ganhadora com referência fisiológica”                                                  Daniel Melgas|Luena


AGOSTINHO TRAMAGAL
“Os jogadores
  estão motivados
 para este jogo”


O professor Agostinho Tramagal reiterou, a vontade da equipa em voltar a fazer história na Taça de Angola, apesar das adversidades que atravessa. Elogiou o comportamento do grupo que orienta, e destacou o profissionalismo patenteado por todos, ao longo da época.
“No meio de tudo isso, o que me anima é a motivação e a disposição dos jogadores, que tudo fazem para dignificar as cores do clube que representam. Não é fácil, mas há que respeitar e reconhecer, que afinal são humanos e precisam de verem resolvidos os seus problemas ”, realçou.
O treinador dos encarnados de Benguela lança um repto à sociedade local, para unirem esforços no sentido de ajudarem a direcção, porque esta sozinha e não pode fazer mais, por  está despida de recursos, para intervir a busca de solução do problema daí resultante.
Agostinho Tramagal não precisou, qual  a equipa inicial a utilizar para o confronto com o FC Bravos do Maquis, porém, acredita-se que utilize alguns jogadores que ao longo da campanha do Girabola Zap2017 serviram de alternativa aos titulares.
Para esta empreitada, o treinador aposta em Fany (a baliza), Hélio Asha (à defesa), Maria Pia e Jamba (meio -campistas) e Alex (ao ataque). Assim sendo, o Jornal dos Desportos arrisca neste “onze”: Fany - Hélio Asha, Cristiano, Yeyé Sanda, Jó e Márcio Luvambo - Bartholo Teng, Jamba, Maria Pia - Caporai e Alex.
O jogo de resposta (segunda-mão) acontece no fim-de-semana, no municipal Comandante Jonas Kufuna Yembe “Mundunduleno”, um Estádio em que os proletários habituaram-se a enfrentar imensas dificuldades para vencer.