Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

1 de Maio pode ser penalizado pela FAF

JLIO GAIANO, EM BENGUELA - 03 de Maio, 2018

Mauro de Oliveira ficou ferido em Benguela alegadamente por favorecer os palanquinos.

Fotografia: JOS SOARES| EDIES NOVEMBRO

A dúbia actuação do árbitro luandense Mauro de Oliveira no desafio que envolveu o 1º de Maio de Benguela - Kabuscorp do Palanca no domingo, no Estádio de Ombaka, referente à 13ª jornada do Girabola Zap que ficou saldado num empate por 1-1, pode ocasionar em mão pesada da Federação Angolana de Futebol (FAF) sobre a formação proletária, que pode vir a ser multada e por conseguinte, jogar à porta fechada. Os benguelenses estão apreensivos e exigem igual tratamento em relação ao árbitro, caso a equipa seja penalizada.
Nesse desafio, o trio de arbitragem liderada pelo luandense Mauro de Oliveira, assistido por Domingos Francisco e Nery Silva, foi maltratado e o pior não aconteceu, porque o efectivo da Polícia Nacional, que esteve presente no local, abortou a confusão instalada no Estádio de Ombaka. Objectos cortantes, como garrafas, foram arremessados contra o árbitro que acabou contundido.
Em função do ferimento, prontamente socorrido pela equipa médica do Instituto Nacional de Emergências Médicas de Angola (INEMA), forçou a saída tardia do Estádio por parte de dirigentes do 1º de Maio de Benguela, do Kabuscorp do Palanca, dos árbitros e da Polícia Nacional, como forma de garantir a segurança física e psicológica das individualidades, ante os ânimos exacerbados dos adeptos que juravam a todo o custo, “linchar” o árbitro. À distância, era possível visualizar um grupo de insurgentes a exibirem garrafas e outros meios cortantes, a gesticularem em direcção do Estádio. O ambiente era de muita confusão. Diante da situação, a Polícia Nacional não precisou de fazer uso de disparos para o ar nem tão pouco do uso de gás lacrimogéneo para conter a barafunda. Foi mais persuasivo e só em momentos extremos, fez o recurso de cassetetes para afastar pessoas que se atreviam a pisar a linha de segurança.
JG - BENGUELA