Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

A hora de arregaar as mangas

Matias Adriano - 15 de Abril, 2019

Ausente nas �ltimas duas edi��es, Angola est� na conting�ncia de evidenciar uma postura diferente no CAN do Egipto

Fotografia: DR

O sorteio do Campeonato Africano das Nações de futebol, Egipto’2019, efectuado na passada sexta-feira, no Cairo, colocou Angola no Grupo-E da fase de grupos, ao lado das congéneres da Tunísia, Mauritânia e Mali. Em face disto, o cominado nacional estreia na prova a 24 de Junho, em Suez, frente à Tunísia.

Talvez, calha bem começar com quem é tido, à partida, como o mais forte do grupo, particularidade, que, em qualquer circunstância, permite fazer uma gestão mais acautelada dos restantes 180 minutos. Embora o mesmo cenário tenha acontecido em 2013, quando Angola empatou a zero golos com Marrocos na abertura para fracassar diante da África do Sul e de Cabo Verde.

Ausente nas últimas duas edições, Angola está na contingência de evidenciar uma postura diferente, melhor, quanto mais não seja uma forma de mostrar ao continente os níveis de evolução do seu futebol, ainda que os números do ranking da Confederação Africana de Futebol sejam o melhor testemunho da realidade evolutiva dos países.

De resto, quem teve o privilégio de desfilar na maior vitrina do futebol mundial, como o Alemanha’2006, não pode vender uma imagem pálida, sob pena de a sua qualificação àquele certame ser taxado como acidental, obtido mais por consentimento de adversários de grupo, que propriamente por mérito.

A composição do grupo, à partida, não assusta, embora as pessoas olhem para a Tunísia como um super-adversário e para o Mali, como um desmancha-prazeres. O segredo será olhar para os dois apenas como adversários, que tanto nos podem causar dificuldades, como também podem soçobrar aos nossos pés. O trabalho a desenvolver pela selecção nacional nos próximos tempos, assim como as condições que urge criar, serão determinantes.