Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

A vez dos Palancas no CHAN

Matias Adriano - 15 de Janeiro, 2018

Os últimos resultados nos confrontos directos foram sempre favoráveis aos burkinabes, que são, em boa verdade, uma das selecções que mais crescem no futebol africano

Fotografia: Vigas da Purificação/Edições Novembro

Os Palancas Negras descem amanhã, a partir da 17h30 (tempo de Angola), ao relvado do Estádio Adrar, em Agadir, para defrontar o Burkina Faso, naquela que será a sua estreia na V edição do Campeonato Africano das Nações(Chan'2018), que decorre desde sábado último nas cidades marroquinas de Casablanca, Marrakech, Tanger e Agadir.
O ambiente no seio do grupo é de  redobrada expectativa. Pois, o objectivo é começar a prova da melhor forma possível, pressupondo que a palavra derrota não consta, e nunca podia constar, das instruções que Srdjan Vasiljevic transmite. Aliás, o trabalho desenvolvido nos últimos dias não visa senão entrar para a prova com uma maior convicção.
À partida, o adversário não é de menor expressão. É antes pelo contrário o pior carrasco dos últimos tempos, que pelo capricho do sorteio vem cruzando com alguma regularidade o caminho de Angola. Os últimos resultados nos confrontos directos foram sempre favoráveis aos burkinabes, que são, em boa verdade, uma das selecções que mais crescem no futebol africano.
Mas este factor não pode dominar a mente dos nossos jogadores, que devem saber que os jogos ganham-se em campo. Além de mais, nem sempre uma equipa tem a mesma prestação, podendo numa aparição estar na mó de cima e na outra claudicar. Daí que, nada nos garanta que venhamos ter amanhã o mesmo Burkina Faso que nos fez vida cara nas ocasiões anteriores.
E mais: estamos a falar de uma selecção sem profissionais. Portanto, não teremos Jonatah Pitroipa, não teremos Bakary Koné e outros que evoluem no Velho Continente, e que dão garra e estaleca a esta selecção. Por esta ordem, pode ser que as equipas se  defrontem em igualdade de circunstâncias, pese embora em termos de tempo de trabalho haver alguma desvantagem do nosso lado.
Seja como for, este não é factor determinante. O importante será saber colocar-se na quadra de jogo, construir jogadas com alguma eficácia, e primar por uma postura capaz de anular a investida adversária. Mais do que isso, será preciso não perder de vista que o primeiro resultado tem influência, positiva ou negativa, nos jogos seguintes. Daí a necessidade de se evitar sempre um resultado ruim no começo.
Sendo Camarões, que será adversário na segunda jornada, sempre difícil, é quase uma obrigação para Angola procurar pontuar com os outros dois oponentes, sob pena de colocar em risco a sua passagem para os quartos-de-final, grafado como objectivo fundamental, caso se queira corrigir a má e triste figura da edição passada.
Estamos certos que a equipa está preparada para esta empreitada. Pelo menos não existem baixas no grupo. Todos atletas seleccionados estão disponíveis e aptos para o desafio. Vamos aguardar que corra tudo de feição, e no final dos 90 minutos possamos expressar aquele sentimento de satisfação, com a consciência de missão cumprida. Somos capazes...

OUTRO JOGO
Camarões favorito diante do Congo


Ainda a contar para o Grupo D, Camarões e Congo jogam também amanhã em Agadir para a primeira jornada. A crítica desportiva não tem a menor dificuldade em apontar os "Leões Indomáveis" como super-favoritos no jogo que começa às 19h30(20h30 em Angola).
Também apontados como favoritos ao primeiro lugar no grupo, os Camarões vão, certamente, procurar somar os primeiros três pontos e tomar conta da liderança. De resto, quer se fale de valores colectivos ou de valores individuais o campeão africano é de longe superior ao seu adversário, devendo este factor jogar papel fundamental.Mas ainda assim, e porque o bom senso aconselha sempre à prudência, devemos dar algum crédito ao Congo, que terá igualmente as suas ambições e capaz de lutar por elas até não poder mais. Afinal precisamos ter em conta que a sua qualificação à fase final do Chan não foi automática. Superou a concorrência no seu grupo de apuramento. Logo, não será de bom tom retirar-lhe a primazia na totalidade.Por tudo isso, pensamos que terá, certamente, os seus trunfos. Ou, se preferirem, as suas unidades capazes de fazer diferença na quadra de jogo e lutar pelo objectivo definido. Vamos esperar pelo jogo a ver como poderão os congoleses reagir à fúria dos "Leões Indomáveis".

Resultados de ontem
Nos jogos disputados ontem para o Grupo B, o Sudão venceu a Guiné Conacry pro 2-1 ao passo que a Namíbia surpreendeu a Costa do Marfim a quem bateu por 1-0. Até a hora do fecho da presente edição ainda decorria o Zâmbia-Uganda em complemento do Grupo A.

Os 23 Guerreiros

Aqui neste espaço fazemos a apresentação nominal dos 23 jogadores que a partir de amanhã vão procurar pretigiar o nome de Angola no Campeonato Africano das Nações (Chan’2018). Todos eles esbanjam confiança e esperam fazer um campeonato que venha superar, em termos de prestação, aquilo que foi a edição de 2016, em que a equipa quedou-se na primeira fase por entre um conjunto de situações menos boas.

Nary
Posição: central
Idade: 30 anos
Clube: Kabuscorp

Job
Posição: Avançado
Idade: 30 anos
Clube: Petro

Herenilson
Posição: Médio
Idade: 21 anos
Clube: Petro

Fofo
Posição: avançado
Idade: 23 anos
Clube: Progresso

Landu
Posição: guarda-redes
Idade: 27 anos
Clube:Interclube

Celsos Barros
Posição: central
Idade: 31 anos
Clube: Libolo

Chiló
Posição: Médio
Idade: 27 anos
Clube: Interclube

Moco
Posição: Avançado
Idade: 28 anos
Clube: Interclube

Jota B