Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Alexandre Grasseli apresentado no Petro

Jorge Neto - 14 de Dezembro, 2013

O substituto do tcnico portugus Jos Dinis que traz consigo um preparador fsico apresentado pela direco do Petro de Luanda em cenrio j montado

Fotografia: Jornal dos Desportos

O brasileiro Alexandre Grasseli é apresentado hoje, às 11h00, no Complexo Desportivo Demósthenes de Almeida, Catetão, pela direcção do Petro de Luanda, como o novo técnico da formação tricolor para as próximas duas temporadas.

A cerimónia de apresentação tem lugar na sala de reuniões daquele complexo com a presença da comunicação social nacional e estrangeira. O substituto do técnico português José Dinis traz consigo um preparador físico, único elemento novo que vai trabalhar neste projecto, já que os adjuntos se mantêm, nomeadamente Bodunha e Paulão.

Beto Garcia foi o preparador físico da equipa tricolor nos últimos dois anos e com a entrada deste novo elemento da confiança de Alexandre Grasseli, fica por explicar qual o seu destino.

À semelhança do que já aconteceu com outros técnicos que fizeram parte do plantel sénior do Petro de Luanda em anos anteriores, Beto Garcia pode regressar aos escalões de formação do clube.

O novo técnico tricolor traz a missão de recuperar a mística do clube que ganhou o Campeonato Nacional da Primeira Divisão, Girabola, pela última vez, em 2009 e desde então tem-se ficado pela conquista da Taça de Angola. É a primeira experiência de Alexandre Grasseli no continente africano. O brasileiro tem a responsabilidade de manter a grandeza do Petro de Luanda, tanto em Angola como em África.


DEFINITIVO
Joel Santana
foi só rumor


A confirmação de Alexandre Grasseli para a equipa técnica do Petro de Luanda confirma as declarações do vice-presidente para o futebol tricolor, Abreu Neto, quando negou os rumores de que o novo timoneiro era Joel Santana. O homem forte do futebol petrolífero tinha deixado apenas uma garantia, a nacionalidade do substituto de José Dinis era brasileira.

Os tricolores rejeitaram as informações postas a circular de que era o antigo seleccionador da África do Sul a ocupar o cargo, e deixaram claro que era um falante da língua portuguesa, mas nunca citaram o nome.

“O treinador vem do Brasil, mas vocês vão ter a paciência de esperar mais um pouco. Joel Santana nada tem a ver com o Petro Atlético”, disse na altura Abreu Neto.

Antes de se tornar técnico principal de vários clubes do Brasil, Alexandre Gallo foi técnico auxiliar de Carlos Alberto Parreira no Corinthians em 2002, e de Vanderlei Luxemburgo no Santos em 2004, com o qual se sagrou campeão brasileiro.JN


MAIS UM ANO
Médio Matias renova com aviadores


O médio trinco Matias disse ontem ao Jornal dos Desportos  que renovou o seu contrato com o Atlético Sport Aviação (ASA) por mais uma época.
Aos 35 anos de idade o atleta tem oportunidade de dar continuidade à carreira futebolística no seu clube de eleição. Com a possível saída de Tony Osódio, o antigo capitão torna-se no atleta mais antigo do plantel, onde pretende terminar a sua carreira,  disse ao JD.

“Estou há muito tempo no ASA e nesta fase crucial da minha carreira não gostava de deixar mais o clube” salientou o médio trinco que no campeonato passado teve uma participação activa na permanência da equipa dos aviadores na alta ronda do futebol nacional.

 Referindo-se aos objectivos para a próxima época, Tony Osódio só pensa em ajudar a equipa a recuperar a mística no futebol nacional, perdida na época passada, onde teve de lutar até à última jornada para garantir a permanência no Girabola. “Na época passada a equipa teve de lutar até à última jornada, nesta época vamos procurar recuperar o bom-nome do clube”, disse o jogador. “Sei que vai ser difícil pois a equipa tem muito bons jogadores, a concorrência é dura, mas estou pronto para lutar e conseguir o lugar onde ficam os bons jogadores”, concluiu Tony Osódio.

NO GIRABOLA
Atleta reconhece péssima
prestação no campeonato


O médio trinco Matias, disse que o comportamento do ASA no passado Girabola “foi péssimo”. Foi um campeonato sofrido a nível pessoal e colectivo, acrescentou Matias. “Não consegui atingir os níveis desejados. Ficámos em décimo terceiro lugar e foi muito difícil para um clube com a dimensão do ASA”, sublinhou.

 Pelo facto de a equipa ter evitado “in extremis” baixar de divisão, o médio reconhece que o lugar alcançado é fruto da luta e entrega de um plantel de grande qualidade e muito equilibrado em todos os sectores.

“Os jogadores foram muito responsáveis ao longo da época, a união e espírito de sacrifício foram característica do grupo desde o primeiro dia, sem esquecer uma equipa técnica muito rigorosa”, frisou, acrescentando uma promessa: “Aos adeptos, o que posso prometer é que tudo vamos fazer para uma boa época. Os adeptos podem esperar bom futebol. Espero que continuem a apoiar o clube e a serem a força para vencermos os jogos.”

Aos treinadores, colegas e directores o médio agradeceu por lhe proporcionarem mais um ano no clube. “Sabem bem que respiro o clube e é uma grande honra representá-lo”, concluiu Matias.
VK