Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

APF da Lunda lamenta falta de mais clubes

Augusto Panzo - 25 de Dezembro, 2017

Fotografia: Paulo Mulaza

O presidente da Associação Provincial de Futebol da Lunda Norte (APFLN), Lourenço Muvuma “Ti Loló”, lamentou, ao Jornal dos Desportos, a falta de clubes e campos para a massificação da modalidade. Afirmou que a modalidade naquela região está em crise.
O dirigente criticou, por outro lado, a falta de sensibilidade dos empresários e chegou mesmo a dizer que estes não existem. “As coisas não têm estado a correr muito bem para alavancarmos o futebol na província da Lunda Norte”, admitiu.
Lembrou que em tempos idos houve um número considerável de clubes, mas a falta de incentivos, sobretudo na componente financeira, levou a região à decadência no que tange à formação de equipas.
“De facto, já chegámos a ter na província muitos clubes mas a falta de incentivos, sobretudo na vertente financeira, aliado a outros problemas faz com que todos aqueles carolas entusiastas que tínhamos, tenham caído na monotonia que se vive actualmente na região”, revelou.
Lourenço Muvuma “Ti Loló”, reconheceu que o problema do futebol na Lunda Norte não se prende apenas na modalidade em si, mas também na falta de infra-estruturas desportivas.
“O problema não se prende apenas com a inexistência dos clubes na província, por isso, temos que analisar com alguma profundidade, porque tem a ver também com a necessidade de criarmos infra-estruturas desportivas na nossa província”, confessou.
Infelizmente a Lunda Norte é daquelas que, em termos de infra-estruturas está muito mal servida. “Daí que, como podemos calcular, tudo isso faz parte daquilo que é o incentivo”, alegou o dirigente desportivo.
Referiu que, a não existência dessa componente afasta de algum modo, a apetência das pessoas à prática do futebol. “A não existência de infra-estruturas desportivas afasta também de algum modo aquela apetência que as pessoas têm na prática desportiva. Então, temos estado a apelar no sentido de tudo se fazer para que essas infra-estruturas desportivas apareçam”, afirmou.
O número um da APF da Lunda Norte garante ter a certeza de que com a existência de infra-estruturas desportivas pode incentivar a juventude a aderir à actividade desportiva no geral e em particular o futebol.
“Tenho a certeza de que, com a existência dessas infra-estruturas, isso pode mobilizar todos aqueles que pretendam criar alguns clubes na Lunda Norte. Nós na Lunda Norte já tivemos muitos campos de futebol, mas infelizmente acabaram por desaparecer”, lamentou.
A falta de uma classe empresarial forte também foi apontada como uma das razões que contribui grandemente para a actual situação que a modalidade vive na província.    
“Nós na Lunda Norte não temos um empresariado capaz de assumir a actividade desportiva, e que possa de facto atingir níveis que um dia já assumimos no passado. Temos estado a apelar para a necessidade de haver esse envolvimento, mas até ao momento este tem sido monótono e insuficiente para alavancar a actividade desportiva”, esclareceu.


CAMPEONATO PROVINCIAL
As condições não permitem


Lourenço Muvuma “Ti Loló”, assegurou não existirem condições para a realização de um campeonato provincial, em função da falta de clubes, campos e incentivos financeiros.
“Por falta de infra-estruturas, clubes, incentivos financeiros, bem como a desmoralização dos carolas mais fortes e entusiastas que tínhamos, não conseguimos realizar um campeonato provincial, como ocorria no passado. Pelo menos este ano que se apresta a encerrar nós não tivemos um campeonato provincial”, justificou.
Lembrou que tal actividade deve ser realizada num campo de futebol, pelo que a falta dessa infra-estrutura não permite a efectivação do referido campeonato provincial.
“Sabe que o campeonato provincial deve ser realizado num campo de futebol. Como nós não temos essas condições, não temos clubes para participar na referida prova, não temos como fazer. Limitamo-nos a ver o tempo a passar e o pensamento a diluir-se dentro de nós”, acrescentou.
Lourenço Muvuma que esteve em Luanda para participar na Assembleia Geral Ordinária da FAF, realizada a 18 de Dezembro corrente, confessou estar satisfeito com o encontro, na medida em que foram discutidos e aprovados vários elementos que estiveram em discussão.
“As realizações dessa natureza têm sempre algum objectivo, que tem a ver com a melhoria do nosso envolvimento na vida futebolística. Foram trazidos muitos pontos, todos eles pertinentes e actuais. Tudo aconteceu no sentido de corrigirmos algumas situações que, enfim, já não se coadunam com o momento actual. Então foram discussões calorosas, que no fim acabaram por produzir os efeitos que desejamos na vida do futebol”, elucidou Lourenço Muvuma.