Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Associao contesta punio de tcnicos

Paulo caculo - 07 de Abril, 2018

Fotografia: Dombele Bernardo |Edies Novembro

A Associação de Treinadores de Futebol de Angola (ATEFA) repudiou veementemente em comunicado distribuído aos órgãos de comunicação social, a punição imposta pela FAF aos seus membros, nomeadamente, os técnicos José Agostinho Tramagal e Simão Paulo.
Achamos, que a pena é deveras exagerada e desajustada aos factos ocorridos realmente, ademais porque a referida penalização não concedeu aos réus qualquer hipótese de defesa, como recomendaria a democracia e a justiça, parecendo mais uma afronta a classe que até tem sido parceira na expansão e no desenvolvimento do futebol, criticaram.
O documento aponta a posição do órgão reitor do futebol nacional uma gratuita ostentação de poder exacerbado, que atropela os princípios do direito, por impedir o exercício da actividade e privar um profissional do seu ganha pão para a família, lê-se no comunicado, em que a ATEFA condena igualmente a suspensão do treinador do 1º de Agosto, Zoran Maki.
Temos a informação de que os referidos associados interpuseram recurso, como lhes é permitido pela Lei, por que parece evidente que o regulamento de disciplina está descontextualizado e totalmente desalinhado da realidade futebolística actual e que o Regulamento do Girabola aprovado pela Assembleia Geral da FAF de 2013 foi desprezado, ou não levado em consideração, acrescenta a Associação de treinadores na mesma nota.
AATEFA sublinha, no entanto, que continua a aguardar com confiança, na expectativa de que o Conselho Jurisdicional atenda às alegações da defesa e reavalie os factos e reconsidere a decisão, que do nosso ponto de vista é inadequada, pois, decerto deve ter em conta a sensatez ou a prudência que normalmente as circunstâncias exigem.
Os nossos agradecimentos a todos os agentes que contestaram essa decisão, aos clubes aos quais os associados estão em serviço, renovar nossa incondicional solidariedade com os associados em questão, a garantia de que o nosso departamento jurídico acompanha o decurso dos processos e a confiança que desta vez haja uma decisão mais holística, para que se preservem as relações e se renove a confiança entre os gentes , com o mesmo propósito e para os objectivos para os quais ambos estão vocacionados e publicamente comprometidos\", finaliza o comunicado da ATEFA.