Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Atitude e ousadia do triunfo ao Desportivo

Benigno Narciso, no Lubango - 26 de Novembro, 2018

Formao huilana alcana primeira vitria na presente edio do campeonato nacional

Fotografia: Dombele Bernardo / Edies Novembro

Com uma exibição de encher os olhos, sustentada pela força de vontade e crença de um grupo de trabalho bastante unido e determinado, o Desportivo da Huíla derrotou o Kabuscorp do Palanca, por 2-1, no estádio do Ferroviário, no Lubango, em desafio válido para a terceira jornada do Girabola Zap 2018/2019.
Transfigurada e inspirada, mas sempre ciente da superioridade do adversário a equipa afecta à Região Militar Sul fez da defesa e a marcação dos dois golos a chave do triunfo. Contudo, a intenção ofensiva dos comandados de Mário Soares manteve-se sempre na manga como o passo seguinte.
O reconhecimento do potencial do potencial do adversário permitiu fixar uma base sólida no capítulo defensivo. A estratégia possibilitou à equipa huilana partir para incursões ofensivas com segurança, profundidade e consequentemente em condições favoráveis.
Contudo, a “oferta” do guarda-redes JB, do Kabuscorp que abriu caminho para o triunfo da formação caseira, serviu apenas de recompensa da ambição e foco manifestado pelo Desportivo. Estavam decorridos 25´ quando na tentativa fracassada de controlar a bola, após cruzamento nas alturas e no terceiro poste, agarrou e largou o esférico. Na sobra Bruno no caminho do golo limitou-se a atirar para o fundo da baliza.
O ditado popular segundo o qual \"é no aproveitar que está o ganho\", justificava a vantagem militar. Motivada e embalada para o triunfo, a equipa guilana revelou-se sempre ambicioso. Não tirou o pé do acelerador e disputava o jogo de igual para igual diante de um candidato ao título que se revelou incapaz de justificar favoritismo.
No reatamento, Paulo Torres lançou Bala Kai e Dilman para os lugares dos “consagrados” Lami e Amaro “abafados” pela fúria da linha intermédia e solidez defensiva contrária que não dava espaço para manobra.
Sem efeito imediato, essas alterações tardaram a surtir resultado para desespero do técnico. Na base disso, estava a postura “surpreendente” e inspirada da armada de Mário Soares que mandava no jogo. E foi sem surpresa que aos 69´, o avançado Leonel amplia a vantagem para 2-0.
Rendidos, mas com instituto natural e da obrigatoriedade de não baixar os braços, o Kabuscorp reduziu aos 81´ por intermédio de Ebonga. A vantagem da equipa visitada poderia ter sido mais expressiva em função de falhanços protagonizados em lances de golo eminente.
O árbitro Benjamim Andrade teve uma actuação aceitável e por isso sem influência no resultado final.