Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Aviadores facturam Supertaa

Augusto Panzo - 07 de Março, 2011

Bokungo, avanado aviador arrasou polcias, com o golo de misericrdia

Fotografia: Jornal dos Desportos

O Atlético Sport Aviação (ASA) conquistou ontem, no Estádio da Cidadela, mais uma Supertaça, ao derrotar o Interclube por 1-0, no jogo da segunda-mão e com essa vitória, a equipa presidida por Zeca Venâncio conseguiu assegurar a hegemonia que leva sobre o seu adversário neste género de prova. As expectativas sobre o vencedor da Supertaça 2011 foram resolvidas por Bokungu aos 67´ da partida, altura em que o atacante aviador apontou o único golo da partida referente à segunda-mão.

Até ao momento em que foi apontado o golo, o favoritismo estava repartido para as duas equipas, pois, no desafio da primeira-mão, disputada na passada quarta-feira, registou-se uma igualdade sem golos. Ao contrário do que sucedeu no jogo anterior, a equipa do Interclube entrou mais decidida, levando constantes perigos à baliza de Nuno, mas que não tiveram a finalização desejada pelo conjunto da Polícia Nacional.

 O primeiro lance de perigo aconteceu quando o atacante Pedro Henrique apareceu isolado na grande área e rematou, mas com a bola a ser amortecida com o toque no corpo do guarda-redes Nuno do ASA, momento em que depois surgiu um dos centrais do clube aviador a atrasá-la ao seu guarda-redes.

Golo de Bokungu
fez levantar o ASA


Os aviadores comandados no banco por José Diniz revelaram ter coesão em campo em todos sectores,No jogo de ontem os aviadores mostrarem que passaram uma borracha sobre a fraca e improdutiva exibição de quarta-feira. Apresentaram-se desinibidos, jogaram taco a taco com os campeões, e levaram a água ao seu moinho. Isto é, venceram por um a zero o jogo, com golo de Bokungo, na segunda mão da Supertaça.

Merecidamente, o troféu foi para a sua galeria, desta feita, pela sexta vez. Esse feito não seria possível se os aviadores individual e colectivamente não desbobinassem o fio de jogo que, passe a redundância, todos ontem vimos com nossos olhos no relvado da Cidadela. A equipa do ASA, comandada no banco por José Diniz revelou ter coesão em campo em todos sectores, sendo sinal de que as falhas que aconteceram na Taça da Confederação estão a ser superadas.

Gostamos, particularmente, de ver a forma como o ponta-de-lança Quinzinho pôs a sua experiência em campo. Jogou e fazer jogar os seus colegas. O investimento que a sua equipa fez, indo buscá-lo ao Recreativo da Caála valeu a pena. Em grande esteve, igualmente, o número 6 aviador, Manuel, sobretudo na jogada de contra-ataque em serviu Bokungo que resultou em golo.

Ele foi o actor e este o autor. Cumpriu bem o seu papel nas alas, sobretudo, quando chegava à linha do fundo para cruzar a bola para a cabeça de Quinzinho. Na mesma bitola estiveram Anastácio e o esquerdino Ângelo. Um reparo, flagrante, que se pode apontar, e desde já encomendar reparação, para Matias. Falhar como falou aos 82 minutos não se recomenda!

Isto serve também para Tony Osório. Não aproveitou bem os passes “mortais” que lhe foram servidos por Anastácio e Manuel, que para ele bombeavam as bolas nos momentos fulcrais.De resto, Nuno foi um senhor de respeito na baliza. Um senão: para próxima o técnico José Diniz deverá instruir o seguinte: Matias deve ser pouco viril nas acções ofensivas (e mesmo ofensivas, em contra-ataque) para evitar que receba mais cartões amarelos, como ontem já vimos.

                                      António Felix


Vencedores

 O Atlético Sport Aviação com a vitória de ontem arrebatou a sua sexta Supertaça. Na lista abaixo estão os vencedores da competição que iniciou em 1985 com a consagração do 1º de Maio de Benguela:
 
Ano                      Vencedores
1985              1º de Maio de Benguela
1986               Interclube
1987               Petro de Luanda
1988               Petro de Luanda
1989               Não se realizou
1990                     '' ''    ''
 1991              1º de Agosto
1992              1º de Agosto
1993              Petro de Luanda
1994              Petro de Luanda
1995              Independente do Tômbwa
1996              ASA
1997              1º de Agosto
1998              1º de Agosto
1999              1º de Agosto
2000              1º de Agosto
2001              Interclube
2002              Petro de Luanda
2003              ASA
2004              ASA
2005              ASA
2006              ASA
2007              1º de Agosto
2008              Interclube
2009              Santos FC
2010              1º de Agosto
2011              ASA

A formação do Interclube continuou a fustigar a zona defendida pelo ASA e os jogadores defendiam-se como podiam, com os centrais Silva e Debele a se destacarem-se mais uma vez, ao não possibilitarem a violação a sua zona mais recuada ao ataque “policial”.O ASA não esteve em campo como mero espectador. O seu grupo reagiu à medida das encomendas, embora os seus elementos fundamentais não tenham sobressaído neste jogo conforme o fizeram na passada quarta-feira.

Com as oportunidades divididas para ambos os lados, mas sem se concretizar nenhuma, as duas equipas chegaram ao intervalo com um empate a zero bolas. No reatamento, os dois técnicos fizeram as mexidas achadas necessárias. Foi feliz o treinador do ASA que, ao trocar Jajão por Bokungu aos 57´, viu a substituição rendida com um golo dez minutos depois, na sequência de um passe de Manuel, numa distracção dos defesas do Interclube. Estava assim feito o único golo da partida que serviu para o ASA ganhar mais um troféu para a sua galeria e, automaticamente, manter a hegemonia sobre o seu adversário nessa competição


Arbitragem isenta

O trio de arbitragem chefiado por Pedro dos Santos, que dirigiu a partida, contou com a coadjuvação de Júlio Lemos e Jerson Emiliano, não teve nenhuma influência no resultado final do jogo, tirando um ou outro erro, o que é normal para qualquer ser humano. Esteve quase em sintonia total, apesar de terem sido registados alguns desencontros da parte do primeiro assistente, que apresentou debilidades em certos lances, deixando dúvidas em algumas ocasiões.

Conselho de Árbitros
faz inovação

Na sequência do jogo da segunda-mão da Supertaça de 2011, o Conselho Central de Árbitros de Futebol da FAF (CCFAF) apresentou uma inovação, ao lançar um modelo de identificação da equipa de arbitragem para a imprensa. Trata-se de uma folha impressa em que vem mencionada o trio de arbitragem, o quarto árbitro, bem como o comissário ao jogo, o que facilita, deste modo, a tarefa aos homens da imprensa, que no passado tinham a empreitada de escrever isso num papel colocado algures na zona dos balneários. De acordo com Muanza Romano, que foi o comissário do jogo ontem, esta prática será já implementada neste Girabola de 2011, cujo arranque está previsto para a próxima sexta-feira, 11 de Março do corrente ano. 

Polícias sem galões de campeão

Tem razão quem antes do jogo defendeu que o campeão Interclube devia apresenta-se com ousadia, com galões de verdadeiro e respeitado campeão. Para mostrar que não foi em vão que realizou um estágio no Brasil em que, em 14 jogos marcou 20 golos, para no final sair da Cidadela, ontem (e tal como na passada quarta-feira) sem rubricar um golo sequer.

A equipa, colectivamente, não confirmou a afirmação de véspera do seu técnico Álvaro Magalhães, que o onze que tem apresenta muita eficiência ano ataque. A não ser que os jogadores não vissem, propositadamente, motivação alguma para abordarem, vitoriosamente, a Supertaça.

Tsherry, na baliza, foi muito visitado, muito acossado pelos dianteiros do ASA. Sofreu o golo de Bokungo, mas evitou muitos outros, e se culpa os seus colegas de defesa tem razão porque ontem não fizeram muralha ao ataque aviador. Muita água meteu Fabrício na primeira e segunda parte do jogo porque não se portou bem na guarnição às acções Quinzinho. Algumas vezes exagerou até no modo como o fazia.

Pedro Henriques, lá à frente, motivado pelo prémio que recebeu na semana anterior ao jogo da primeira-mão, devia fazer melhor em campo. Não vendeu bem a sua experiência em campo, desperdiçou muitos passes, perdeu algumas jogadas e muitas vezes, exagero à parte, chutou para o céu, quando a baliza estava à vista. Nem mesmo Moço que rendeu Pingo; Manucho, Edson e outros.

 São apenas três exemplos que não estão distantes da fraca prestação generalizada, se assim podemos dizer, do naipe de jogadores que o técnico Álvaro Magalhães ontem lançou em campo. Muita e atenção porque o próximo jogo, já a doer, para o Girabola é contra o grande 1º de Agosto!              


                                            António Félix




» Opiniões dos técnicos

José Dinis (ASA)

É bom começar época com um troféu”

“Estou feliz com a conquista desta taça, porque começar uma temporada com um novo troféu na galeria é sempre bom para qualquer um. Penso que este troféu vai nos galvanizar durante o Girabola, apesar de não ser o momento de fazermos aqui grandes promessas porque o ASA tem as suas ambições, mas também tem os seus problemas”.

Álvaro Magalhães
(Interclube)


“O ASA foi um justo vencedor”

“O ASA foi um justo vencedor, não merecendo por isso nenhuma contestação. Foi um jogo de muita intensidade, em que, praticamente, as duas equipas jogaram bem. O ASA marcou um golo numa oportunidade que surgiu de um erro defensivo dos meus jogadores, e na alta competição, esses erros pagam-se caro. Está de parabéns o ASA”

Ficha Técnica

Estádio: Cidadela
Árbitro: Pedro dos Santos
Assistentes: Júlio Lemos e Jerson Emiliano
Quarto árbitro: António Caxala
Comissário: Muanza Romano
ASA: 1
Bokungu (67´)
Interclube: 0
ASA: Nuno; Ângelo, Debele, Silva e Anastácio; Matias, Tony Osódio, Jajão e Manuel; Chiquinho e Quinzinho.
Substitições: Bokungu (57´), Amarildo (58´) e Papy (86´) renderam Jajão, Quinzinho e Tony Osódio, respectivamente.
Acção disciplinar: Cartões amarelos a Debele (11´) e Matias (85´).
Treinador: José Dinis.
Interclube: Tsherry; Fissi, Fabrício, Joel e Edson; Alex, Nari, Pingo e Pathy; Pedro Henrique e Manucho Barros.
Substituições: Zé Augusto (49´), Moco (71´) e Minguito (78´) renderam Edson, Pingo e Manucho Barros, respectivamente.
Acção disciplinar: Cartões amarelos a Edson (18´), Fabrício (27´) e Joel (91´).
Técnico: Álvaro Magalhães.
Resultado ao intervalo: 0-0.
Resultado final: 1-0.