Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Capessa pendura as botas

Benigno Narciso- Lubango - 26 de Dezembro, 2014

Capessa pendura as botas

Fotografia: Jornal dos Desportos

Ao longo de uma carreira de quase duas décadas, o “mestre” como é tratado pelos colegas de profissão e adeptos, representou quatros clubes angolanos: Independente do Tômbwa, Kabuscorp do Palanca, Académica do Soyo e Benfica do Lubango.

No ano da sua chegada a Angola, em 1998, foi uma das aquisições mais sonantes do Independente do Tômbwa, na altura orientado pelo técnico Rui Teixeira, época em que a equipa namibense  desceu de divisão.

Por força do contrato e dos valores da cláusula de rescisão que o ligavam ao Independente do Tômbwa, Capessa viu-se impedido de assinar por um dos principais clubes do país, tendo representado a equipa do município pesqueiro na Segunda Divisão, na época de 2000. As qualidades e habilidades do atleta, aliada à técnica, despertaram a cobiça da Académica do Soyo que na corrida superou a concorrência de outros clubes, pelo que o armador de jogadas actuou no Girabola de 2006 ao serviço da equipa do Kwanda do Soyo, na altura treinada por João Pintar.

A ascensão na carreira colocou o atleta na rota do Kabuscorp do Palanca, equipa que representou no Girabola e Segunda Divisão em 2007 e 2008. Contudo, nesta última época (2008), defendeu a formação vice-campeã nacional apenas na primeira volta do Girabola, tendo- se transferido para o Benfica do Lubango que competia igualmente na fina-flor do futebol nacional.

Capessa conta que foi no Benfica onde encontrou a estabilidade e tranquilidade na sua carreira e afirmação como homem.

“Tudo o que tenho e sou hoje devo ao Benfica do Lubango. Aqui encontrei a estabilidade e tranquilidade como profissional e homem”, relata comovido o antigo médio da águia huilana.


CONFICÇÃO
“Saio orgulhoso”


A permanência de Capessa na formação do Benfica do Lubango, clube que representou durante seis épocas, sendo três no Girabola e igual número na Segundona, resulta do “casamento perfeito”, da paixão que nasceu pela águia e da estabilidade que encontrou no grémio huílano.

A defesa da camisola do Benfica do Lubango foi a mais longa ligação profissional do médio ofensivo Capessa.

O amor ao clube encarnado marca para sempre a carreira de Capessa, que na hora da retirada dos relvados deixa muitas saudades aos adeptos e ao clube que considera especial. Tão especial que se comoveu no momento que fez o anúncio do fim da sua carreira.

Aos 38 anos, Capessa despede-se dos relvados que sempre quis - no Benfica do Lubango - onde viveu os melhores momentos da sua carreira, com a camisola encarnada que sempre honrou.

O antigo jogador assegura que  sente-se orgulhoso por ter representado o Benfica do Lubango durante seis anos e vai guardar para sempre as memórias daquela que considera uma “brilhante carreira”.

“Saio de cabeça erguida, orgulhoso pela carreira e com o dever e sentimento de uma carreira bem cumprida e que fica gravada na minha memória”, disse.
BN


EX-FUTEBOLISTA DA ÁGUIA
“Ser treinador é nova aposta”


O fim da carreira do médio ofensivo Ngoli Iloko “Capessa” não coloca o ex-atleta fora da modalidade-rainha. O antigo médio vai desempenhar futuramente as funções de treinador.

A aposta, segundo relatou, é um desejo antigo, já que entende que por essa via pode continuar a servir o futebol, que considera a sua maior paixão, para  transmitir o saber, experiência e conhecimentos aos jovens e futuros atletas.

“Treinador de futebol. A minha aposta é essa. Aprendi coisas boas com o futebol. Acumulei uma experiência de anos. Por isso, espero no futuro transmitir tudo isso aos jovens. Sempre sonhei e tenho esse desafio no horizonte”, confessou.

A sua iniciação como treinador de futebol merece o apoio e aprovação dos adeptos e da própria direcção do Benfica do Lubango, onde Capessa espera dar os primeiros passos com a inserção num dos escalões de formação do grémio encarnado.

“Seria maravilhoso para mim e uma forma de continuar ao serviço do Benfica se tudo se concretizar. Espero continuar aqui (clube encarnado) agora como técnico”, disse o antigo médio ofensivo.

A formação para a especialização na área de treino desportivo, com a frequência de um curso, consta das prioridades de Capessa. Para o efeito, o antigo médio ofensivo vai frequentar nos próximos meses, na República Democrática do Congo, um curso para treinadores.

“Tenho marcado a frequência de um curso de nível básico para treinadores de futebol. Nos próximos meses  desloco-me  à República Democrática do Congo para frequentar a acção de formação”, apontou.

Capessa jogou pelo Benfica do Lubango durante seis épocas - três na primeira Divisão e igual número na Segunda Divisão - e está determinado em fazer parte do quadro técnico da agremiação presidida por Sérgio Cunha Velho.
BN