Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Conquista do bronze consola Palanquinhas

Pedro Augusto - 13 de Dezembro, 2020

Pupilos de Kito Ribeiro procuram hoje uma vitria diante da Zmbia para lavar a honra

Com golos de Benvindo e Zine Salvador, aos 21 e 37 minutos, a Selecção Nacional Sub-20 de futebol garantiu, ontem, no Estádio Nelson Mandela Bay, em Port Elizabeth, o terceiro lugar do torneio do Conselho das Associações de Futebol da África Austral (COSAFA), mercê da vitória sobre a congénere da Zâmbia, por duas bolas a uma.
Apesar do triunfo sobre os zambianos, conseguido na primeira parte do desafio, Angola falhou o principal objectivo na competição: a conquista do torneio e consequente qualificação ao Campeonato Africano das Nações (CAN), que se disputa no próximo ano, na Mauritânia.
Contrariamente ao desafio das meias-finais, em que perdeu por 1-0, diante da selecção da Namíbia, o combinado angolano teve uma excelente postura, principalmente na primeira parte, não obstante o maior poderio competitivo do adversário, comparando aos namibianos, que não entravam nas contas para o duelo da final e apuramento ao CAN 2021.
A vencer por duas bolas a zero no primeiro tempo, com golos de Benvindo e Zine Salvador, os Palanquinhas, embora tenham sofrido um tento de penálti, aos 57´, marcado por Mumba, tiveram capacidade para contornar os Chipolopolozinhos. Ou seja, os zambianos chegaram a ser dominadores na maior parte do segundo tempo. Porém, isso não foi suficiente para \"bater\" os angolanos.
O regresso ao \"onze\" inicial do central Aldair e do lateral esquerdo Gegé, au-sentes do jogo das meias-finais ante os namibianos, por acumulação de cartões amarelos, trouxe outra vitalidade à forma de jogar da selecção angolana, principalmente na defesa, o que se justifica pela forma como conseguiu travar o forte ataque zambiano.
O facto de o seleccionador Kito Ribeiro ter deixado Maestro e Gladilson no \"banco\" de suplentes, duas unida-des importantes nos duelos anteriores, chegou a não ser sentida na maneira de jogar dos Palanquinhas. Aliás, o estratega Maestro acabou por ir ao jogo somente aos 61 minutos.
O médio Benvindo, autor do primeiro golo de Angola, foi considerado \"homem do jogo\" pela comissão técnica da competição.
 
Fracasso         
A participação angolana na edição de 2020 da Taça Cosafa, que encerrou, ontem, na África do Sul, com a consagração da selecção de Moçambique, após vitória sobre a Namíbia, por 1-0, acabou por ser um fracasso.
A Selecção Nacional, cujo objectivo principal era a conquista do troféu e a qualificação ao próximo Campeo-
nato Africano das Nações, CAN, com sede na Mauritânia, em 2021, teve um desempenho mediano. Em quatro jogos, venceu dois e perdeu igual número.  
A derrota no jogo inaugural, diante do e-Swatini, por 1-0, quase afastou Angola na primeira fase do torneio. Porém, a Selecção Nacional que goleou o Botswana na segunda ronda, por 4-0, teve a ajuda dos próprios tswaneses para garantir a qualificação às meias-finais, pelo facto de terem derrotado o e-Swatini (1-0) no duelo da última jornada.
Com vantagem no \"goal average\" (+3) sobre o e-Swatini (nulo) e Botswana (-3), a Selecção Nacional terminou na primeira posição do grupo C e defrontou a Namíbia nas meias-finais, com quem perdeu por 1-0, assim como falhou o apuramento ao CAN da Mauritânia.  
Mesmo tendo à disposição um grupo em que prontificam jovens talentos que brilharam no último CAN e Mundial Sub-17, disputados em 2018 e 2019, na Tanzânia e no Brasil, casos de Gegé, Porfírio, Geovani (guarda-redes), Mimo, Domingos, Maestro, Afonso e Zine Salvador, acabou por ser pouco proveitoso para o seleccionador Kito Ribeiro.
Os Palanquinhas terminaram a prova com seis golos marcados e três sofridos (+3). Zine Salvador, com três tentos, foi o melhor marcador de Angola. Gladilson (2) e Benvindo (1) foram os outros marcadores de serviço.