Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Cuanza Norte abandona prova

Paulo Caculo - 02 de Agosto, 2018

O dirigente, que tambm apresentou a sua demisso,

Fotografia: Edies Novembro

O presidente do Clube Desportivo União do Cuanza Norte, Floriano Quipossoa, anunciou ontem a desistência da sua equipa do campeonato nacional da segunda divisão. O dirigente, que também apresentou a sua demissão, apontou as dificuldades financeiras e escassez de condições, como as razões da sua decisão.
Em declarações ao nosso jornal, o também fundador da referida agremiação, revelou que, neste momento, debatem-se com inúmeras dificuldades. Sublinhou que precisavam de fazer grandes esforços, para cumprirem com uma sessão de treinos.
Destacou que, em véspera dos jogos, a situação tornava-se ainda muito mais complicada, já que vezes há em que nem transporte para apoiar os jogadores existiam. \"A grande tristeza é que o clube não tem equipamento para os jogos oficiais. O único equipamento de treino tem servido para vestir a equipa, durante a fase de concentração, viagens, estágio e até os jogos oficiais\", lamentou.
Queixou-se mais adiante que \"a equipa não é bem recebida em Ndalatando e nunca fez uma refeição em condições naquela cidade, por isso, a equipa só vai a Ndalatando quando tem jogos oficiais, porque os dirigentes, jogadores e equipa-técnica residem em Luanda\", esclareceu o então presidente do Clube União Desportivo.
Face as várias dificuldades que enfrentaram no apuramento ao Girabola Zap 2019, Floriano Quipossoa considera os jogadores de \"heróis e guerreiros\", por resistirem à \"fome\" e à \"pobreza\", não desistirem de treinar e apresentarem-se aos jogos, com a mesma disposição de sempre.
\"É bem verdade que estão a sabotar e a boicotar o projecto, razão pela qual decidi demitir-me. Existe muita gente no nosso país a fazerem mal ao desporto. Estas pessoas precisam de ser banidas do desporto angolano, porque apenas prejudicam\", desabafou.
\"Devo dizer que lamento profundamente a forma como fomos tratados, desvalorizados e desrespeitados, quando se trata de um clube que representava as cores e o nome da província do Cuanza Norte\", acrescentou.