Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Desportivo desiste por falta de dinheiro

Gaudncio Hamelay-Lubango - 06 de Junho, 2019

Equipa sensao do campeonato tem dificuldades financeiras em participar na prova africana

Fotografia: Agostinho Narcso | Edies Novembro

O director geral do Desportivo da Huíla, Carlos Manuel, anunciou na segunda-feira, no Lubango, que o clube precisa de 30 milhões de Kwanzas, para participar nas Afrotaças, que não está ao alcance da agremiação.
"Não é um orçamento tão leve. Depois da terceira eliminatória, se nós passarmos à fase de grupos, a Confederação Africana de Futebol (CAF) bonifica a equipa com duzentos e sessenta e cinco mil dólares. Entretanto, em três eliminatórias nós gastamos trezentos mil dólares. Quer dizer, ainda não há compensação ", explicou. Carlos Manuel informou, que o semi-finalista das Afrotaças recebe duzentos e cinquenta e cinco mil dólares, somando aos duzentos e sessenta e cinco, o clube ficava com cerca de quinhentos e dez mil dólares.
 "Isto, não irá compensar os valores gastos na trajectória. Se conseguir cem mil dólares agora,  já é difícil,  e trezentos mil dólares? Há de aparecer, ou vamos fazer uma participação e perdemos de propósito, para não seguirmos? Acho, que aí, a imagem seria um bocadinho pior do que aquela que nós estamos a apresentar agora, dizer que não há condições para o fazer ", interrogou.O director asseverou, que o clube até podia conseguir uma engenharia financeira para participar, mas anunciou que os valores não são pequenos. Porém, são muito altos e a agremiação só terá algum activo depois da terceira eliminatória.
 "O que significa, que nós teríamos gastos em três eliminatórias das Afrotaças, para o clube modesto como o nosso, era um desafio muito grande para o momento que o país está a atravessar. Entretanto, essa parte competia aos nossos patrocinadores a quem  colocamos a questão, e eventualmente, até conseguissem um arranjo financeiro para a primeira eliminatória, depois ver-se-ia a sequência. Entretanto, como disse, o outro problema tem a ver com os campos\\\", explicou.
 Carlos Manuel salientou, que para quem acompanha o Estádio do Ferroviário da Huíla, vê que se está na luta para recuperar a relva e adiantou, que ainda assim, há outras questões que a inspecção da Confederação Africana de Futebol (CAF) com certeza que não ia aprovar o Estádio do Ferroviário da Huíla,  para a realização das competições africanas.
“Faltaria o Estádio Nacional da Tundavala. Há promessa de  ver aquela infra-estrutura que foi construída de raiz, no âmbito do Can-2010, por parte do governo. Contudo, acreditamos que no próximo ano teremos o Estádio Nacional da Tundavala em condições. Então, nesta altura, nós iremos participar”, perspectivou.
 A fraca capacidade financeira para assumir as despesas dessas empreitadas (Girabola Zap 2019-2020 e Afrotaças), de uma só vez, associadas à falta de condições das infra-estruturas desportivas na província, especialmente, a relva totalmente danificada no Estádio Nacional da Tundavala, foram das razões apontadas pela direcção dos militares da Região Sul, a desistir das Afrotaças.
 Carlos Manuel esclareceu, que depois de um balancete feito pela direcção e contactados os potenciais patrocinadores, que são os elementos que definem a participação da equipa nas Afrotaças, bem como analisado o momento financeiro da agremiação e as condições desportivas da província, mais concretamente os Estádios, a direcção do clube chegou à conclusão de não poder competir na fase de qualificação para a Taça da Confederação, também denominada "Nelson Mandela".
 "Não vamos participar nas Afrotaças, primeiro pelo factor financeiro, pois, as despesas são muito altas e eventualmente, teria um peso no próximo campeonato do Clube Desportivo da Huíla. Ainda assim, com  boa vontade dos nossos patrocinadores, encontramos outro problema. Havendo os valores necessários para participação, o clube ver-se-ia obrigado a jogar fora da província ", disse.
"Não satisfaríamos os nossos adeptos. Não apresentaríamos a carta postal da nossa província. Logo, ficou o compromisso junto dos patrocinadores do clube, preparar-se muito bem nesta pré- época, participar no próximo campeonato da mesma forma ou melhor que neste, e assim preparando-se para participar nas Afrotaças no próximo ano e não neste ", anunciou.
  Para o Desportivo da Huíla representar Angola nas Afrotaças, sublinhou Carlos Manuel, aflorou-se de entre outros assuntos, uma eliminatória da Taça da Confederação Africana de Futebol, ou seja, um jogo em casa e outro fora, os custos de despesa rondam em cem mil dólares.

ESTÁDIO
Relva da Tundavala pode ser recuperada


O estado em que se encontra a relva do Estádio da Tundavala está a preocupar a direcção do Desportivo da Huíla.  O director  do clube afirmou que  existe promessa por parte das entidades de direito, de fazer os trabalhos naquela imponente infra-estrutura desportiva, que foi construída de raiz no âmbito do CAN-2010.
Revelou, que o início das Afrotaças é em Agosto, e por essa razão, não acredita que o Estádio Nacional da Tundavala esteja em condições de albergar jogos internacionais. "Por isso, vamos esperar no decorrer do próximo Girabola Zap, tenhamos aquela infra-estrutura em condições de receber jogos oficias, com a recuperação total da relva ", defendeu.
 O director revelou, que as dificuldades financeiras, a direcção do Clube Desportivo da Huíla já as encontrou, desde o início do campeonato. "Portanto, fizemos o campeonato e fomos até aonde chegámos,  deixaram-nos ir,  porque o clube fez por isso ", enfatizou.
"Estamos todos de parabéns, neste sentido. E, não tenho de fugir a isso. Entretanto, acreditávamos que eventualmente surjam patrocínios, ao ponto de nós participarmos nas Afrotaças. Quando fomos fazer o orçamento, com base nas equipas que têm ido, verificamos que os valores necessários para participar nestas provas, vimos que não seria muito bom para o próprio Desportivo se o fizesse, e nem que fosse uma única eliminatória, e havia de nos fazer falta esse valor no campeonato como disse ", fundamentou.
 De acordo com Carlos Manuel, o que se avizinha não acredita que seja o melhor, do que se passou. Justificou que com a desistência das Afrotaças, a direcção do clube só está a querer ser real, ter os pés assentes no chão, para saber marcar os próximos passos no Girabola que se segue.
               
SÓCIO E ADEPTOS
Director do clube apela à compreensão


Carlos Manuel, pediu aos adeptos e sócios à maior compreensão pela situação actual que o clube está a atravessar, no concernente à falta de recursos financeiros, o que impossibilita a participação nas provas africanas.
O dirigente dos militares da região Sul destacou, que a Afrotaças mais do que a vitória do jogo em si, tem outras vantagens, mormente, os que têm a ver com o comércio, hotéis e a imagem da própria cidade, de entre outros benefícios.
 "São vários  factores, que concorrem para nós, ao jogarmos a Afrotaças. Se nos deslocarmos, por exemplo, para a cidade de Benguela, se haja patrocinadores a ajudar o Clube Desportivo da Huíla nas Afrotaças, estaríamos a vender a imagem de Benguela e não de um clube da Huíla, o que seria um mal menor, no âmbito nacional na participação nas Afrotaças ".
O dirigente explicou, que para os adeptos, e aqueles que acompanharam durante o campeonato todo, não seria de bom-tom não felicitá-los. "Tenho de agradecer, sobremaneira, os nossos adeptos e aqueles que nos acompanharam durante o campeonato todo. Mas espero que compreendam a situação do Clube Desportivo da Huíla e da província, de uma forma geral ", disse.
"Vamos ter fé e acreditar que no próximo campeonato, o Desportivo há-de aparecer também e com certeza, teremos um lugar nas Afrotaças. Por isso, vamos ter de nos preparar para ver se na próxima, conseguiremos participar ", acrescentou.
O director sublinhou, que "aos nossos atletas, equipa técnica e aos seus familiares que almejam isso, terão de estar connosco, como disse, esta é a realidade. Temos de ser realistas, porque se sonharmos, tudo irá dar errado. O correcto é o que estamos a fazer ".
"Esperemos que as coisas melhorem e com certeza acreditamos em vós, pois, estarão connosco para a próxima época, a participar nas Afrotaças", apelou.
 O Desportivo da Huíla foi a sensação do Girabola Zap 2018-2019, ao ocupar, por mérito próprio, o terceiro lugar na classificação geral, com 51 pontos. Por isso, seria um prémio para os jogadores, treinadores e a direcção da equipa representar a Huíla, em particular e o país no geral,  nas Afrotaças conforme havia feito em 2014.