Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Desportivo ganha novo equipamento

Benigno Narciso, no Lubango - 17 de Dezembro, 2018

Representante huilano no Girabola Zap 2018/2019 tem novo equipamento desportivo

Fotografia: Aro Martins | Edies Novembro

O plantel principal de futebol do Clube Desportivo da Huíla (CDH), representante da província no Girabola Zap 2018/2019, recebeu no Lubango de lotes completos de material desportivo diversos, um gesto da empresa Omatapalo Engenharia & Construções.
A oferta está orçada em 60 mil Euros, é composta por um par de equipamento principal com 64 unidades, dois equipamentos alternativos completos para jogos oficiais e um para treinos, constituídos por botas, meias, bolas, camisolas, sapatilhas, coletes, vestuário de apoio, chinelos, quistos, camisolas térmicas, camisas de manga, fatos de treino, pólos, calções impermeáveis e chapéus.
O gesto enquadra-se no âmbito de um protocolo assinado entre a empresa e o clube, contemplou ainda a entrega ao Desportivo de material diverso, tais como, malas médicas, recipientes de líquidos, toalhas, luvas de guarda-redes, sacos, malas, trolley, galhardetes, braçadeiras, cachecóis, dentre outros da marca Maco.
A entrega do material desportivo foi feita pelo representante da Omatapalo Engenharia & Construções, Edmar Manuel, acto que contou com a presença do técnico Mário Soares e seus adjuntos, membros de direcção, representantes de clubes federados locais, jornalistas e convidados.Na ocasião, Carlos Manuel, director-geral do Clube Desportivo da Huíla, agradeceu a oferta e realçou que o gesto constitui uma lufada de ar fresco, chega no momento certo. Realçou que vai minorar a enorme carência com que há muito a equipa se debatia. Com o mesmo, acrescentou, o clube dispõe de material desportivo para as duas próximas épocas. 
Apelou à Omatapalo Engenharia & Construções a manter o gesto,  no campo a equipa vai procurar não defraudar, com a obtenção de melhores resultados. 
“É uma lufada de ar fresco, vem a calhar e temos de louvar. Pedir, que nunca mais nos abandone. Vamos tentar com os resultados não defraudar. Temos equipamento para, pelo menos, mais duas épocas. E, nessa fase em que há o acerto do calendário dos campeonatos africanos com o nosso, com certeza que nos aliviou. É de boa qualidade, por aquilo que os especialistas e atletas que experimentaram nos informaram. Estamos satisfeitos, estamos felizes e temos é de comemorar”, agradeceu.
Carlos Manuel acredita que o gesto representa um factor de motivação para os atletas, equipa técnica e para a direcção, na luta pela melhoria dos objectivos definidos. 
“Acreditamos que será uma das partes que deve motivar os nossos atletas, a direcção, enfim, toda a equipa que luta até aqui, e com certeza, que os resultados virão”, disse. O protocolo estabelece a passagem da imagem da empresa pelo clube a troco de material desportivo de dois em dois anos.

DG DO CD HUÍLA
Dirigente
defende apoio dos empresários 


Os clubes federados da província da Huíla podem sair da letargia e alcançar a alta competição, bem como patamares iguais aos do Desportivo da Huíla, no futebol nacional, caso surjam apoios de forma voluntária e incondicional por parte dos grupos empresariais locais.
A posição foi defendida no Lubango, pelo director-geral do Desportivo da Huíla, Carlos Manuel, no acto de recepção de diversos lotes de material desportivo, pelo  representante da província no Girabola Zap, uma oferta da empresa Omatapalo Engenharia & Construções.
De acordo com o dirigente desportivo, na província da Huíla existem clubes, como o Benfica do Lubango e o Ferroviário, com históricos e muita vontade. Contudo, frisou que as intenções não passam disso, por falta de apoios e gestos semelhantes ao efectuado pela Omatapalo Engenharia & Construções, que prontamente anuiu a prestar apoio ao Desportivo.
“Se tivermos mais empresas locais, a fazerem gestos do género, as nossas equipas hão-de aparecer. 
Está aí o Benfica, o Ferroviário da Huíla que pretendem atingir patamares iguais ao do Desportivo da Huíla, mas por falta desse tipo de apoio, não o conseguem fazer”, defendeu.
Com esperança e crença em tempos melhores para o futebol huilano, Carlos Manuel disse que “esperemos que surjam outras empresas, entidades, pessoas colectivas ou singulares, que surjam de forma regular, com gestos iguais, com certeza que estaremos muito melhor e a província com o futebol ganha”, apelo  BN