Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Deus nos acuda

Paulo Caculo - 18 de Novembro, 2019

A desvantagem aos 26 minutos deu incio a um perodo negro do conjunto nacional

Fotografia: Contreiras Pipa| Edies Novembro

A Selecção Nacional de honras complicou ontem as suas aspirações na corrida ao CAN dos Camarões, agendado para 2021, ao consentir nova derrota, desta feita diante do Gabão, em Franceville, por 2-1, em jogo referente à segunda jornada das eliminatórias.
Depois da inesperada derrota (1-3) averbada na recepção à Gâmbia, esperava-se que os Palancas Negras fossem potentes o suficiente para redimirem-se do deslize e regressar ao país com um resultado positivo, que acalentasse as esperanças na qualificação.
A verdade é que aqueles primeiros 15 minutos de Angola, em Franceville, até chegaram a transparecer a ideia de que teríamos Selecção. Mas, debalde! O golo de Aron, aos 26 minutos deu início a mais um período negro do conjunto nacional, cujas soluções, mais uma vez, não surgiram.
Quando se esperava que o golo sofrido fosse provocar aos angolanos uma reacção à altura das exigências, continuou a pertencer aos donos da casa o domínio territorial e avassalador da contenda.E como se não bastasse a displicência ofensiva, as fragilidades defensivas acabaram por ser a principal nódoa, que fez manchar uma exibição pouco conseguida e com muitos furos abaixo.
Quando, muito próximo do intervalo, o Gabão chegou ao segundo golo, estava percebido que as dificuldades de Angola dar a volta ao texto seriam maiores. Dito desta forma, foi perceptível as inúmeras contrariedades enfrentadas pelos Palancas no jogo.
O conjunto nacional teve mais de meia-hora para tentar inverter a tendência de jogo, mas revelou-se, ainda assim, impotente para fazer melhor que o seu antagonista, que assumiu a totalidade das encomendas do jogo.
O melhor que Angola conseguiu fazer, já perto do desfecho da partida, foi um golo de honra, rubricado por Yano, em períodos que o Gabão também acusava já algum cansaço, em virtude da enorme pressão sujeitava ao combinado nacional durante quase todo o jogo.