Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Direco da FAF negoceia dvida

Jorge Neto - 13 de Julho, 2018

Artur Almeida lamentou das anteriores direces pela forma como geriram a modalidade rainha

Fotografia: Aro Martins | Edies Novembro

A direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF) está a negociar com o Ministério das Finançaspara que os compromissos assumidOs pelas anteriores direcções se tornem em dívida pública.
A revelação foi feita ontem por Artur Almeida, presidente do órgão que dirige a modalidade no país. O dirigente máximo daquela instituição, que cumpre o segundo ano de mandato, anunciou que estão orçadas em novecentos mil dólares  americanos e tem prejudicado o trabalho, que pretendem desenvolver.
\"Em relação às dívidas da FAF, torna-se difícil fazer uma gestão corrente com o passivo. Encontramos uma dívida de novecentos mil dólares americanos e recebemos cartas de várias empresas a cobrarem os seus valores, como são os casos da TAAG e da ENSA\", revelou.
\"Estamos a negociar com o Ministério das Finanças, para ver se esta dívida se torne em dívida pública. É uma das soluções que a federação encontrou para sair desta situação\", disse ontem Artur Almeida, em conferência de imprensa.
O dirigente, que chamou à imprensa para fazer um balanço sobre as suas deslocações às províncias do Cuanza-Sul, Benguela, Huambo e Bié, e depois da reunião com os presidentes dos clubes de Luanda, lamentou o estado em que encontrou a federação.
O número \"um\" da FAF manifestou ainda a sua admiração, pela forma como foi gerida o órgão reitor da modalidade nos últimos 15 anos. Criticou o facto de, as contas, não estarem regularizadas, mas sublinhou estarem a trabalhar para normalizarem a situação.
\"Não é possível que se geriu esta federação durante 10 ou 15 anos sem uma contabilidade regularizada. Perguntem a PWC, a empresa que, neste momento, está a fazer uma auditoria às finanças da FAF, mandatada pela FIFA\", avaliou o dirigente.
Acrescentou que \"em breve vamos tornar públicas as nossas contas, para que todos saibam em que nível nos encontramos\", afirmou o responsável máximo da entidade máxima do futebol nacional, confiante em dias melhores.
Artur Almeida anunciou, que para gerirem as despesas de todas às selecções nacionais \"precisamos de 250 milhões de kwanzas para as despesas das competições de todas as selecções nacionais, incluindo a campanha para o próximo CAN\", destacou.
 Em relação as deslocações que fez às províncias, disse que constatou as preocupações dos dirigentes locais e recomendou maior acutilância dos mesmos, para que possam dinamizar o futebol masculino e feminino, sem esperar apenas pelo governo provincial.
Artur Almeida considerou que, às vezes, falta sensibilidade das autoridades angolanas, para resolver os problemas do futebol. \"Com o pouco pode-se fazer muito\", reconhecendo o momento actual que o país atravessa.