Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Dragan termina vínculo contratual

Betumeleano Ferrão - 14 de Novembro, 2017

Treinador conquistou dois campeonatos e uma Supertaça ao comando da equipa

Fotografia: kindala Manuel| Edições Novembro

As varizes e os problemas físicos, impedem o técnico Dragan Jovic de estabelecer o recorde de temporadas consecutivas, no banco do 1º de Agosto.
Se renovasse, permanecia no mínimo, mais um ano, o bósnio de 54 anos de idade ia superar o sérvio Dusan Kondic, o primeiro e único da história do clube militar a permanecer como treinador, durante quatro épocas consecutivas.
O consulado de Dragan Jovic, no 1º de Agosto, durou três temporadas e meias, o segundo mais longo. A relação entre o treinador e a formação rubro -negra aparentava ser estável e duradoura, até que  as questões de bastidores, doença do técnico, forçaram o bicampeão nacional a largar a equipa para dar prioridade ao tratamento.
A longevidade de treinadores, no comando das equipas, nunca foi sina do futebol angolano, em geral, e do 1º de Agosto, em particular. Com bons ou maus resultados, os militares sempre seguiram a regra de trocar de técnicos. Foi apenas em duas ocasiões, Dusan Kondic e agora Dragan Jovic, que o clube foi 'tolerante', em conceder mais de três épocas a um treinador.
O bósnio sai pela porta grande, sem bater o histórico recorde do sérvio, mas como recordação leva o marco da longevidade do milénio, no 1º de Agosto. Antes da sua contratação, nenhum treinador permaneceu sentado durante muito tempo no banco militar, o único que se aproximou foi o holandês Jan Brouwer, que permaneceu três anos consecutivos, 2005, 2006 e 2007.
A chegada de Jovic, coincidiu com um o período conturbado, em que os militares eram considerados, em sentido figurado, o "cemitério" de treinadores.
Vários nomes conceituados em Angola e Portugal, Romeu Filemon e Daúto Faquirá, só para citar esses dois, entraram e saíam num curto espaço de tempo, até que o desconhecido bósnio foi contratado para devolver estabilidade, numa altura em que havia maus resultados, e ausências de títulos.
Assim como o recordista Dusan, Jovic também ganhou dois campeonatos consecutivos, 2016 e 2017. Tem mais uma conquista no seu currículo, a Supertaça 2017, depois da vitória de 1-0 sobre o Libolo. A Taça de Angola é a única prova nacional em que o bósnio sempre fracassou.
 O seu consulado, no 1º de Agosto, durou mil trezentos e um dia, de 21 de Abril de 2014, quando orientou o primeiro treino, a 11 de Novembro de 2017, jogo da final da Taça de Angola com o Petro de Luanda.

FOLHA DE SERVIÇO
Derrotas “siamesas” na estreia e no adeus


A carreira de Dragan Jovic, no 1º de Agosto, ficou marcado por algumas coincidências relevantes, que o Jornal dos Desportos descobriu na folha de serviço, desde que assumiu o comando da equipa, até ao último dia que orientou.
Quando se estreou, na nona jornada do Girabola 2014, os militares, no Estádio 11 de Novembro frente ao Libolo, perderam por 2-1, o mesmo resultado verificado no mesmo local, no último jogo orientado pelo técnico, desta vez,  o carrasco foi o Petro de Luanda.
 Esse duplo desaire aconteceu, em épocas e competições diferentes, no campeonato e na taça, mas destapam uma outra coincidência. Os dois primeiros jogos de Jovic, no 1º de Agosto, foram em Luanda com o Libolo e o ASA, no Estádio dos Coqueiros, em que os militares acabaram derrotados. Os últimos dois jogos dos militares com o bósnio, também foram em Luanda, Kabuscorp e Petro, a equipa igualmente perdeu esses dois embates.
O resultado 2-1, parece a ave de mau agouro, na sua passagem pelo ex-RI-20.  Este resultado esteve na estreia no campeonato, e também na última jornada do Girabola 2017. O 1º de Agosto encerrou o campeonato com derrota, no dérbi com o Kabuscorp, o campeão nacional até começou a ganhar, mas os palanquinos reagiram e estabeleceram o tangencial 2-1, no fim.
Os esquerdinos, Amaro e Diogo Rosado, têm os seus nomes escritos no livro de recordações do técnico bósnio, pois, foram os autores do primeiro e do último golo, da era Jovic. O angolano marcou contra o Libolo, enquanto o português,  imitou-o contra o Petro de Luanda.
Há ainda mais uma coincidência, proporcionada pelos dois esquerdinos. A primeira vitória, 1-0 sobre o União do Uige, foi obtida com golo de Amaro. Na última derrota da era Jovic, encontramos mais um canhoto, Diogo Rosado, a balançar as redes. Foi dele, o tento de honra, na final da taça.
Os guarda-redes também contribuíram, com simultaneidades, na passagem de Jovic no 1º de Agosto. O internacional angolano Hugo, foi o primeiro a sofrer dois golos, e no adeus do técnico militar, a má sorte coube a Nuno, mas pelo meio,  ainda há espaço para Julião, na última jornada do Girabola ZAP 2017, todos esses jogos terminaram em 2-1.
A porta de regresso ao 1º de Agosto foi deixada aberta, pela direcção e também pelo treinador Dragan Jovic.

VENCEDOR DA TAÇA
VENCEDORES


O clube Petro Atlético de Luanda, com dez títulos, domina o palmarés da Taça de Angola em futebol. Os tricolores venceram a competição pela última vez em 2013, sob comando técnico de Miller Gomes, superam o 1º de Agosto que é o segundo melhor da lista, com cinco troféus.  Os dois conjuntos mais titulados da competição, disputam a grande final no dia 11 de Novembro e no Estádio 11 de Novembro. Sem desprimor para as outras equipas, o clássico do futebol nacional tem tudo para fechar com chave de ouro da época 2017.  Lista dos vencedores da taça:


1982 - 1º de Maio de Benguela
1983 - 1º de Maio de Benguela
1984 - 1º de Agosto   
1985 - Ferroviário da Huíla
1986 - Interclube                  
1987 - Petro de Luanda
1988 - Sagrada Esperança
1989 - Ferroviário da Huíla
1990  - 1º de Agosto
1991 - 1º de Agosto
1992 - Petro de Luanda
1993 - Petro de Luanda 
1994 - Petro de Luanda             
1995 - Atlético Sport Aviação (ASA)
1996 - Progresso do Sambizanga
1997 - Petro de Luanda      
1998 - Petro de Luanda     
1999 - Sagrada Esperança
2000 - Petro de Luanda  
2001 - Desportivo Sonangol
2002 - Petro de Luanda
2003 - Interclube    
2004 - Desportivo Sonangol  
2005 - Atlético Sport Aviação (ASA) 
2006 - 1º de Agosto   
2007 - 1º de Maio de Benguela    
2008 - Santos FC               
2009 - 1º de Agosto    
2010 - Atlético Sport Aviação (ASA)
2011 - Interclube            
2012 - Petro de Luanda  
2013 - Petro de Luanda
2014 - Benfica de Luanda
2015 - FC Bravos do Maquis
2016 - Recreativo do Libolo
2017 - Petro de Luanda

TAÇA DE CAMPEÃO
Militares agastados
com “exigência” da FAF


O 1º de Agosto está agastado com a direcção da Federação Angolana de Futebol por esta não ter feito a entrega da Taça de Campeão Nacional, no final do jogo contra o Kabuscorp do Palanca, na última jornada do Girabola Zap, que confirmou a revalidação do título do conjunto militar.
De acordo com uma foto do Clube Central das Forças Armadas Angolanas a FAF solicitou aos campeões nacionais que fizessem um jogo amistoso diante dos Palancas Negras, que serviria para a entrega oficial do troféu.
A opção não caiu nas graças do 1º de Agosto que rejeitou de imediato e concedeu férias ao seu plantel, por achar que era contrário ao que tinha acontecido nos anos anteriores.
Em 2016, a equipa do Recreativo do Libolo sagrou-se campeão nacional, com os mesmos 60 pontos, que o 1º de Agosto, um título decidido na 30ª jornada, ou seja, a última, em dois campos diferentes, os libolenses jogaram no Lobito diante da Académica local e os militares receberam em Luanda, o Recreativo da Caála.
Os dois candidatos venceram os seus respectivos jogos e a formação da Vila de Calulo recebeu no mesmo momento a Taça de Campeão das mãos do ex-presidente da FAF, Pedro Neto, aliás, já foi igualmente presidente de direcção do 1º de Agosto.
De acordo ainda com a fonte do clube militar, durante a época recém-terminada, a direcção da Federação Angolana de Futebol demonstrou algum proteccionismo ao Petro de Luanda, fazendo de tudo para os tricolores vencerem um troféu, depois de perder o título do Girabola Zap para o 1º de Agosto.
Os rubro e negros conquistaram a Supertaça e o campeonato nacional com 65 pontos, mais três em relação ao arqui-rival, Petro de Luanda, perdendo apenas a Taça de Angola na final disputada no passado sábado por 1-2, frente aos tricolores.
JORGE NETO