Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

FAF admite injustia na eliminao do Petro

Pedro Augusto - 14 de Março, 2020

Elenco de Mrio Jorge Fernandes pede desculpas aos tricolores pelo mau trabalho do juiz

Fotografia: Jos Cola Edies Novembro

O Conselho Central de Árbitros de Futebol de Angola (CCAFA) promete responsabilizar o juiz Benjamim Andrade, pela grave falha no jogo Petro de Luanda - Sagrada Esperança, disputado no passado dia 12 de Fevereiro, no estádio 11 de Novembro, referente à segunda mão dos oitavos-de-final da Taça de Angola, que terminou empatado a duas bolas e afastou os tricolores da competição.
De acordo com um nota da Federação Angolana de Futebol (FAF), assinada pelo presidente do CCAFA, Mário Jorge Fernandes, enviada ao Clube Atlético Petróleos de Luanda, o árbitro Benjamim Andrade não cumpriu com o estipulado na Lei 11 (Fora de Jogo), assim como desautorizou o seu assistente Joaquim da Rocha, que havia assinalado a infracção do ataque diamantífero, situação que resultou em prejuízo para a formação do Petro de Luanda, cuja equipa ficou sem hipóteses de continuar a competir na segunda maior prova do calendário da federação angolana. 
"Após a apreciação do lance pela Comissão Técnica Nacional de Arbitragem, apraz-nos informar e que seja registado pela vossa agremiação (Atlético Petróleos de Luanda), que lamentavelmente o senhor Benjamim Andrade não cumpriu com o estipulado na Lei 11 (Fora de Jogo) e o que se torna mais agrave ainda foi desautorizar o seu assistente Joaquim da Rocha, que acertadamente havia assinalado como o momento determinava", lê-se no comunicado federativo.
Com base na situação ocorrida, o Conselho Central de Árbitros de Futebol de Angola, encabeçado por Jorge Fernandes, pediu desculpas à direcção do Petro de Luanda e promete responsabilizar o árbitro Benjamin Andrade por "tão grave erro".
"Apresentamos as nossas sinceras desculpas pelo ocorrido, motivo que levou o vosso afastamento da competição em que estavam inseridos com todo mérito . Não deixaremos de responsabilizar o nosso filiado por tão grave erro", informa o comunicado da FAF.
O golo polémico do jogo, marcado pelo Sagrada Esperança, aos 67 minutos, permitiu o empate e a qualificação dos lundas, pois, beneficiaram do facto de terem marcado mais golos no terreno adversário, pois no desafio da primeira mão, diamantíferos e tricolores "acordaram" empate a uma bola.