Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Federao de Futebol nega mal estar com o 1 de Agosto

BF. com Angop - 27 de Janeiro, 2018

O director -geral do 1 de Agosto afirmou que o clube vai interpor recurso acerca da suspenso

Fotografia: Jos Soares| Edies Novembro

A direcção da FAF revelou ao Jornal dos Desportos, que não há nenhum mal -estar com o clube 1º de Agosto, por causa dos atletas Dani Massunguna, Páizo, Natael, Show, Nelson Luz e Geraldo que estão suspensos por 70 dias, por não integrarem os trabalhos da selecção nacional que está a competir no CHAN.
A fonte, que falou ao nosso diário, assegurou que o que aconteceu foi a simples aplicação da lei e nada mais. \"Não se trata de algo de fórum restrito ao clube, o que tem de ser esclarecido é que aqui não há um braço de ferro, quem disser isso, não está a ser verdadeiro\", garantiu.
Quer o regulamento da FAF como o da CAF estabelecem sanções claras destinadas  aos atletas, que sem motivos válidos, não respondem de maneira positiva à chamada para representar a selecção do seu país, pelo que a nossa fonte esclareceu que quem acha que tem motivos de queixa, deve basear a reclamação no que está escrito.
Garantiu que uma análise aos regulamentos da FAF e da CAF permite a qualquer observador atento, concluir que \"não há braço de ferro entre a Federação e o 1º de Agosto\". A única coisa que existe é o cumprimento das leis, que foram ignoradas, talvez, por que em momento algum se pensou nas consequências que pudessem resultar nas penas que foram aplicadas, esclareceu.
Por exemplo, o artigo 113 da FAF, falta de comparência ou abandono das actividades da selecção, diz no ponto 1 que \"o jogador que regularmente convocado, abandone ou não compareça injustificadamente ao treino, jogo ou treino da selecção ou actividades das Selecções Nacionais ou relacionada com a representação desportiva da FAF ou de Angola, é punido com suspensão de 1 a 3 meses\". O ponto 3, coloca em pé de igualdade o clube e o atleta, nos casos em que aparenta ser mais uma questão de obedecer a hierarquia: \"O cumprimento expresso do Clube que o jogador representa não constitui justificação da falta de comparência ou abandono de actividade das selecções nacionais\", lê-se no documento.
O regulamento do CHAN também coincide com o da FAF, na questão da obrigação e das sanções a quem for considerado faltoso. O capítulo 16, Qualificação de jogadores, pontifica numa das alíneas: \"Os clubes são obrigados a colocar à disposição das federações os Jogadores Seleccionados para as equipas representativas em todas às competições da CAF, a falta de fazer isso, pode levar a Sanções da CAF\".

REACÇÃO

O director -geral do 1º de Agosto afirmou que o clube vai  interpor recurso acerca da suspensão por 70 dias aos seus atletas do clube pela Federação Angolana de Futebol (FAF), devido à ausência na pré-selecção nacional que se preparava para o CHAN\'2018, em curso no reino de Marrocos.
O facto vem expresso no site do clube militar, consultado pela Angop, em Luanda, em que Fernando Barbosa explica que o documento de recurso foi encaminhado ao Conselho Jurisdicional da FAF.
O texto refere, que a colectividade sempre primou pelas boas práticas e que ao aperceber-se da indisponibilidade dos jogadores convocados, reuniu imediatamente com o órgão reitor.
Fernando Barbosa afirma, que a direcção da equipa bicampeã nacional manteve dois encontros com a direcção da Federação, em que foi detalhado ao pormenor as razões da ausência dos jogadores na prova, para jogadores que evoluem nos respectivos países.
No passado dia 15, a Federação, em comunicado enviado ao clube “rubro-negro”, suspendeu de todas as competições durante 70 dias.