Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Gelson Dala visto como porta-bandeira do futebol

Paulo Caculo - 27 de Outubro, 2017

Gelson Dala, do Sporting Clube de Portugal, ser o

Fotografia: AFP

O presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), Artur Almeida e Silva, afirmou que o avançado Gelson Dala, do Sporting Clube de Portugal, será o \"porta-bandeira\" do futebol angolano no exterior do país, à semelhança do que fez Pedro Mantorras durante a sua carreira ao serviço do Sport Lisboa e Benfica.

O responsável federativo justifica a sua afirmação, com o facto do jogador do Sporting Clube de Portugal ser uma das grandes promessas do país, a que primeiro surge na \"cabeça\" dos adeptos e de quem deposita total confiança e capacidade para impulsionar o futebol angolano no estrangeiro.

\"Gelson Dala é um bom exemplo, mas não é só ele. Há também o Mantorras e o próprio Ary Papel. Todo e qualquer jogador que esteja a despontar, ou tenha construído um nome no mundo do futebol, torna-se num bom exemplo. Queremos fazer deles porta-bandeiras do futebol angolano\", disse, citado pelo site português Besoccer.

Artur de Almeida e Silva admitiu, por outro lado, a possibilidade de efectuar uma viagem a Portugal, com objectivo de manifestar o seu apoio e deixar mensagens de encorajamento a Gelson e Ary nos clubes onde eles evoluem actualmente.

\"Tenho a intenção de ir visitar esses atletas e os clubes onde evoluem. Quero que eles sirvam de exemplo às crianças que estão em Angola. São as nossas grandes referências, temos que aproveitá-los bem para que nos ajudem a desenvolver o nosso futebol. O país necessita destes bons exemplos\", acrescentou.

Desde que chegou ao Sporting, transferido do 1º de Agosto, Gelson Dala, tem revelado níveis de qualidade agradáveis ao serviço da equipa B. O internacional angolano, de 20 anos, impressionou Jorge Jesus, que já o integrou na equipa principal, onde chegou a fazer dois jogos, um dos quais para a Taça de Portugal.

Contribuiu para a rápida ascensão de Gelson Dala ao plantel principal do Sporting CP o brilharete espelhado pelo angolano na equipa B,  tendo sido o 6º melhor marcador e o único com menos de 25 partidas realizadas - , facto que impulsionou para que fosse chamado por Jorge Jesus.
Gelson cumpriu um plano de trabalho específico na Academia, que contemplou aspectos como a finalização e as componentes física, técnica e táctica, sob coordenação do técnico Luís Martins, tendo o angolano aumentado de peso, após chegar a Alvalade, estando a agora com 67 quilos.


DESAFIO
Artur promete combater corrupção


O presidente da Federação Angolana de Futebol (FAF), Artur de Almeida e Silva, tem grandes desafios pela frente e aponta o combate à corrupção no futebol como sendo uma das prioridades que o seu pelouro promete atacar de forma cerrada. O \"número um\" do elenco federativo, reiterou, em declarações em Portugal, onde cumpre uma visita de trabalho, a aposta na mudança do actual prisma do futebol em Angola.

\"Queremos voltar ao CAN e, claro, ao Mundial\", apressou-se a afirmar o dirigente federativo, adiantando haver um desafio maior que todos os outros, que consiste precisamente em banir os males do futebol.

\"O combate à corrupção no futebol é uma das nossas bandeiras. É um problema mundial mas também temos focos. Já estamos a trabalhar nisso. Nunca se viu em Angola, árbitros, treinadores e dirigentes tão penalizados como agora. Vamos continuar nesta senda. Queremos o melhor para o nosso futebol. Passará, também, por pesadas multas. Dói mais quando se vai ao bolso\", esclareceu.

Desde Janeiro de 2017 no \"cadeirão\" da FAF, o dirigente angolano pretende que Angola dê um salto qualitativo nos próximos três/quatro anos. Para isso, tem em mente - e também já em execução - iniciativas de curto, médio e longo prazo, estando a reunir apoios junto da FIFA, da CAF e da Federação Portuguesa de Futebol (FPF), com a qual se reuniu em Lisboa, na última quarta-feira.

\"Entramos numa fase de mudança no futebol angolano. Aliás, o país está em mudança, com novo presidente. Há que inverter o quadro e criar uma nova dinâmica, com apoio da FIFA, da CAF e, também, da FPF, com parcerias que nos ajudem a reorganizar toda a nossa estrutura. Já estamos muito atrasados e os desafios são enormes, mas com a nossa vontade e projectos vamos mudar isto tudo em três/quatro anos\", acrescentou.