Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Gelson no caminho certo

Betumeleano Ferro - 09 de Agosto, 2018

Atacante cedido por emprstimo pelo Sporting Clube de Portugal encanta vila-condenses

Fotografia: Paulo Mulaza|Edies Novembro

Rio Ave pode ser a porta larga de oportunidade, que Gelson Dala está a precisar para fazer carreira no futebol português. Os indicadores promissores do avançado, antes e depois da abertura da época, estão a confirmar a certeza do técnico Daúto Faquirá, desde a primeira hora que ele gostou de ver o ex-pupilo a ser emprestado à equipa rio avista, pois teria mais tempo para jogar do que se permanecesse no Sporting de Portugal.
Fã confesso do avançado, o treinador traçou, desde a primeira hora, o caminho que Gelson Dala teria de fazer para se dar bem em Portugal. Um período de adaptação em meio a um empréstimo sempre estiveram nas cogitações de Faquirá.
\"O mais importante é jogar, não é só treinar\", considerou.
As excelentes prestações do dianteiro com a camisola do Sporting B anteviam um salto maior, mas entre queimar etapas ou dar os passos certos, o treinador preferia ver o atleta, que muito admira, numa equipa com o perfil do Rio Ave.
\"É um clube (Rio Ave) que lhe oferece todas as condições para evoluir, tem qualidade técnica e humana, infra-estruturas e recursos humanos para ajudar o Gelson a crescer\", sublinhou ao Jornal dos Desportos,o antigo treinador do 1º de Agosto.
Um empréstimo é sempre bem-vindo, ainda mais quando \"vem em boa altura\", pelo que Daúto Faquirá espera que o avançado consiga dar sequência ao que tem feito, desde que chegou ao futebol luso.
\"A melhor altura para ele (Gelson Dala) se afirmar é esta. O Rio Ave pode ser fundamental para a afirmação dele, até pela idade que ele tem\", afirmou.
Até agora, Gelson Dala tem feito a coisa certa, pelo que o único desejo de Daúto Faquirá é ver o atacante a manter a sequência, pois provou, quando estava na segunda divisão, que tem potencial para somar e seguir.
\"Há expectativa em relação ao desempenho dele, mas isso só acontece porque foi ele mesmo quem também colocou a fasquia alta, ao serviço da equipa B do Sporting\", enalteceu.
Desde que o antigo menino dos golos do 1º de Agosto e do Sporting B chegou a Portugal, muito se tem falado dele, mas Faquirá não vê nisso nenhum sinal de preocupação.
\"É uma cobrança natural, não é coisa do outro mundo, na verdade a cobrança faz parte do mundo do futebol\", argumentou.
O empréstimo ao Rio Ave pode servir de trampolim, para o internacional angolano de 22 anos de idade ter mais chances de voltar ao plantel principal do Sporting de Portugal. \"Eu acho que a expectativa é esta, ele evoluir para voltar um dia, mas é ele que vai ter de traçar o caminho de volta, a bola agora está do lado do jogador\", assegurou.
O futebol é feito de momentos, o actual é o ideal para Gelson Dala aproveitar para marcar ou dar a marcar, como tem feito desde que se estreou no clube rio avista.
\"As pessoas acreditam nele, os avançados vivem dos golos, mas se ele assistir aos colegas também vai ser bom, é melhor assim do que ficar sem marcar\", concluiu.

Jesus sem tempo
para olhar
no tom da pele


As poucas oportunidades que Jorge Jesus deu a Gelson Dala, no principal plantel do Sporting de Portugal, nada têm a ver com a cor do jogador angolano. Além de se mostrar indignado com quem tentou se apegar a esta teoria, Daúto Faquirá fez uma defesa pública de Jesus. 
"Não faz sentido nenhum fazer uma afirmação desse tipo (racismo), conheço há muito tempo o Jorge Jesus e não acredito nisso", assegurou. Por ter o coração ao lado da boca, o ex-técnico leonino nem sempre fala a coisa certa na hora certa, mas nem por isso a acusação de racista tem razão de ser.
"A maneira como ele fala é outra coisa, realmente o Jesus diz o que lhe vem na alma, às vezes falta filtro ou sensibilidade, mas tal só acontece porque é desbocado, mas isso nada tem a ver com a raça", argumentou Faquirá. 
O treinador que pôs Gelson Dala a jogar de maneira oficial no 1º de Agosto, Romeu Filemon é quem o lançou nos seniores, mas por questões administrativas o atleta só pode alinhar com Faquirá, não compreende por que as pessoas se esquecem da regra para se apagar à excepção, apenas para denegrir a imagem de Jorge Jesus.
"Se nos cingirmos ao João Mário, William Carvalho ou Doumbia, vai ser fácil chegar à conclusão, de que não faz sentido usar o critério da pele, para justificar as escolhas de um jogador, os que citei também são negros, então é justo perguntar: quem disse isso do Jesus?", revoltou-se.
Antes e depois de sair de Angola, Daúto Faquirá sempre deu a cara por Gelson Dala, tanto é assim que, em Portugal, foi contactado várias vezes por jornalistas para falar do ex-pupilo. Ainda assim, ele nunca andou atrás de histórias falsas, pois sabia o que estava a acontecer.
"Todos sabem que gosto muito dele (Gelson Dala), mas tenho de fazer o enquadramento certo, não por causa da cor que ele não jogou", garantiu.
A qualidade das opções iniciais de Jorge Jesus, afastava, de imediato, todas as chances do angolano cheirar sequer a titularidade.
"Eu até percebo que o Jesus até poderia preferir, que o Gelson ficasse no plantel para poder crescer, mas mesmo assim, ele teria poucas chances de jogar, porque o Bas Dost é indiscutível, depois tinha o Doumbia, como se vê as coisas não estavam fáceis para o Gelson", enfatizou.
Embora saiba por que as pessoas se apegaram a teoria da conspiração, Daúto Faquirá gostaria de ver as pessoas a manterem o foco apenas no futebol, pois de outro modo, vão desviar a mente de Gelson Dala para falsas questões.
"Nós, africanos, temos de melhorar a nossa maneira de pensar, há racismo em Portugal do mesmo jeito como há em Angola e noutras partes do mundo, então, não podemos pensar que se tratou de um caso de racismo. O Bryan Ruiz também passou por uma situação parecida, mas é estranho como ninguém reparou na questão do racismo", concluiu.


GIRABOLA ZAP E LIGA PORTUGuESA
“Não há comparação possível”


O futebol europeu tem características próprias, pelo que Daúto Faquirá defendeu que o sucesso de Gelson Dala, no exigente velho continente, também vai passar pela sua disposição em ultrapassar todo o tipo de obstáculo.
"Ele (Gelson Dala) tem de estar preparado para comer o pão que o Diabo amassou", resumiu o treinador.
As elevadas expectativas de muitos em Angola, nunca chegaram para demover o treinador das suas convicções, ainda mais porque repetiu o mesmo em todas as entrevistas a jornalistas angolanos e estrangeiros. Gelson Dala teria de adoptar uma atitude de espera, antes de jogar no principal escalão do futebol tuga.
"Uma coisa é o Girabola, outra bem diferente é o campeonato português da primeira divisão, não há comparação possível, é por isso que eu sempre disse que ele teria de passar pela equipa B, antes de chegar à equipa principal", assegurou.
Ao contrário do que é consenso, às vezes até em Angola, no futebol português "há competitividade", pelo que Faquirá considera normal que o Sporting tenha escolhido o caminho certo, para Gelson Dala percorrer até chegar à primeira divisão. Depois de passar na equipa B, o avançado trabalhou meia época com o plantel principal e agora "saiu para rodar", por empréstimo no Rio Ave, mas tudo isso está dentro do cronograma certo, considera Daúto Faquirá.
O mais importante, para o ex-treinador do 1º de Agosto, é que o agora atacante do Rio Ave está a perceber que chegou a uma realidade diferente, motivo por que tem de adoptar uma postura contrária daquela que tinha em Angola.
"As coisas que ele encontrou, até mesmo no aspecto competitivo, nada têm a ver com o que ele conhecia antes. Ao chegar a Portugal, houve uma série de factores aos quais teve de dar respostas, naturalmente o critério principal é a qualidade, o rendimento nos treinos e jogos, mas para chegar lá é preciso que os novos tenham um tempo de adaptação, como sucedeu com muitos outros", garantiu.
A maneira carinhosa como Gelson Dala é referenciado em Portugal, dão a Daúto Faquirá a firme convicção de que o seu avançado só tem o foco na bola, pois se estivesse a ouvir as vozes de estranhos, nunca chegaria ao Rio Ave.
"É importante, nessa fase, que o Gelson esteja rodeado de pessoas como as que encontrou no novo clube, gostam e acreditam nele, é óptimo que isso esteja a acontecer, mas quando as pessoas se apegam a outros critérios, como o racismo, para justificar questões técnicas, é porque não estão realmente interessadas em o Gelson", rematou.
O campeonato português começa amanhã, 10 de Agosto, mas o Rio Ave só entra em cena no domingo, na visita extramuros ao Feirense, mas esta equipa rio avista já fez 3 jogos oficiais, nos quais Gelson Dala foi totalista, tendo, inclusive, marcado um golo no empate caseiro a quatro golos contra o Jaguellonia Bialystok da Polónia, para as eliminatórias da Liga Europa.