Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Gilberto confiante nos palanquinhas

17 de Maio, 2017

Gilberto do Amaral, considerou no Luena que o objectivo dos palanquinhas de passar à fase seguinte do campeonato africano da categoria , é

Fotografia: Santos Pedro | Edições Novembro

Em declarações à Angop, na antevisão do empate a duas bolas, na estreia de Angola no CAN da categoria diante do Níger, disse que acompanhou o desempenho da selecção durante a preparação,  está crente numa vitória na ronda inaugural.

Gilberto, um dos “sobreviventes” da última geração que disputou um CAN da categoria há 17 anos, disse que provas do género são muito competitivas, face à vontade dos “miúdos” quererem mostrar o seu potencial e à própria ansiedade em competições afins.

Razão pela qual, o ex-campeão africano sub-20, em 2001, recomenda pragmatismo na abordagem dos jogos , recomenda mais dedicação, vontade, e prática de jogo colectivo, para  derrotar o Níger e vencer na estreia.

“Os jogadores têm de lutar e dar tudo que podem no campo, para vencer e possam dignificar as cores nacionais, pois, passaria por um resultado positivo no primeiro jogo para se galvanizarem” disse, o antigo “canhoto” da selecção de honras.

Relativamente ao grupo de Angola (B), além do Níger, integra ainda o Mali e  a Tanzânia, afirmou que com excepção da última selecção, o Mali é uma potência do futebol africano, no que diz respeito à formação, e considera ser um dos favoritos à conquista desta série, e do CAN.

“O Mali aposta muito no trabalha de formação, mas acredito que a selecção de Angola preparou-se, para  contrapor estes adversários”, disse.

Sugeriu aos jogadores, mais concentração nos dois jogos que falam, e evitem perder de vista os ensinamentos que o treinador Languinha Simão transmitiu na fase de preparação.

Descartou ainda, que os 17 anos que Angola esteve ausente da prova, influencie negativamente no desempenho dos palanquinhas, ao contrário, vai servir como motivação à equipa para dignificar o país, e manter-se sempre na alta roda do futebol africano.

Para o Gabão, seguiram os guarda-redes, Job Kamalandua e Nsesani Simão; os defesas Adalmiro da Silva, Euclides dos Santos, Capitão José, Basílio Daniel, Benjino Benjamin e Moisés Amor; os médios Pedro Agostinho, Benedito Vissoco, Orlando Secali, Fiete dos Santos, Aratson Contreiras, Armandinho, Cláudio Viegas e Ramiro Paulo; e os avançados Melono Dala, Jelson Mivo, Camilo Ngongue e Francisco Chilumbo “Tombé”