Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Gonçalves rende Languinha

PAULO CACULO - 21 de Abril, 2018

Novo seleccionador dos Sub-17 foi ontem apresentado pela direcção da FAF

Fotografia: JOSE COLA | EDIÇÔES NOVEMBRO

O técnico português Pedro Gonçalves, 44 anos, é o substituto do técnico angolano Simão Languinha, no comando da Selecção Nacional de futebol de Sub-17. O novo seleccionador foi ontem apresentado pela direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF), em conferência de imprensa, realizada na sede social do órgão reitor da modalidade.
Pedro Gonçalves assinou um contrato de dois anos, assume a responsabilidade de revolucionar o futebol de escalão jovem, deve contar com o suporte do espanhol Ramon Alturo, novo director técnico das Selecções Nacionais jovens, também apresentado ontem. Os dois profissionais são referenciados, pelo presidente Artur Almeida, como  os escolhidos da  Federação para encetar reformulações substanciais ao modelo de trabalho das selecções nacionais de jovens. 
\"Eles começaram a trabalhar desde que fechamos o acordo. Agora, vão entrar na fase de diagnóstico ao futebol nacional a nível das províncias, clubes e Associações. O primeiro plano, é começarmos a instalar os directores técnicos provinciais, que vão corresponder com o director técnico nacional\", adiantou-se a esclarecer o presidente FAF.  Artur Almeida justificou a contratação do espanhol Ramon Alturo, pelo  facto da presença da figura de director técnico na Federação ser uma exigência da Confederação Africana de Futebol (CAF) e da Federação Internacional (FIFA).
\"É uma exigência da CAF e da FIFA, todas as Federações tenham um director técnico nacional, porque é a pessoa que responde pelas questões de ordem técnica, quer da CAF como da FIFA. Fomos fazendo esta negociação há quase um ano e só agora conseguimos cobrir completamente a lacuna, porque achamos ser o momento certo, em função de termos encontrado um quadro que nos permitisse, naturalmente, fechar o contrato com a pessoa em causa\", frisou o responsável federativo.
Em relação ao substituto de Simão Languinha, o presidente da FAF fez questão de sublinhar que o perfil do técnico Pedro Gonçalves corresponde aos requisitos exigidos pela Federação, na medida que se trata de um profissional que trabalha com os jovens há vários anos. Considera, por isso, ser a pessoa certa para o lugar certo, deixou expressa também a promessa de que a Federação vai exigir deles o melhor que se pode esperar, na medida em que se fez um enorme esforço para a concretização dos acordos.
\"Estamos a proceder a renovação de quadros, com objectivo de buscar melhorias na qualidade do trabalho e dos resultados. Esta mudança vem no sentido de melhorar tudo que vinha sendo feito até hoje, para que se busquem resultados muito positivos\", acrescentou Artur Almeida, que deplorou em seguida as informações que apontavam o antigo goleador Love Cabungula como o substituto de Simão Languinha.
\"A informação de que seria o Love Cabungula não foi vinculada pela Federação, não sei quem passou a informação. Desconhecíamos completamente e ficámos perplexos com a informação. O Love é um quadro da Federação Angolana de Futebol, está inserido na selecção de honras e tem o seu trabalho especifico. Ele vai cumprir com o seu papel, ganhar  experiência, vai ser formar e temos a certeza de que um dia o Love será um grande seleccionador nacional, mas não é agora. Precisa de ganhar experiência e mais conhecimentos, por formas a servir melhor o futebol nacional\", disse.
Os dois profissionais contratados pela FAF foram unânimes em relação aos objectivos que os prendem ao projecto da Federação. \"Corresponder com às expectativas\" representa o principal desiderato de Pedro Gonçalves e Ramon Alturo à frente dos cargos recém assumidos.

ARTUR ALMEIDA           
“Quadros nacionais não estão disponíveis”


A direcção da Federação Angolana de Futebol (FAF) é obrigada muitas vezes a recorrer à contratação de quadros estrangeiros, porque muitos nacionais não demonstram muita disponibilidade e outros têm receio de trabalhar para a nossa instituição, segundo Artur Almeida.
O responsável federativo justificou, desta forma, à contratação de mais um profissional estrangeiro para as Selecções Nacionais, reconheceu no entanto, haver qualidade entre os quadros técnicos angolanos.
\"Temos estado à procura de um treinador, a nível do mercado nacional,  sabe-se que os nossos quadros estão ligados a clubes e muitos não mostraram muita disponibilidade. Não é muito fácil trabalhar para a Federação Angolana de Futebol, porque as pessoas têm receio de não serem compensadas devidamente,  então, ao longo deste período, tivemos o  cuidado de negociar, por formas a vermos um quadro que representasse a mais valia que o país precisa\", esclareceu.
O presidente da FAF referiu, por outro lado, não ser novidade a contratação de profissionais expatriados.  Muitos países da região têm directores técnicos e muitos  não são nacionais.
\"Na maioria das vezes, são pessoas que vêm de outras realidades e muito mais evoluídos, para permitir também evoluir no que são os nossos interesses, mas não significa dizer que não temos quadros capazes, os quadros capazes não estão disponíveis a servir a Federação\".                                      
PC