Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Homens do apito no pas com carreiras em risco

Betumeleano Ferro - 20 de Junho, 2019

Juzes nacionais com maiores exigncias num futuro breve

Fotografia: Aro Martins (Hula) | Edies Novembro

A Associação dos Árbitros de Futebol de Angola (AAFA) e o Conselho Central de Árbitros de Futebol de Angola (CCAFA) estão prestes a chegar a entendimento, 1"para condicionar" a breve trecho, as actividades de todos os árbitros e comissários que ainda não são filiados da AAFA, revelou há dias ao Jornal dos Desportos, o seu presidente de direcção, Vicente Garcia.
O número reduzido de árbitros filiados na AAFA está na base da medida conjunta, que deve ser tomada e implementada em todos os escalões do nosso futebol, alertou Vicente Garcia.
"Quem não aderir, não vai poder apitar ou ser comissário, temos poucos árbitros na nossa Associação e concluímos, que isso, só acontece porque nada ainda foi feito, felizmente temos as coisas na forja para mudar isso", assegurou.O presidente Vicente Garcia considera justa a medida a ser tomada, ainda mais porque a AAFA tem saído em defesa, até de quem não é seu filiado.
"Quem olhar para a realidade de outras instituições existentes no país, vai reparar, por exemplo, que quem não estiver na Ordem dos Médicos, Advogados ou outra existente, não pode exercer a sua actividade, então, connosco não pode ser diferente se queremos dar peso e proteger os árbitros e comissários, todos têm de estar filiados", argumentou.
A ideia é cortar o mal pela raiz, assim Vicente Garcia advertiu que quem não se filiar, não vai ter como driblar as sanções que estão previstas. Por exemplo, "quem quiser ser candidato a presidente do CCAFA, ou até do Conselho Provincial tem de ser membro da AAFA, o mesmo vai acontecer a quem quiser apitar nas provas nacionais e provinciais", garantiu.O CCAFA e a AAFA têm muito excelentes relações, "há boa interacção entre nós", este é o motivo por que o presidente Vicente Garcia esclareceu que ninguém pode acusar a sua Associação de querer usurpar competências.
"Não existe nenhum tipo de incompatibilidade, tudo vai ser feito com base no entendimento a que vamos chegar, as medidas vão ser implementadas através do CCAFA, ninguém vai substituir o CCAFA, ele vai continuar a dirigir os destinos da nossa arbitragem, mas quem não estiver na ordem não está filiado, não pode exercer", argumentou.

VICENTE GARCIA
"Temos de valoriza o trabalho da classe"

O presidente da Associação dos Árbitros de Futebol de Angola (AAFA), Vicente Garcia, assegurou que a instituição que dirige está a fazer pela vida, para ter acesso a tudo "o que está nos estatutos da FAF" à seu respeito. Por isso, entende que se a Associação luta para ter os direitos que a lei confere, os filiados também têm de fazer a sua parte.
"Temos de valorizar o trabalho da classe, se todos forem membros, fica muito mais fácil, nós temos conseguido apoios para a nossa causa e queremos que todos os árbitros e comissários percebam a importância de se filiar", assegurou.
A AAFA está em boa sintonia com o CCAFA, motivo por que o presidente Vicente Garcia mostra-se tranquilo com o entendimento mútuo entre as duas partes, pois, cada uma das instituições está interessada em cumprir bem o seu papel.
"Nós só queremos fazer à nossa instituição igual às outras que existem no país, queremos que ela também tenha o seu peso, o CCAFA vai continuar a desempenhar o seu papel, vai continuar a dar a pontuação aos árbitros, a pontuação do Conselho é dada pelos observadores ou comissários. Eles (comissários),  assim como os árbitros, são parte da nossa Associação", rematou.