Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Ito est feliz com novo desafio

18 de Janeiro, 2018

Mdio espera conquistar um espao no onze inicial da formao da polcia

Fotografia: M.Machangongo | Edies Novembro

O médio Ito manifestou-se satisfeito com o projecto que foi apresentado pela direcção do Interclube, o seu novo clube, durante uma entrevista ao Jornal dos Desportos.
O atleta sublinhou tratar-se de um projecto ambicioso que se enquadra nos objectivos pretendidos na sua carreira, por isso, decidiu abraçar o desafio e espera unir o útil ao agradável com esta decisão.
“Ninguém resiste a um contrato que beneficie a sua carreira desportiva e a vida particular. Aceitei, de coração aberto este desafio, por ver nele várias vantagens, com realce para a possibilidade da continuidade dos meus estudos e estar próximo da família, o que antes não acontecia\", revelou.
Admitiu, que a par dos objectivos definidos pela formação da polícia para esta época, a necessidade de dar continuidade aos estudos pesou na sua posição.  \"Deixei de estudar em 2016 , quando saí do Progresso para o Libolo\", recordou.
Disse mais adiante, que \"estava no segundo ano do Curso de Recursos Humanos na Universidade Lusíadas, mas a dada altura tive de anular para salvaguardar a carreira, visto que em Calulo não tinha hipótese de estudar. Agora, com este novo desafio e a residir em Luanda, dá-me a possibilidade de estudar no IZIA\", justificou.
Quanto ao novo desafio que tem pela frente, o ex-atleta do Recreativo do Libolo definiu como meta principal, ajudar a equipa na conquista do título do Girabola e vencer a Taça de Angola.
“O Interclube é uma agremiação com sina ganhadora e quem aqui está, deve incutir esse princípio na mente, fazer o melhor para ajudar a equipa a obter ganhos, em que o título de campeão é o principal objectivo\", salientou.Ito reconheceu, que para alcançarem a meta preconizada, o trabalho deve ser o ponto fundamental para que o sonho se torne realidade. \"Nada se conquista sem trabalho. Por isso, estou ciente que na equipa pontificam atletas de qualidade,  sobretudo na posição em que jogo\", destacou. \"Estou a falar de Pirolito, uma referência na equipa, o Lindala, Júnior e o Maninho. Sei que não será fácil, mas o trabalho é que vai definir o nosso futuro na equipa,  como gosto de desafios vou dar o melhor de mim\", prometeu.
O sonho de voltar a vestir a camisola dos Palancas Negras continua na mente do atleta, contudo, reconhece que para concretizar o desejo vai ser necessário provar na labuta diária, nos treinos e nos jogos.
\"A prioridade é trabalhar de forma árdua, para uma rápida adaptação e alcançar os objectivos do clube. Depois disso, é que podemos pensar na selecção. Aliás, com trabalho o regresso à selecção acontece com naturalidade\", disse.

CARREIRA
“Ganhei experiência no Libolo”

O atleta recorda-se com nostalgias, a passagem pelo Recreativo do Libolo, a julgar pelos ganhos obtidos com a camisola da formação de Calulo.
“É com prazer que falo desse clube, e devo dizer que tenho muitas e boas recordações. Foi bom passar por lá, pois, é uma equipa com muito profissionalismo e aprendi muita coisa boa no cômputo geral, com destaque para as amizades que fiz”, precisou.
Ito lembrou com emoção, os primeiros títulos da sua carreira conquistados com a camisola do Recreativo do Libolo, espera repetir a proeza no Interclube.
\"Todo atleta sonha conquistar títulos, concretizei o sonho ao serviço do Libolo, ao vencer uma Supertaça, a Taça de Angola e chegar às meias-finais do Troféu Nelson Mandela\", enalteceu.
Apesar dos ganhos, lamenta os momentos menos bons que a equipa atravessou na época finda, com realce à falta de alguns recursos importantes para se concretizarem os habituais objectivos.
Afirmou que com a nova direcção espera que recuperem o seu espaço. “Tem uma nova direcção, novo técnico e novos atletas, acredito que  não seja o mesmo Libolo de outrora.
Ainda assim, espero que  com nova cara que se pretende dar, dignifique o nome do clube para  bem de todos que se identifiquem com o grupo”, augurou.
Ito deposita confiança e espera que a campanha dos Palancas Negras seja boa, acredita que a selecção saia do palco da competição de cabeça erguida. \"Caso haja um pouco mais de sacrifícios, podemos fazer bons resultados, quiçá, trazer o troféu para o país\", perspectivou.
\"Acredito, que os atletas que lá estão, são os melhores de Moco, Paty e Mano do Interclube, e ainda de Eremilson do Petro de Luanda, para citar só estes. Por isso, leva-me a concluir que estamos diante de um grupo que nos pode dar momento. Estou a falar de Almeida e Fofó do Progresso, boas garantias\", anunciou.

DESPORTIVO
Falta de campo
afecta preparação

O técnico do Desportivo da Huíla, Mário Soares, está agastado com a falta de recintos que reúnam as mínimas condições na cidade do Lubango para a equipa trabalhar durante a pré-época, a fim de realizar as sessões de treino para o Girabola Zap de 2018, que arranca a 9 do próximo mês.
“Campo para treinos é prioritário e não temos. É um problema que não me deixa dormir, retira-me o sono. Esta situação não é boa para o Desportivo, nem para nós treinadores que podemos apresentar todos os nossos conhecimentos  científicos e também a nossa convivência como treinadores de futebol”, desabafou.
Reprovou o facto da equipa realizar o primeiro ciclo de preparação que encerrou ontem no Lubango, no piso incaracterístico do Estádio de Nossa Senhora do Monte, com capim seco, lombas e clareiras que tornam o local impraticável e constitui uma ameaça à integridade física dos futebolistas.
“Isso, não é bom e preocupa-me de que maneira. As infra-estruturas para o futebol, o campo de treinos é prioritário,  infelizmente não temos”, lamentou.
 Afirmou que trabalhar nas condições em que o grupo labuta, é de todo desfavorável para o grupo.
“Contudo, estamos prontos. Sabemos que no nosso trabalho em vários momentos e períodos, temos de nos adaptar, pois, a capacidade de adaptação é uma premissa que está sempre presente e temos de estar preparados para arranjar soluções”, minimizou.
Rendido à situação, mas inconformado com a realidade, Mário Soares confessou que diante das limitações espera cumprir no mínimo com cerca de 75 por cento da programação elaborada pela equipa técnica, de modos a evitar um início de campeonato “turbulento”.
“Esperamos  cumprir à volta de 75 por cento do que foi elaborado na programação, mas temos de arranjar soluções para isso”, disse.
BN - Lubango.