Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Joo Pintar est satisfeito com o plantel

Augusto Panzo, em Benguela - 20 de Janeiro, 2017

FC Bravos do Maquis potencia nveis para a realizao de uma temporada futebolstica este ano

Fotografia: Jornal dos Desportos

O treinador da equipa do FC Bravos do Maquis manifestou-se ontem, em Benguela, optimista com o comportamento do grupo, ao longo da primeira semana de estágio, que os maquisardes realizam desde o passado dia 8 do corrente, na cidade das acácias rubras, visando a época de 2017.

Convidado pelo Jornal dos Desportos, para fazer uma breve avaliação do grupo, depois de dois jogos amistosos que o FC Bravos do Maquis disputou e venceu, diante do Sagrada Esperança da Lunda Norte do JGM do Huambo, ambos por 2-1, João Pintar disse que o plantel está a ser formado ao ritmo da preparação, pois, cada dia que passa, descobrem-se outras melhorias.

“Considero positiva a evolução do grupo de trabalho nesta primeira semana de estágio em Benguela, em função daquilo que são os nossos objectivos. Sabe que nessa fase os resultados não muito tidos em causa, mas sim, aquilo que pretendemos alcançar e que pensamos de positivo, que o grupo pode nos proporcionar durante a competição”, afirmou o técnico na sua alocução.

A presença de jogadores com muita experiência do Girabola Zap no plantel constitui uma mais-valia, esperando apenas que o grupo trabalhe bem melhor, de maneira que os objectivos traçados pela direcção presidida por Augusto Manuel José Kitadica “Doca” sejam cumpridos.

“Depois de termos recebido alguns atletas que considero de mais-valia, pela experiência que os mesmo carregam sobre o Girabola, mais que nunca, a direcção, eu e os meus companheiros da equipa técnica, estamos super felizes. Agora resta-nos apenas trabalhar humildemente, no sentido de fazer sempre bem e melhor, para que possamos então fazer aquilo que a direcção do clube projectou, que se traduz na manutenção na primeira divisão”, acrescentou. O técnico do FC Bravos do Maquis enalteceu os triunfos nos dois primeiros testes em Benguela, pois, na sua óptica, não se importa em que circunstância, mas as vitórias são sempre motivadoras.

“Conseguimos duas vitórias nos dois amistosos que já disputámos, ao longo da nossa estadia cá em Benguela, sendo uma diante do Sagrada Esperança (2-1) e outra frente ao JGM do Huambo (2-1). Sabe que mesmo a feijões, ninguém gosta de perder.

Daí que, as vitórias são sempre um factor motivador, porque dá maior força à própria equipa em termos mentais, porque tudo que é positivo, eleva a motivação de quem quer que seja, jogador ou funcionário simples do clube”, resumiu o treinador.


CONVICÇÃO
“Temos de trabalhar
sempre no limite”

O FC Bravos do Maquis conseguiu dois resultados positivos nos primeiros amistosos que disputou em Benguela, que o seu treinador considera motivadores, mas João Pintar encara que o essencial no estágio, passa sobretudo no bom aperfeiçoamento das diferentes vertentes de treinamento que a equipa tem vindo a realizar.

 João Pintar negou que isso corresponda à boa assimilação dos ensinamentos que têm sido traduzidos aos jogadores, mas sim, porque nas equipas da alta competição já não se ensina nada.

“Bem, nós agora já não estamos a ensinar nada. Apenas estamos a passar a mensagem de que o futebol é harmonia, atitude e organização. Então temos que trabalhar sempre no limite, se quisermos ganhar. E eles sabem muito e a nossa tarefa é de relembrar no dia-a-dia aos mesmos aquilo que são os movimentos tácticos e técnicos, para que não cometam erros de base, algo de que o nosso futebol carece muito”, considerou o técnico maquisarde. Na opinião de João Pintar, uma equipa bem preparada nesses fundamentos, sujeita-se a cometer poucos erros sobretudo nos aspectos defensivos, e com maior eficácia na vertente ofensiva”, destacou.

O treinador maquisarde mostrou-se satisfeito com a elevada presença de equipas luandenses em Benguela, na medida em que isto permite a realização do maior número de jogos possível.

“É sempre importante fazer jogos, porque é através deles que os jogadores ganham maior consistência, e nos dão o poder de avaliar o potencial de cada jogador. Podíamos ficar no Luena, mas lá não há competição.

Viemos em Benguela e felizmente isso está a ser benéfico, porque encontramos muitos adversários e vamos sempre continuar a tirar bom proveito dessas equipas que aqui se encontram a estagiar”, avançou o treinador João Pintar.