Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Jorge Mrio v rbitros limpos no jogo da polmica

Betumeleano Ferro - 07 de Março, 2019

Lder do Conselho Central de rbitros assegurou que ningum do seu elenco tem motivos de queixa contra o quarteto nomeado

Fotografia: Jornal dos Desportos

O presidente do Conselho Central de Árbitros de Futebol  de Angola (CCAFA), Jorge Mário Fernandes, relevou ontem ao Jornal dos Desportos que o facto do foco da polémica do Desportivo da Huíla 3 - 1º de Agosto 3 não estar na equipa de arbitragem, é a melhor prova de que o quarteto nomeado \"não tem nada a ver com eventuais situações anormais que aconteceram durante o jogo\".
A excelente actuação do quarteto liderado por Ailton Carmelino dá motivos suficientes para o \"número um\" do CCAFA, dormir à sombra da mulemba, depois do Conselho de Disciplina anunciar um inquérito para apurar uma possível adulteração da verdade desportiva.
\"Felizmente para nós, os nossos filiados não têm nada a ver com o que se está a falar, então, por mais que se façam investigações para apurar a verdade, eu creio que as culpas desta vez não vão cair para cima da arbitragem\", enalteceu.
O presidente do CCAFA assegurou que nem ele nem ninguém do seu elenco tem motivos de queixa contra o quarteto nomeado, o contrário sim está a acontecer, embora algumas pessoas achassem que seria mais do que um jogo, o CCAFA preferiu pensar alto.
\"Metemos um bom árbitro que foi auxiliado por dois assistentes internacionais, não metemos um árbitro qualquer, não há erros a apontar contra os juízes nomeados, não temos medo nenhum do inquérito, o árbitro não teve problemas nos 90 minutos\", realçou.
A busca da verdade também interessa a Jorge Mário Fernandes e colaboradores, o mais importante para o CCAFA é que o clima de suspeição mudou de direcção, pelo que ninguém tem como duvidar do conteúdo dos relatórios do árbitro e do comissário.
\"Mal de nós se tudo o que está a acontece fosse por culpa dos árbitros, eles fizeram bem a sua parte, escreveram aquilo que realmente aconteceu, se tivesse ocorrido uma acção suspeita mesmo durante o jogo eles saberiam como agir, mesmo que não pudessem provar poderiam mencionar que coisas anormais aconteceram\", afirmou.
Por exemplo, o presidente afirmou que se antes do jogo se soubesse que uma das equipas precisaria de um certo resultado para consumar determinado objectivo, o mero facto de acontecer o placar final esperado não daria motivos para o árbitro assumir o papel de acusador.
\"Vamos imaginar que estava em causa a manutenção ou algo parecido mas o jogo tinha de sair 10-0 ou mais, se isto se consumar, o árbitro faz a sua informação ou relatório, a FAF tem órgãos próprios para fazer o seu inquérito se acharem que há elementos suficientes mencionados pelo árbitro\", garantiu.
O aparente desabafo do técnico Mário Soares, Desportivo da Huíla, pode ser a chave que se precisa para abrir a porta da verdade, Jorge Mário Fernandes faz avaliações diferentes das declarações que os dois treinadores fizeram no final do jogo.
\"Se o próprio técnico falou o que falou, se ele mesmo disse que iria fazer um inquérito para perceber o que aconteceu, eu acho que as coisas deveriam começar por aí, é bom que o inquérito que o Desportivo saia primeiro, pode ajudar a resolver todo o problema\", assegurou.
A decisão do Conselho de Disciplina de avançar com o inquérito pode ser o vento da mudança que o futebol nacional precisa para acabar em definitivo com o clima de suspeição que é antigo.
\"É bom que se apure o que efectivamente aconteceu, o que considero importante é que as pessoas sintam que os tempos agora são outros, que tudo mudou, que já não podem mais repetir as mesmas coisas de antes, as pessoas têm de sentir receio de praticar coisas que atentem contra a verdade desportiva\", argumentou.
 O Conselho de Disciplina ainda não anunciou o tempo em que vai durar o seu inquérito, porém, Jorge Mário Fernandes afirmou que mesmo que o relatório do árbitro e comissário não tenham informações relevantes, a comissão de inquérito tem como achar \"pessoas idóneas\" que estiveram presentes no Ferrovia interessadas em ajudar nas investigações \"porque não querem continuar a ver a mesma coisa, querem uma mudança de situação\", rematou.