Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Juniores do Cala retidos em Cabinda

Joaquim Suami ,Em Cabinda - 21 de Janeiro, 2017

Juniores do Cala est retida no hotel em que se encontra hospedada, por encontrar dificuldades para deixar Cabinda rumo a Luanda

Fotografia: Jornal dos Desportos

A equipa do Recreativo da Caála, eliminado na última terça-feira, na fase de grupos do Campeonato Nacional de Futebol de Sub-20, após perder diante da Académica do Lobito, por três bolas a uma, está retida no hotel em que se encontra hospedada, por encontrar dificuldades para deixar Cabinda rumo a Luanda, de onde partirá para a cidade do Huambo.

O coordenador técnico para área de formação do clube do Huambo, Francisco Vitorino, disse, em entrevista ao Jornal dos Desportos, que a situação vivida demonstra que a Federação Angolana de Futebol (FAF) não está a honrar com o compromisso assumido em transportar as equipas de Cabinda para Luanda, depois de terminarem as suas participações na competição.

“A FAF não está a cumprir com a promessa que fez de ajudar na transportação das equipas de Luanda para Cabinda e vice-versa. Mandaram-nos ir até ao aeroporto local e, quando lá chegamos, fomos informados que o avião não estava autorizado para transportar nenhuma equipa, com a excepção do 1º de Agosto.

Voltamos para o hotel e depois de uma hora, ligaram-nos novamente para estarmos no aeroporto, postos no local, só embarcou a equipa do Progresso da Lunda Sul, pelo facto de ser uma aeronave pertencente ao senhor Santos Bikuku”, lamentou.A atitude da FAF, segundo disse, não constitui surpresa, por isso muitas equipas desistiram em participar da prova, porque previram os atrasos de transportação das equipas depois das suas participações na competição.

“Estamos aqui e ninguém diz nada. Em Cabinda, tudo é caro, se continuarmos até amanhã (hoje) e não conseguirmos embarcar vai ser complicado para toda a delegação. É complicado quando chega um avião enorme e só consegue levar uma equipa. Pedimos as pessoas de direito para agirem rápido”, disse.