Jornal dos Desportos

Director: Matias Adriano
Director Adjunto: Policarpo da Rosa
Futebol

Mauritnia surpreende com sangue tuga

Betumeleano Ferro - 11 de Outubro, 2018

O seleccionador mauritaniano pode ser eternizado, se os seus pupilos forem capazes de manter a sequncia de resultados

Fotografia: Aro Martins | Edies Novembro

A Mauritânia está a deixar boquiaberta o continente, o aproveitamento de cem por cento nas duas jornadas já disputadas, a última vitória caseira de dois a zero sobre o favorito Burkina Faso, colocaram nos píncaros da glória, a selecção orientada pelo francês Corentin Martins da Silva, ex-internacional francês, de origem portuguesa, 49 anos de idade.
O seleccionador mauritaniano pode ser eternizado, se os seus pupilos forem capazes de manter a sequência de resultados, vão sim alcançar o maior feito do seu futebol: disputar a fase final duma competição continental. Corentin Martins foi o camisola 21 da França no Euro 96, agora ele tenta inspirar os pupilos para sentirem a mesma sensação de estarem entre a elite do continente, os 6 pontos podem ser prenúncio de muitos mais, se a colheita na segunda volta for feita com o dobro já obtido, há muitas chances de o CAN se tornar realidade.
A equipa nacional mauritaniana é desconhecida para a maioria dos adeptos do futebol africano, com excepção da regional Taça Amílcar Cabral nada mais conseguiu para se orgulhar, mas a aposta no técnico Corentin Martins e na diáspora, sobretudo França, está a ser determinante para a Mauritânia estremecer os colossos do grupo I, que está a liderar de maneira competente, duas vitórias em tantos jogos.
O futebol mauritaniano não tem tradição no continente, mas uma atenta olhada à ficha técnica do jogo contra o Burkina Faso mostra o que aconteceu nos bastidores, a federação local se virou para a sua diáspora, França, para fazer o mesmo que selecções cotadas no mundo fazem, buscar extramuros atletas formados em clubes conceituados.
O centro da defesa no desafio com o Burkina Faso for formado por Haroune Abou, 26 anos, e Abdoul Ba, 24, ambos jogam na segunda divisão francesa, mas Abdoul Ba tem uma ficha invejável ao serviço do Auxerre, um dos clubes famosos pela sua formação em França. Até ao momento, ele contabiliza 7 jogos feitos e se encaminha para repetir os mesmos números da temporada passada em que fez 26 partidas.
Outro destaque na selecção da Mauritânia no jogo passado é o número de jovens promissores como o lateral esquerdo Aly Abeid, 19 anos de idade, formado pelo Levante de Espanha que o cedeu por empréstimo esta época ao Alcorcón, terceiro classificado do campeonato espanhol da segunda divisão.
Além dele há outros como os médios Abdoulkader Thiam, 20 anos de idade, formado no Mónaco de França, mas que está sem clube, e Moctar El Hacem, que tem a mesma idade, e que actua no Valladolid B, do segundo escalão espanhol, Abdallahi Mahmoud, 18 anos, defesa do Alvés B de Espanha.
A Mauritânia olhou também para dentro do continente, o defesa Bakary Ndiaye, 19 anos, actua no DHJ El Jadida dos Marrocos, e o avançado Mohamed Soudani, 23 anos, do AS Gabès da Tunísia, que antes actuou na Arábia Saudita.
Se der razão a máxima segundo a qual em equipa que ganha não se mexe, Corentin Martins vai trazer a Luanda uma selecção formada por atletas que actuam na Mauritânia, Grécia, Suíça, França, Turquia, Marrocos, Libano e Espanha.